Translate this Page
  • Currently 2.56/5

Rating: 2.6/5 (263 votos)




ONLINE
3




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Comentario biblico carta de 2 Pedro cap.1
Comentario biblico carta de 2 Pedro cap.1

 

 

COMENTARIO BIBLICO PARA SUBSIDIO DAS ESCOLA DOMINICAL

MAURICIO BERWALD ESCRITOR PROFESOR  

CAPITULO N.3

2 Pedro 3

 

Verso 1

2 Pedro 3: 1 . Esta é agora, amada, uma segunda epístola que te escrevo. A sentença pode ser traduzida literalmente assim: "Esta segunda epístola, amado, eu escrevo para você." A expressão parece implicar que um tempo comparativamente curto se passou desde que ele as escreveu antes. Isto é referido como uma "evidência de sua solicitude afetuosa, bem como da importância e urgência do assunto" (Lillie). A Primeira Epístola é, portanto, alega-se incidentalmente pela mesma mão. O autor prefacia o que ele tem agora a dizer sobre os escarnecedores dos últimos dias por uma declaração pessoal, como foi o caso também com a afirmação solene feita no cap. 2 Pedro 1: 12-15. A Epístola também se aprofunda notavelmente na urgência amorosa de seu tom, já que agora se aproxima de sua conclusão. Daí os repetidos apelos aos leitores como 'amados' que distinguem este capítulo ( 2 Pedro 3: 1 ; 2 Pedro 3: 8 ; 2 Pedro 3:14 ; 2 Pedro 3:17 ).

 

no qual; isto é, "em que epístolas" ou "em ambas". O parente plural é usado, como se a Primeira Epístola e a Segunda tivessem sido especificadas.

 

Eu agito sua mente sincera em lembrar (ou, no caminho de) lembrete). Na fórmula, veja a nota no cap. 2 Pedro 1:13 2 Pedro 1:13Filipenses 1:10 1 Coríntios 5: 8 2 Coríntios 1:12 2 Coríntios 2:17 Tiago 1: 8 Tiago 4: 8 Mateus 6:22 1 Pedro 2: 1 1 Pedro 1:13 . O adjetivo prestado 'puro' pelo AV ocorre apenas uma vez mais no NT, viz. em Filipenses 1:10 , onde o AV traduz "sincero", como o RV faz aqui. É derivado por alguns de uma raiz expressiva do claro esplendor da luz solar; por outros a partir de uma raiz que denota o que é separado por si mesmo; por outros ainda de um significando o que é purificado rolando ou agitando. Parece significar basicamente não misturado, distinto. O substantivo cognato é encontrado três vezes no NT (1 Coríntios 5: 8 ; 2 Coríntios 1:12 ; 2 Coríntios 2:17 ). O termo tem um sentido ético definido no NT, que vai além de qualquer coisa que tenha no grego clássico. Com uma abordagem aproximada de um relato completo, o Arcebispo Trench define-a como uma graça que “excluirá toda a mentalidade dúbia, o coração dividido ( Tiago 1: 8 ; Tiago 4: 8 ), o olho não é único ( Mateus 6:22 ), todas as hipocrisias ( 1 Pedro 2: 1 ). ' Enquanto o AV dá ao plural "mentes", o original tem a "mente" singular. Na própria palavra, veja Nota 1 Pedro 1:13 .

 

Versos 1-10

Alguns dizem que as primeiras palavras deste terceiro capítulo indicam o início de uma nova epístola. O que temos, no entanto, é apenas o começo de uma nova divisão da mesma epístola. O grande assunto agora é esse 'poder e Vinda de nosso Senhor Jesus Cristo', do qual o escritor falou no cap. 2 Pedro 1:162 Pedro 1:16. Ele já expressou sua preocupação em ver seus leitores firmemente estabelecidos nesta grande expectativa. Ele lhes deu a entender que os últimos trabalhos de sua vida deveriam ser direcionados para esse fim. Ele agora deixa claro o motivo que ele tinha para sua grande ansiedade sobre o assunto. Ele sabia que essa verdade do Segundo Advento do Senhor deveria ser atacada pelos raios afiados de escárnio e desprezo. Desejoso ver seus leitores armados contra o escarnecedor, nesta primeira metade do capítulo ele prevê a ascensão dessa tentação sutil, descreve a forma que assumirá e refuta o raciocínio que emprega.

 

Verso 2

2 Pedro 3: 2 2 Pedro 3: 2 . a fim de que possais lembrar as palavras ditas pelos santos profetas. A importância do testemunho da profecia (obviamente aqui profecia do Antigo Testamento, e especialmente aquelas seções que falam do Advento do Messias) é novamente pressionada, como já era o caso no cap. 2 Pedro 1:19 , etc. Na passagem paralela de Judas ( Judas 1:17 , etc.) essa referência à profecia, tão característica de Pedro, não aparece.2 Pedro 1:19 Judas 1:17

 

e o mandamento do Senhor e Salvador por seus apóstolos. Em vez do pronome da primeira pessoa que leva à interpretação do AV, 'o mandamento de nós, os apóstolos do Senhor e Salvador', as melhores autoridades dão o pronome da segunda pessoa. Assim, obtemos uma frase que é traduzida de várias maneiras. Alguns, por exemplo, fazem dele 'o seu mandamento do Senhor dos apóstolos', significando por aquele 'mandamento dado por Aquele que é o Senhor dos apóstolos'. Outros o colocam assim: 'o seu mandamento dos apóstolos, do Senhor', isto é, 'o seu mandamento, que os apóstolos, ou melhor, o próprio Senhor deu'. Literalmente, no entanto, pode ser traduzido, 'e o mandamento dos seus apóstolos para o Senhor e Salvador', ieo mandamento dado pelo Senhor e Salvador, e feito a você por seus apóstolos. Isto está suficientemente em harmonia com o paralelo em Judas 1:17 Judas 1:17Mateus 7:15 Mateus 24: 5 Mateus 24:11 Apocalipse 2:21 e produz em geral o sentido mais pertinente. A expressão 'seus apóstolos pode apontar para Paulo e aqueles que estavam unidos a ele na evangelização original dessas partes. O "mandamento" significa aqui nem o Evangelho em geral (que é um sentido amplo demais para ele); nem a injunção particular dirigida por Cristo contra falsos mestres em passagens como Mateus 7:15 ; Mateus 24: 5 ; Mateus 24:11 (que é um senso muito estreito); muito menos a pregação das profecias como uma acusação cometida aos apóstolos (Dietlein). Tem substancialmente o sentido que tinha emApocalipse 2:21 - a nova lei evangélica da vida, ou o Evangelho em seu lado ético. A única diferença é que, como o grande assunto agora em banda é a negação frívola da probabilidade do retorno de Cristo à Terra, essa nova lei da vida evangélica é apresentada especialmente em sua oposição ao tipo de vida a que tal negação serviu. uma tentação.

 

Verso 3

2 Pedro 3: 3 2 Pedro 3: 3 . sabendo disso primeiro; a mesma fórmula, com a mesma força, como no cap. 2 Pedro 1:20 .2 Pedro 1:20

 

que no último dos dias; por isso deve ser processado, de acordo com uma leitura que é preferida pelos melhores editores críticos. O que é seguido pelo AV, embora seja traduzido como "nos últimos dias", significaria literalmente "no fim dos dias" e não é totalmente idêntico ao outro. Nestas frases, veja Nota 1 Pedro 1: 51 Pedro 1: 5 . Aqui, o "último dos dias" significa os tempos imediatamente anteriores à Segunda Vinda de Cristo, e imediatamente introduzindo a Era Messiânica, também descrita como a "era por vir". Aquela Nova Era Messiânica da Igreja tinha começado, de fato, a entrar com a Primeira Vinda de Cristo, mas foi para entrar finalmente com a Segunda Vinda que a fé rápida dos primeiros crentes percebeu como próxima.

 

zombadores virão em escárnio. Esta leitura mais longa tem apoio documental que não deve ser resistido. O AV, omitindo a frase "na zombaria", que é bastante em consonância com o elenco hebraico de muito mais nas Epístolas Petrinas, retira a afirmação de seu traço mais gráfico. Quando esses escarnecedores vierem, eles virão em caráter. Ambos os substantivos são incomuns no NT, o primeiro ocorrendo novamente somente em Judas 1:18 Judas 1:18 , o último (embora outra forma do mesmo seja encontrada em Hebreus 11:36Hebreus 11:36 ) somente aqui.

 

andando atrás de suas próprias luxúrias. A expressão é muito forte. Os Musts são descritos como próprios e como uma regra ou objetivo reconhecido em sua vida. A vida lasciva e a voz zombeteira não estão associadas aqui sem um propósito. Sensualidade e fé, auto-indulgência grosseira e apreensão espiritual clara, não podem coexistir. O espírito zombador é a irmã ou filho do espírito imundo. Deve-se notar que esta passagem é usada em um tratado atribuído a Hipólito, "inquestionavelmente o membro mais erudito da Igreja Romana" no início do terceiro século.

 

Verso 4

2 Pedro 3: 4 2 Pedro 3: 4 . e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? A "vinda" é novamente expressa aqui pela palavra parousia, "presença"; quanto ao que ver no chap. 2 Pedro 1:16 . A questão, colocada com desprezo triunfante por esses escarnecedores, repete os termos acalentados usados ​​pelos crentes - a 'promessa' em que eles confiavam, a 'vinda' que eles esperavam com vívida expectativa, a própria forma ('Sua Vinda', não ' Cristo está vindo' ou o 'Senhor2 Pedro 1:16 1 João 2: 6 1 João 3: 3 1 João 3: 5 1 João 3: 7 1 João 3:16 1 João 4:17 3 João 1: 7 Isaías 5:19 Malaquias 2:17 Salmos 42: 3 Salmos 79:10 Jeremias 17:15Vindo ') em que eles estavam acostumados a se referir a Ele que era tanto o único objeto de seus pensamentos a ponto de não precisar de identificação pelo nome entre eles. 'Aqueles que acreditam', diz Bengel, 'tendo o coração cheio da memória do Senhor, facilmente fornecem o nome.' João repetidamente exibe este estilo de referência ao Senhor comum dos cristãos, sem nomear o nome, por exemplo , 1 João 2: 6 ; 1 João 3: 3 ; 1 João 3: 5 ; 1 João 3: 7 ; 1 João 3:16 ; 1 João 4:17 ; 3 João 1: 7 . Com a incredulidade desdenhosa expressa na questão, compare tais passagens do AT com Isaías 5:19 , Malaquias 2:17., que registram alegações semelhantes lançadas contra as palavras dos profetas no antigo Israel. Para a forma interrogativa, que transmite o tom do triunfo zombeteiro à negação, compare também Salmos 42: 3 ; Salmos 79:10 ; Jeremias 17:15 .

 

porque desde o dia em que os pais dormiram, todas as coisas continuam assim desde o princípio da criação. Estas palavras indicam como os escarnecedores vão raciocinar sobre a rejeição da promessa. O argumento deles será retirado do atraso no cumprimento da "bendita esperança" ( Tito 2:13 Tito 2:13).Romanos 9: 5 Hebreus 1: 1 Atos 1:11 João 11:11 Atos 7:60 Atos 13: 3 1 Coríntios 15: 6 1 Coríntios 15:18 1 Coríntios 15:20 1 Tessalonicenses 4:14) da fraternidade cristã e da uniformidade ininterrupta das coisas. A ideia parece ser a de que, tomando como certo que algum grande distúrbio no sistema do mundo estará necessariamente envolvido em um evento como o Advento de Cristo, e falhando em ver quaisquer sinais de uma interrupção na velha ordem, eles vai ridicularizar o evento em si. A força precisa dos termos, no entanto, e a relação exata em que as várias partes da frase se interpõem são interpretadas de maneira muito diferente. Os "pais" são entendidos como os patriarcas da raça humana, os patriarcas da nação judaica, todos aqueles a quem a promessa foi dada, os homens da primeira geração cristã, ou geralmente aqueles que precederam cada geração em particular. Sem dúvida, seria mais natural, outras coisas permitiram,Israel foi concebido; em que sentido a frase "os pais" ocorre, por exemplo, em Romanos 9: 5 ; Hebreus 1: 1 . Mas como o escritor fala aqui de um estado de coisas que pertence ainda ao futuro, e como o fato de que os patriarcas do AT morreram antes do cumprimento da promessa do retorno do Senhor seria um estranho argumento para que esses escarnecedores incitassem contra o cristão Espero, parece necessário entender por 'os pais' aqui aqueles que estavam em uma relação com a Igreja Cristã parecida com aquela ocupada pelos patriarcas judeus à Igreja de Israel. A primeira geração de crentes cristãos recebeu esta promessa ( Atos 1:11, etc.), e viveu na esperança de sua realização rápida e segura. Eles morreram sem testemunhar isso, e isso seria usado com seus filhos como um argumento para desacreditar a promessa em si. A segunda especificação do tempo parece ser acrescentada a fim de dar ênfase à primeira e exibir, da forma mais forte possível, a constância da ordem natural das coisas. O significado é o mesmo que se a sentença tivesse tomado esta forma mais regular: 'Apesar desta promessa, seus pais a quem foi dada morreram, e todas as coisas continuam as mesmas desde então, como de fato elas continuaram. sua primeira criação. 'Maior vivacidade é acrescentada à afirmação de uniformidade ininterrupta pelo uso do tempo presente' continuar '(o próprio verbo também é uma forma composta expressando continuidade persistente através de um período de tempo indefinido), e pelo simples' assim 'pelo qual a ideia de "como elas são" ou "como as vemos" é transmitida. O AV domina a confiança abrupta do enunciado, inserindo as palavrascomo eles estavam depois do 'continue'. A frase 'adormeceu' (com a qual compara João 11:11 ; Atos 7:60 , Atos 13: 3 ; 1 Coríntios 15: 6 ; 1 Coríntios 15:18 ; 1 Coríntios 15:20 ; 1 Tessalonicenses 4:14 , etc. .) agora é para ser notado. A expressão, frequente como é nos escritos paulinos, é encontrada apenas uma vez em Pedro. Nos lábios dos escarnecedores, pode ser que, como alguns supõem (por exemplo, Lillie), outro exemplo de "acomodação irônica ao dialeto da fé e da esperança da ressurreição". A comparação entre a morte e o sono é aquela que está próxima e não é de modo algum peculiar às Escrituras. Em Homer (Il. xiv. 231, xvi. 672, 682) O sono e a morte são gêmeos de raça alada, de velocidade inigualável, mas ritmo silencioso, e a deusa Afrodite é representada apressadamente sobre o mar até a ilha de Lemnos em busca da caverna do meio-irmão da Morte. . Na literatura de muitas nações, o sono é reconhecido como "imagem da morte". O que é peculiar ao uso do Novo Testamento da figura natural (e em parte também ao seu uso no Antigo Testamento) são as novas concepções com as quais o Apocalipse a encheu - as esperançosas concepções de descanso, vida continuada e, acima de tudo, de despertar em novidade de energia. Então, para o cristão, o túmulo se tornou o cemitério, ou seja,o dormitório ou o lugar de dormir. "Todas as dores do corpo, todas as carências de simpatia e cuidado humanos, toda a repentina da chave da vida, no meio da saúde e da força, tudo isso não impedirá a morte do cristão de não merecer nome mais severo do que o sono ". (T. Arnold).

 

Verso 5

2 Pedro 3: 52 Pedro 3: 5 . Pois isso os escapa por vontade própria. Assim, a sentença pode ser traduzida literalmente. A interpretação do AV, "para o que eles voluntariamente ignoram", é um pouco fraca. Melhor é o da RV, "por isso eles intencionalmente esquecem". O 'isto' então se refere ao fato que deve ser declarado imediatamente. Alguns bons intérpretes (incluindo Schott, Huther, etc.) supõem, no entanto, que o "isto" se refere à pergunta precedente dos escarnecedores, e dá o sentido assim: "pois, enquanto afirmam isso, isso lhes escapa" etc. Mas o senso de afirmaçãoque é assim colocado sobre a palavra traduzida "por vontade própria" (literalmente "desejando"), embora encontrada em grego extra-bíblico, parece ser estranha ao NT. . . O 'para' pelo qual a declaração é introduzida mostra que é dada na explicação dos zombadores que se aventuram a falar como eles fazem. O ponto então é este: 'eles falam assim, porque eles intencionalmente esquecem de tal ruptura na constância da natureza como aquela causada pelo Dilúvio'. Ou pode ser na refutação de seu raciocínio, o ponto então sendo: 'este argumento da uniformidade ininterrupta das coisas é apenas o argumento dos escarnecedores, pois, embora eles possam escolher esquecê-lo, essa uniformidade já foi perturbada por um grande catástrofe e, portanto, pode ser por outro.

 

que havia céus desde a antiguidade; isto é, desde o começo das coisas. O AV faz "os céus". Mas o artigo está faltando no original - e uma terra; não ' a terra' como o AV coloca de novo. - compactado fora da água e através da água. A ideia aqui não é clara, e as representações, consequentemente, variam consideravelmente. O AV está errado em supor que as palavras se referem à posiçãoda terra, e ao fazê-lo, portanto, 'de pé fora da água e na água'. Nisso, até agora, Tyndale e o Genevan, que deram "a terra que estava na água, surgiram da água". Wycliffe tem "a terra da água estava de pé junto à água". A versão de Rhemish vem muito mais perto do sentido quando se traduz a cláusula, 'a terra fora da água e através da água consistindo'. O verbo significa reunido, feito sólido, compactado (como o RV coloca), ou consistindo (como é apresentado pelo AV em Colossenses 1:17 Colossenses 1:17e em sua nota marginal na presente passagem). O que está em vista, portanto, na frase "fora d'água", não é a situação ocupada pela terra, nem meramente o fato de que a terra foi feita "para sair das águas em que ela estava enterrada durante o caos". Hofmann, Schott, Bengel, etc.), mas o material de que uma terra foi construída no início. A segunda frase é tomada até mesmo pelo RV para se referir à posição da terra, e é consequentemente traduzida 'em meio à água'. E isso pode parecer ser apoiado por passagens como Salmos 24: 2 ; Salmos 136: 6Salmos 24: 2 Salmos 136: 6 Gênesis 1: 2 2 Pedro 3: 7-8 2 Pedro 3: 9-10 Hebreus 11: 3 João 1: 3 Hebreus 1: 2. Mais natural e literalmente, no entanto, a frase significa 'através de' ou 'por meio da água. E esse sentido está em conformidade suficiente com o que era, com toda a probabilidade, na mente do escritor, a saber, o relato da criação no Livro do Gênesis. Esse registro representa a água, em certo sentido, tanto o material quanto a instrumentalidade empregada na formação original de uma terra a partir do caos, ou pelo menos tanto como o elemento a partir do qual e o elemento pela agência.dos quais a terra seca foi trazida à luz. É absurdo supor que o escritor esteja falando em termos não do registro mosaico, mas de algumas cosmogonias populares ou filosóficas da época. 'Bastante em harmonia com o relato em Gênesis, ele considera os céus e a terra em sua forma original como procedendo da Palavra criadora de Deus das águas do caos ( Gênesis 1: 2 ), e isto de tal maneira que a origem do os céus foram provocados pela separação das águas ( 2 Pedro 3: 7-8 ), e a origem da terra pela reunião das águas ( 2 Pedro 3: 9-10 ) (Weiss, Bib. Theol.ii. p. 224, Trans de Clark.) .-- pela palavra de Deus. Em referência ao 'Deus disse' do registro Mosaico, e assemelhando-se a declaração em Hebreus 11: 3 , mas não equivalente à identificação final da palavra criativa com a Palavra ou Filho pessoal que temos em João ( João 1: 3 como também em Hebreus 1: 2). A explicação final da origem da terra, portanto, deveria ser buscada não na água, tanto quanto a que tinha a ver com ela, mas na vontade expressa de um Criador. Desta Vontade as 'todas as coisas' primeiro receberam sua forma, e sobre ela elas dependiam da constância e permanência a que os escarnecedores apelariam. A relação em que esta declaração sobre a formação de um céu e uma terra no começo se refere ao que se segue é algo incerta. A conexão do pensamento pode ser que, como eles deviam sua primeira construção à Palavra de Deus, eles devem sua continuação inteiramente à mesma Palavra de Deus, e sua constância presente, portanto, não é um argumento contra o ser então quebrado pelo advento do Senhor. Ou pode ser que a origem do céu e da terra existentes, fora do caos anterior, seja ela mesma aduzida, antes mesmo do Dilúvio se refere, como exemplo, que deve ser bem conhecido a esses escarnecedores, dessa mudança na ordem estabelecida das coisas que eles desejarão negar. Ou, como é suposto por muitos, o ponto pode ser que houvesse pelo menos uma vasta incursão sobre o sistema aparentemente imutável do mundo do qual essas partes não poderiam ser ignorantes, mas por propósito intencional, a saber, o Dilúvio; e que o mesmo elemento que a Palavra de Deus usou ao preparar a terra sólida e "todas as coisas" foi empregado pela mesma palavra ao destruí-las. o ponto pode ser que houvesse pelo menos uma vasta incursão sobre o sistema aparentemente imutável do mundo, do qual essas partes não poderiam ser ignorantes, mas por propósitos intencionais, a saber, o Dilúvio; e que o mesmo elemento que a Palavra de Deus usou ao preparar a terra sólida e "todas as coisas" foi empregado pela mesma palavra ao destruí-las. o ponto pode ser que houvesse pelo menos uma vasta incursão sobre o sistema aparentemente imutável do mundo, do qual essas partes não poderiam ser ignorantes, mas por propósitos intencionais, a saber, o Dilúvio; e que o mesmo elemento que a Palavra de Deus usou ao preparar a terra sólida e "todas as coisas" foi empregado pela mesma palavra ao destruí-las.

 

Verso 6

2 Pedro 3: 6 2 Pedro 3: 6 . pelo qual o mundo então inundado com água pereceu. O termo usado para "mundo" aqui é aquele ( cosmos ) que o descreve como um sistema de ordem e beleza, e o apresenta (em distinção de outro termo aeon, que lida com ele sob o aspecto do tempo) sob o aspecto de espaço. Tem uma ampla variedade de aplicações no NT, sendo equivalentes, por exemplo, às vezes para todo o universo material ( Mateus 13:35 ; João 17: 5 ; João 21:25 ; Atos 17: 4 ; Romanos 1:20 ), às vezes para o mundo do homem ou o sistema de coisas de que ele é o centro ( João 16:21Mateus 13:35 João 17: 5 João 21:25 Atos 17: 4 Romanos 1:20 João 16:21 1 Coríntios 14:10 1 João 3:17 João 1:29 João 4:42 2 Coríntios 5 : 19 João 1:10 1 Coríntios 1: 20-21 Tiago 4: 4 1 João 3:13 2 Pedro 2: 5 1 Pedro 2: 8 ; 1 Coríntios 14:10 ; 1 João 3:17 ), às vezes para a totalidade dos homens que ocupam esse sistema ( João 1:29 ; João 4:42 ; 2 Coríntios 5:19 ), e às vezes para o 'mundo' no sentido ético da totalidade dos homens vivendo sem Deus e fora do Seu reino ( João 1:10 ; 1 Coríntios 1: 20-21 ; Tiago 4: 4 ; 1 João 3:13 ). Aqui a frase não precisa se restringir à idéia do mundo dos homens, ou das criaturas vivas,mas pode cobrir toda a ordem das coisas, com os homens que a ocupam, que existiam antes do Dilúvio. Como o particípio, que é "transbordado" tanto pelo AV como pelo RV, é uma forma relacionada ao substantivo "inundação" ( por exemplo, no capítulo 2 Pedro 2: 5 ), deve ser traduzida como "inundada" aqui. Quando se diz que o "então mundo pereceu, é óbvio que o significado não é que ele foi aniquilado, mas que foi quebrado, teve sua 'ordem' destruída e foi reduzida a outra forma. O verbo é aquele para o qual os defensores da aniquilação ou imortalidade condicional,como a doutrina das Escrituras do fim dos injustos, reivindicam o sentido de destruição absoluta, ou extinção final - um sentido que não está de acordo com tais ocorrências como o presente. A principal dificuldade aqui, no entanto, está na instrução dos meios pelos quais esse perecimentoveio ao velho mundo. O 'pelo qual' do VA representa um parente plural, 'por meio do qual as coisas', o antecedente para o qual não é aparente. Alguns dizem que se refere aos "céus" e à "terra", sendo então a idéia de que o mundo antediluviano das criaturas vivas foi destruído pelos céus e a terra se unindo para transbordá-los com suas águas (Hofmann, Beza, Fronmüller, etc.), ou que o sistema material pereceu por meio das próprias coisas de que consistia, na medida em que os céus e a terra, que faziam seus constituintes, se desintegraram (Beda). Outros (Calvino, Lumby, etc.) supõem que ele se refere à “água” antes mencionada, o escritor usando o plural no lugar do singular, porque ele tinha em mente as duas relações da água, como substância e como instrumento, para a formação do velho mundo, ou as duas águas, a saber, as de cima do firmamento e as de baixo. Em apoio a essa interpretação (que no geral é o mais amplamente aceito), é feito um apelo ao registro Mosaico, que representa as janelas do céu como sendo abertas, assim como as fontes das profundezas como sendo quebradas. Na analogia do indefinido 'whereunto' em1 Pedro 2: 8 , alguns dão ao 'onde' aqui o sentido geral de 'por meio de quais circunstâncias' ou 'em conseqüência de qual arranjo de coisas'. Provavelmente, a melhor explicação, no entanto, é considerar o parente como referindo-se às duas coisas mencionadas pela última vez, viz. a água e a espada de Deus ; o ponto então sendo isto, que a velha e aparentemente constante ordem de coisas pereceu sendo submersa com água, os agentes da destruição sendo os agentes que primeiro formaram nossa terra e céus, isto é, a palavra criadora de Deus e o elemento da água. em que atuou. E esse fato inquestionável foi uma refutação suficiente do argumento de que todas as coisas continuaram sem mudança desde o começo da criação.

 

Verso 7

2 Pedro 3: 7 2 Pedro 3: 7Romanos 2: 5 1 Pedro 1: 4 2 Pedro 2: 4 1 Pedro 4:18 2 Pedro 2: 5 Mateus 5:18 Mateus 5:24 Mateus 5:29 1 Coríntios 3:13 2 Tessalonicenses 1: 8 Hebreus 12:27 Apocalipse 21: 1 Salmos 1: 3 Salmos 97: 3 Isaías 66: 15-16 Isaías 66:24 Daniel 7: 9-10 Salmos 102: 26-27 Jó 14:12 Isaías 34: 4 Isaías 2: 6 Isaías 66:22 Gênesis 9:11 . mas os céus que agora existem e a terra pela mesma palavra foram guardados para o fogo, reservados para o dia do juízo e da destruição dos ímpios. Os "que agora são" estão em antítese direta ao "mundo de então". A forma da frase também indica que o mundo do qual o escritor tem falado consiste em sua visão tanto do céu quanto da terra. Em vez de "pela mesma palavra" há outra leitura, "por Suapalavra ", que também é atestada com peso. Mas o sentido é praticamente o mesmo, ou seja, que a mesma Palavra criadora de Deus que primeiro fez os antigos céus e terra, e depois subjugou a ordem das coisas que construiu, ainda é a agência soberana que mantém os atuais céus e terra. e prepara para eles o seu futuro destino. O 'armazenado' dá a mesma idéia como no ' tesouro até a ira de si mesmo', etc., em Romanos 2: 5 . O 'para fogo' admite estar conectado tanto com o 'armazenado' ou com o 'reservado', mas em geral mais naturalmente com o primeiro como no RV, que com o segundo como no AV Quanto ao 'reservado veja 1 Pedro 1: 4 e 2 Pedro 2: 4. A idéia de "perdição", como o AV coloca, ou "destruição", como o RV lhe dá, é expressa pelo substantivo conectado com o verbo "perecido" no verso anterior, e tem o mesmo sentido. Os sujeitos deste "julgamento e perdição" são descritos definitivamente como " os homens ímpios", o artigo apontando para os escarnecedores que estão na mente do escritor durante todo o tempo, ou servindo simplesmente para afastar dos homens geralmente uma classe particular, a saber, que dos ímpios ou ímpios. Quanto ao epíteto, ver em 1 Pedro 4:18 ; 2 Pedro 2: 5Esta declaração sobre o destino do atual sistema de coisas é a mais completa e precisa de sua espécie no NT. Ela tem paralelos até agora na doutrina do NT, em passagens como Mateus 5:18 ; Mateus 5:24 ; Mateus 5:29 ; 1 Coríntios 3:13 ; 2 Tessalonicenses 1: 8 ; Hebreus 12:27 ; Apocalipse 21: 1 . Ao falar do fogo como o agente na segunda destruição judicial do mundo, como a água estava no primeiro, ele se baseia na história das cidades de Sodoma e Gomorra como típicas do julgamento final do ímpio e da concepção do AT. de Deus como acompanhado pelo fogo quando Ele sai para julgar ( Salmos 1: 3 ;Salmos 97: 3 ; Isaías 66: 15-16 ; Isaías 66:24 ; Daniel 7: 9-10 ). Outras passagens do Antigo Testamento ( por exemplo, Salmos 102: 26-27 ; Jó 14:12 ; Isaías 34: 4 ; Isaías 2: 6 ; Isaías 66:22 ) falam mais genericamente da morte do presente sistema. E como o AT em sua maior parte conecta esse acontecimento com os julgamentos de Jeová e o dia de Sua "recompensa", Pedro o conecta com o dia da vinda de Cristo. 'A forma atual do mundo é protegida pela promessa da palavra de Deus ( Gênesis 9:11) contra qualquer inundação recorrente. No entanto, se também for perecer, resta agora apenas o fogo como elemento para provocar essa destruição; e como, no terreno das representações do Antigo Testamento, o julgamento irado de Deus é considerado como um fogo consumidor, é fácil pensar que a destruição do mundo resultante do dia do julgamento será provocada pelo fogo em um sentido especial. , para o qual esta presente forma do mundo é, por assim dizer, reservada ”(Weiss, Bib. Theol. ii. pp. 246, 247, Trans. de Clark).

 

Verso 8

2 Pedro 3: 8 2 Pedro 3: 82 Pedro 3: 5 . Mas não deixe esta coisa escapar de você, amada; o modo de expressão que já foi usado em referência aos escarnecedores em 2 Pedro 3: 5 . O escritor passa agora da ideia da suposta constância da ordem das coisas para a do aparente atraso na realização da promessa. Ele chama a atenção de seus leitores primeiro para um único fato, a diferença entre a medida Divina de duração e a humana, o que seria suficiente refutação da incredulidade desdenhosa de tais escarnecedores.

 

que um dia é com o Senhor como mil anos e mil anos como um dia . Como o escritor parece fazer uso das palavras do 90º Salmo aqui, a designação "o Senhor", tanto neste verso como no próximo, deve ser tomada no sentido do Antigo Testamento e, portanto, não como = Cristo, mas como = Deus ou Jeová, sem referência às distinções pessoais que pertencem à doutrina cristã da Trindade. Enquanto o salmista ( Salmos 90: 4 Salmos 90: 4), no entanto, fala simplesmente de mil anos como estando aos olhos de Jeová 'como ontem, quando é passado, Pedro lança a declaração em uma forma que apresenta também a verdade inversa que um dia é como mil anos, se mil anos são como um dia. Seu objetivo não é expor a brevidade da vida humana contra a eternidade de Deus, como é o caso do salmista, mas expressar o quão inaplicável a Deus são todas aquelas idéias de tempo, aquelas estimativas de longo e curto, de apressar e atraso, pelo qual o homem mede as coisas. A visão do AT da eternidade de Deus, no entanto, não é meramente essa idéia comparativamente abstrata de duração eterna, que parece estar na superfície das palavras do salmista, mas a ideia mais profunda da imutabilidade do ser que faz de Deus o objeto do Seu povo. confiança destemida. 'Enquanto Deus como Jeová é o eterno, A eternidade de Deus é definida como a imutabilidade do Seu ser, persistindo ao longo de toda mudança de tempo, e assim se torna a base da confiança humana. Portanto, Moisés, no meio da morte de seu povo, se dirige a Deus como o Eterno,Salmos 90: 1 Salmos 90: 1 ; portanto, Deuteronômio 32:40 Deuteronômio 32:40 , a idéia de que Deus é eterno forma a transição para o anúncio de que Ele salvará novamente seu povo rejeitado; portanto, Israel, ao suspirar na miséria, é consolado, Isaías 40:28Isaías 40:28 : “Não sabes, e não ouviste que Jeová é um Deus eterno?” (Oehler). Assim, enquanto Pedro encontra o escarnecedor afirmando que Deus é superior em todos os Seus modos de ação aos cálculos humanos do tempo, ele também exibe a base da fé contínua de Seu povo em Si mesmo e em Sua promessa através do adiamento de sua esperança.

 

Versículo 9

2 Pedro 3: 9 2 Pedro 3: 9 . O Senhor não é negligente quanto à sua promessa, pois alguns consideram a negligência. O aparente atraso no desempenho do envolvimento divino é capaz de uma explicação ainda mais segura. Tem um propósito gracioso. Alguns interpretam a sentença assim - "o Senhor da promessa não é negligente" etc. Mas isso é menos satisfatório. A 'folga' aqui (o verbo ocorre apenas uma vez, em 1 Timóteo 3:15 , onde é traduzida como 'tardia') significa tardia, dilatadora, tardia. Com a idéia, compare Hebreus 2: 3 .1 Timóteo 3:15 Hebreus 2: 3

 

como alguns contam a negligência. As pessoas mencionadas são supostas por alguns como sendo ainda os falsos mestres. Em vista da natureza muito geral da afirmação, outros, com mais razão, consideram-nos crentes de fraca percepção espiritual ou fé duvidosa. Simples como as palavras parecem, o ponto exato da cláusula não é muito claro. Pode ser entendida no sentido-'As mais definidos alguns consideram que (isto é, o modo do Senhor de ação em relação à promessa) para ser moleza '. Ou pode ser tomado de maneira mais geral - como alguns explicam a negligência - ou, de acordo com as idéias, alguma forma de negligência.

 

mas é longânimo para você. A leitura adotada pelo RV, "para você " , ou em relação a você, é muito melhor atestada do que a "para nós" do AV. Ela também é mais ao estilo de Pedro e dá mais força à sua explicação. , trazendo-o para casa imediatamente para seus próprios leitores. Essa concepção do divino longanimidade, tão freqüente no Antigo Testamento, é proeminente nos escritos paulinos (cf. passagens como Romanos 2: 4 Romanos 2: 4Romanos 9:22 1 Timóteo 1:16 2 Pedro 3:15 1 Pedro 3:20 ; Romanos 9:22 , 1 Timóteo 1:16 ). Aparece uma segunda vez neste mesmo capítulo ( 2 Pedro 3:15 ), e também em 1 Pedro 3:20.. Quando uma promessa humana falha em ser cumprida de acordo com a expectativa, aqueles a quem ela foi feita têm o hábito de atribuir o atraso a uma negligência que denuncia falta de vontade ou algum fim pessoal. Mas se o Senhor parece ser lento em cumprir Sua promessa, isso não deve ser explicado, Pedro quer dizer, como os homens são tentados a explicar tal lentidão por parte de seus semelhantes, como devido ao esquecimento, falta de interesse, procrastinação. ou qualquer coisa pessoal só para ele. Sua explicação está em algo que toca nosso interesse e ilustra Sua graça.

 

não querendo que alguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento.Isso é adicionado para mostrar o que significa essa longanimidade. Essa sentença foi arrastada de modo geral demais para a controvérsia sobre a visão agostiniana da predestinação, e a doutrina calvinista da extensão limitada, ou antes, do desígnio definido da Expiação. Por um lado, teólogos como Beza interpretaram apenas os eleitos. Por outro lado, exegetas como Huther consideram-no adverso à teoria calvinista. A passagem, no entanto, tem pouca influência sobre a questão, o assunto tratado não é o propósito eletivo, mas a longanimidade de Deus, e o 'querer' se refere a não ser 'vontade' no sentido do decreto Divino ou determinar volição, mas "vontade" no sentido mais amplo de disposição, desejo ou, como diz o RV, "desejar". Pois o próprio pensamento compara a declaração paralela de Paulo em1 Timóteo 2: 4 1 Timóteo 2: 4Ezequiel 18:23 Ezequiel 33:11 Mateus 15:17 e, acima de tudo, as declarações do Antigo Testamento que Pedro talvez tenha em vista ( Ezequiel 18:23 ; Ezequiel 33:11 ). Para a frase 'venha', compare Mateus 15:17 , onde ela tem o sentido literal e é traduzida como 'entrar'. Nos trágicos gregos isso ocorre com frequência no sentido de avançar para o avanço.

 

Verso 10

2 Pedro 3:10 2 Pedro 3:10 . Mas o dia do Senhor; o dia que em 2 Pedro 3:12 é chamado 'o dia de Deus' e em outros lugares 'o dia de Cristo' ( 2 Tessalonicenses 2: 2 ), 'o dia do Senhor Jesus' ( 2 Coríntios 1:14 ). A expressão nos leva de volta às profecias do Antigo Testamento dos dias de Jeová, ou do dia do Senhor ( Joel 1:15 ; Isaías 2:12 ; Ezequiel 13: 5 ), e o dia da Sua Vinda ( Malaquias 3: 2).2 Pedro 3:12 2 Tessalonicenses 2: 2 2 Coríntios 1:14 Joel 1:15 Isaías 2:12 Ezequiel 13: 5 Malaquias 3: 2 Mateus 24:43 Lucas 12:39 1 Tessalonicenses 5: 2 Revelação 3: 3 Apocalipse 16:15). Ali designa a vinda do Messias, ou a própria vinda de Jeová em conexão com a realização da esperança messiânica, e isso como um evento de conseqüências tanto judiciais quanto graciosas. Em passagens como a presente, ela é transferida para o dia do Segundo Advento, e especialmente para aquele dia de peneiramento e decisão judicial. Esta cláusula afirma a certeza da abordagem da época, não obstante os fatos que acabamos de notar, e a ordem das palavras dá grande ênfase à afirmação. Embora alguns julguem que é tão tardio (o escritor quer dizer), que talvez nunca apareça, e embora seja verdade que Deus, em sua longanimidade, atrasa o acontecimento, 'ainda assim virá (ou' em você será '). o dia do Senhor '. A rapidezcom a qual ele entrará é a próxima afirmado. - como um ladrão: as melhores autoridades omitem as palavras "na noite" que são adicionadas no AV. Pedro tinha sido ensinado a figura pelo próprio Cristo ( Mateus 24:43 ; Lucas 12:39). ). Aparece também em Paulo ( 1 Tessalonicenses 5: 2 ) e no Apocalipse (caps. Apocalipse 3: 3 , Apocalipse 16:15 ). Não transmite adequadamente a ideia do medo, mas simplesmente a do rápido e inesperado.

 

no qual passarão os céus com grande ruído. A frase "com um grande ruído", que é dada tanto pelo AV quanto pelo RV, é uma interpretação prosaica, que falha completamente em fazer justiça à singular vivacidade e força do original. Peter usa um advérbio que não é encontrado em outras partes do Novo Testamento, e que, de fato, é de rara ocorrência mesmo nos Clássicos. Significa 'com uma pressa de som' (ou, 'movimento'). A ideia expressa pelos seus cognatos é a do Mijando ou arremessado de setas, o assobio do flagelo descendente, o zumbido asa e correndomovimento do pássaro em vôo. É um termo para estimular a imaginação, transmitindo por um único golpe uma concepção que exige muitas palavras para reproduzir em inglês, da facilidade terrível com a qual a mudança deve ser efetuada, sua rapidez e rapidez infalíveis, o impacto de sua conclusão instantânea. . As renderizações de algumas versões antigas do English merecem um aviso. Wycliffe, por exemplo, dá "com grande birr"; Tyndale "com um barulho terrível"; Cranmer, "em forma de tempestade"; o Rhemish, "com grande violência". Quanto ao 'falecimento' (o mesmo verbo tinha sido usado por Cristo em Sua profecia do fim, Mateus 24:35 Mateus 24:35 ), compare tais passagens como Apocalipse 21:11 Apocalipse 21:11 ; Isaías 34: 4 Isaías 34: 4 ; Salmos 102: 27Salmos 102: 27 .

 

os elementos, além disso, serão dissolvidos, consumidos pelo calor intenso . A palavra de conexão aqui não é a usual 'e', ​​mas uma conjunção que implica contraste ou distinção, assim como conexão. Portanto, deve ser traduzido como "mas" ou "além disso". O 'derreter' do AV deve ser, como em 2 Pedro 3:11 2 Pedro 3:11Isaías 13: 9-10 Isaías 24:23 Isaías 34: 4 Mateus 24:29 2 Pedro 3:12 Gálatas 4: 3 Gálatas 4: 9 Colossenses 2: 8 Colossenses 2:20 Hebreus 5:12 Mateus 24 : 29 (onde o mesmo verbo é empregado), 'ser dissolvido' (ou 'solto'). A frase "com calor ardente", que é dada pelo AV e retida pelo RV, representa um particípio que significa "queimando ferozmente" ou "consumido com calor intenso". A questão da dificuldade aqui, no entanto, é o que devemos entender por esses "elementos". Alguns ( eg Bengel, Alford, Plumptre, etc.) supõem que os corpos celestessão significados, sendo estes, por assim dizer, os elementos que compõem os céus. Essa visão é sustentada por considerações como estas: o fato de que o sol, a lua e as estrelas são introduzidos em outras descrições bíblicas do dia do Senhor ( Isaías 13: 9-10 ; Isaías 24:23 ; Isaías 34 : 4 , etc.), e especialmente no próprio anúncio de Cristo ( Mateus 24:29 ); a relação em que esta cláusula se refere à afirmação precedente sobre os próprios céus; o emprego do termo pelos primeiros escritores cristãos ( por exemplo, Justino Mártir, Apol. II. 5, Trypho,xxiii.) nesse sentido; e a aparente distinção aqui traçada entre esses elementos e os céus e a terra. Outros (Bede, etc.) levam em consideração os quatro elementos do universo físico, terra, ar, água, fogo. Nesse caso, há o constrangimento de representar o escritor como falando da dissolução do fogo pelo fogo; Por isso, propõe-se limitar a expressão a três desses elementos, ou mesmo ao ar e à água (Estius). Todos esses pontos de vista, no entanto, bem como outras modificações deles (como por exemplo , a idéia de que as estrelasem particular, são significados), atribuem a Peter um significado mais definido do que o pretendido. A grande objeção à primeira visão é que o termo não parece denotar os corpos celestes em qualquer outra passagem da Escritura. No grego clássico, parece significar principalmente as várias partes de uma série, os componentes que compõem algo; de onde veio a ser usada a simples série de sons que formam os elementos da linguagem, os primeiros princípios ou dados elementares da ciência, tais como os pontos, linhas, etc. da geometria e, na Física, os componentes da matéria. , que foram reduzidos a quatro nas escolas filosóficas. No Novo Testamento, isso ocorre apenas sete vezes, viz. no versículo atual e novamente em 2 Pedro 3:12 , em Gálatas 4: 3; Gálatas 4: 9 , em Colossenses 2: 8 ; Colossenses 2:20 e Hebreus 5:12 . Nas passagens de Petrine, tem claramente um sentido físico; nos outros, ético. Aqui ela é aplicada, sem referência a idéias científicas ou filosóficas, mas num sentido amplo e popular, às partes das quais os céus em particular, ou o sistema de coisas em geral, são inventados. Pode denotar, portanto, muito o mesmo que é coberto pela frase "os poderes dos céus" em Mateus 24:29.(assim como Huther), a ideia é que esses céus passem por ter suas partes constituintes dissolvidas. Ou pode se referir no sentido mais amplo a toda a estrutura do mundo, já que esse mundo foi concebido para consistir de céus e terra (assim Wordsworth, etc.).

 

e a terra ; por isso deve ser traduzida, e não "a terra também".

 

e as obras que nele estão serão queimadas . As "obras" não devem limitar-se aos resultados da atividade moral do homem (como em 1 Coríntios 3:13 1 Coríntios 3:131 Coríntios 3:15 Apocalipse 10: 6 ; 1 Coríntios 3:15 ), ou às suas realizações em geral. A frase é melhor compreendida, como é feito pela maioria dos intérpretes, no sentido mais amplo dado por Bengel - "obras da natureza e da arte". Como a linguagem de Pedro, no entanto, parece em muitos pontos aqui embebida nos termos das antigas profecias, é ainda mais provável que este seja simplesmente o seu equivalente para a frase do Antigo Testamento "a terra e a sua plenitude". Nesse caso, apontaria para as obras de Deus e não para o homem - "para as criações de Deus que pertencem à terra, como estão relacionadas na história da criação, cf.Apocalipse 10: 6'(Huther) Em vez de "queimarem", algumas das melhores autoridades documentárias, incluindo os dois manuscritos mais antigos, dão outra leitura, que significa "será encontrada". Supõe-se, no entanto, que esta leitura seja uma daquelas em que os próprios documentos mais antigos se extraviaram, e que, como a leitura seguida pelo Texto Recebido é apoiada por autoridades muito inferiores, esta é uma das poucas passagens em que o texto original não foi preservado em nenhuma das nossas autoridades existentes. A leitura dos manuscritos mais antigos é suposto pelos últimos editores críticos terem surgido de uma corrupção de outro, o que significaria "fluirá (ou derreterá)" (ver Westcott e Hort, vol. 2 p. 103). Aqueles que retêm a leitura que as leis ordinárias da evidência nos levariam a adotar, obtenha um sentido satisfatório, interpretando-o "será descoberto", isto é, descoberto judicialmente ou feito aparecer como ele é. Isso se encaixaria muito bem com a idéia do próximo verso, que é o estilo de vida que o pensamento do fim judicial deveria recomendar. Alguns se propõem a defender o sentido comum do verbo, e transformar a sentença em uma interrogação - “a terra e as obras que nela existem (isto é, eles continuam) então? Não há incerteza quanto ao sentido que deve ser transmitido. A incerteza se liga apenas à expressão particular que foi dada a esse sentido. Mas isso se forma, em vista dos resultados singulares mostrados pelos documentos, um dos problemas mais intrigantes na crítica e na história do texto. Um dos manuscritos primários tem outra leitura, que significa "desaparecerá". Uma versão posterior do siríaco insere o negativo e dá "não será encontrado". A grande variedade de leitura é uma testemunha da incerteza inicial do texto aqui, e da dificuldade sentida com o termo que foi transmitido pelos documentos mais antigos. É bom saber, no testemunho daqueles que dedicaram suas vidas a questões como essas, que o passagens afetadas por qualquer coisa que resulte em variação substancial "dificilmente podem formar mais de uma milésima parte de todo o texto", e que "os livros do Novo Testamento como preservados em documentos existentes certamente nos falam em todos os aspectos importantes em uma linguagem idêntica à aquilo em que eles falavam àqueles para quem foram originalmente escritos ”(Westcott e o Novo Testamento de Hort em grego, ii. pp. 2, 284).

 

Verso 11

2 Pedro 3:112 Pedro 3:11 . Vendo que essas coisas estão, assim, todas se dissolvendo. A interpretação que é sustentada pelas melhores autoridades difere do Texto Recebido ao omitir os 'estes' do AV e inserir 'assim'. O verbo é dado no tempo presente - não 'será dissolvido' como o AV coloca, ou mesmo 'devem ser dissolvidos' como o RV o apresenta, mas 'estão se dissolvendo' ou 'estão sendo dissolvidos'. A certeza do fim torna-se duplamente vívida pelo processo de dissolução, sendo representado como tendo já estabelecido e agora trabalhando para a sua revelação final.

 

Que tipo de pessoas devereis ser em toda santa conduta e piedade. O 'ser' é expresso, como no cap. 2 Pedro 1: 8 2 Pedro 1: 8 e cap. 2 Pedro 2:19 2 Pedro 2:19 , pelo verbo que transmite a idéia de subsistência ao invés de mera existência. Aqui aponta para o caráter estabelecido ou posse permanente de qualidades. As próprias qualidades são denotadas por substantivos plurais que significam, literalmente, "modos santos de vida" e "piedade", em referência a todas as várias formas em que a caminhada santa e a piedade se exibem. Eles são, portanto, muito bem processados ​​pelo AV 'todosMarcos 13: 1 Lucas 1:29 1 João 3: 1conversa santa e piedade. Alguns tomam este verso para colocar uma pergunta, e o verso seguinte para dar a resposta. É mais consistente, no entanto, com o uso do NT (que lida com a palavra traduzida 'que tipo de pessoas' como uma exclamação; cf. especialmente Marcos 13: 1 ; Lucas 1:29 ; 1 João 3: 1 ), para dois versos formam juntos uma única exclamação solene. Para dar um ponto ainda mais aguçado à expressão, alguns dos melhores intérpretes ligam a cláusula “em todo viver santo”, etc., não com o que precede, mas com o que se segue, fazendo assim toda a corrida: “Que tipo de pessoas devem ser? vós para ser, olhando, em toda a vida santa e piedade, para. . . o dia de Deus!

 

Versículos 11-18

Os versos finais são dedicados à pressão de certas injunções práticas, intimamente ligadas à visão cristã do fim. Estes são dados em uma tensão tão tenra quanto solene e pontiaguda. Baseiam-se em parte na consideração da catástrofe que vem no caminho do advento do Senhor. No entanto, como são apelos dirigidos aos crentes, baseiam-se em maior medida no aspecto mais brilhante que essa vinda do Senhor apresenta ao cristão e, particularmente, no sistema novo e santo das coisas, que então tomará o lugar do presente. Os conselhos tratam da postura de espera sincera e expectante como a que melhor convém ao cristão, com a propriedade de trabalhar de modo a preparar o caminho para a vinda do Senhor, com os deveres de vigilância contra o erro sedutor, constância na fé cristã e progresso nas graças cristãs. A explicação que já foi oferecida do aparente atraso do Senhor é repetida, e o que Pedro diz sobre o assunto da longanimidade Divina é sustentado por uma referência afetuosa ao ensinamento de Paulo.

 

Versículo 12

2 Pedro 3:12 2 Pedro 3:12 . procurando e apressando a vinda do dia de Deus. Este é o único exemplo do 'dia' sendo designado 'o dia de Deus'. O "procurar" é expresso pelo termo que é traduzido como "esperar por" em Lucas 1:21 ; Lucas 8:40 , Atos 10:24 , 'espere' em Atos 3: 5 , 'esteja na expectativa' em Lucas 3:15 , etc. Seguindo a Vulgata e as versões inglesas mais antigas, o AV dá 'apressar '.Lucas 1:21 Lucas 8:40 Atos 10:24 Atos 3: 5 Lucas 3:15 Atos 3: 19-21Isso está certamente errado. A questão é qual das duas interpretações deve ser substituída, se o simples 'apressar' (ou 'apressar', como o AV coloca na margem), ou 'ansiosamente desejar' (como o RV dá no texto) . Pode-se dizer que os clássicos apresentam instâncias de ambos os significados. Mas é antes a ideia de " ocupar-se"com seriedade sobre uma coisa 'do que apenas' esperar 'que o uso clássico ilustre, e esse sentido serve para objetos que estão presentes ao invés de coisas que ainda são prospectivas. O outro significado, apressando-se ou insistindo, é bem sustentado e tem a vantagem especial de concordar de maneira notável com o apelo feito por Pedro (que de outra forma é de um tipo inteiramente excepcional) em seu discurso no pórtico de Salomão. - 'Replicai, portanto, e volta novamente, para que os seus pecados possam ser apagados, para que assim cheguem os períodos de refrigério da presença do Senhor; e para que envie o Cristo que foi designado por vós, sim , Jesus; a quem o céu deve receber até os tempos da restauração de todas as coisas, 'etc.Atos 3: 19-21 ). A idéia, portanto, é a de acelerar o advento daquele dia decisivo através de nossas vidas santas e nossos esforços para o avanço do Evangelho, fazendo com que esse dia chegue mais rapidamente, como explica o Arcebispo Trench ( Sobre o AV,p. 131), 'ajudando a cumprir aquelas condições sem as quais não pode vir - aquele dia sendo nenhum dia inexoravelmente fixado, mas a chegada da qual é livre para a Igreja ajudar e apressar pela fé e pela oração, e através de um realização mais rápida do número dos eleitos. ' Essa idéia, embora raramente expressa no NT, não era desconhecida para os judeus, é provada pela ocorrência de ditos rabínicos como este: 'Se tu guardas este preceito, apressas o dia do Messias'. Mas está consagrado, na verdade, na segunda petição da Oração do Senhor - venha o teu reino.

 

em razão do qual os céus em chamas serão dissolvidos, e os elementos que ardem com calor intenso serão derretidos. O 'onde' do AV está completamente errado. O "que" pode se referir tanto à "vinda" como ao "dia"; e o significado é que este evento da "vinda", ou este "dia de Deus", ocasionará a mudança ou catástrofe que é reafirmada aqui. A única coisa inevitavelmente causará a outra. A ideia é algo assim em Apocalipse 20:11 Apocalipse 20:11 . As tensas mudanças do futuro "serão dissolvidas" no presente "são derretidas"; o efeito disso é dar ainda maior força à afirmação da certeza deste destino. Este último verbo é aquele que denota derreter no sentido mais literal - o derretimento,Miquéias 1: 4 Malaquias 4: 1 Isaías 34: 4por exemplo, de neve, de metais, de sal na água, etc. Alguns tropeçam na aplicação disto aos elementos. Outros apontam para o fato de que o registro das rochas testemunha um processo de liquefação pelo fogo ao qual o material da terra existente foi submetido, e perguntam por que o sistema atual não pode passar por um processo similar de renovação de fogo na grande dia. O uso a ser feito da passagem, no entanto, deve ser muito cauteloso, no que diz respeito às teorias sobre a natureza do fim. Pedro está falando em termos do elevado imaginário profético do AT. Compare essas passagens como Miquéias 1: 4 , Malaquias 4: 1 e, acima de tudo, Isaías 34: 4 . A literatura clássica tem antecipações de um tipo similar. Cicero, por exemplo,diz que 'acontecerá, todavia, um dia que todo este mundo será queimado com fogo' ( Acad. Quest. iii. 37).

 

Versículo 13

2 Pedro 3:13 2 Pedro 3:13 . Mas, de acordo com sua promessa, procuramos novos céus e uma nova terra. A interpretação do RV é decididamente superior aqui àquela do AV. O último lança uma ênfase no 'nós', onde o original lança sobre o 'novo'. O "olhar para" é expresso pelo mesmo termo que em 2 Pedro 3:12 . A 'promessa' referida (a palavra é a mesma que no capítulo 2 Pedro 1: 4 ) é a promessa de Deus no AT. As passagens particularmente na mente do escritor podem ser aquelas em Isaías ( Isaías 30:26 ; Isaías 65 : 17 ; Isaías 66:22 ). A mesma esperança, expressa na forma de visão, nos encontra em João ( Apocalipse 21: 1 ). A novidade2 Pedro 3:12 2 Pedro 1: 4 Isaías 30:26 Isaías 65:17 Isaías 66:22 Apocalipse 21: 1do futuro, céus e terra são expressos por um termo que denota o que é novo em contraste com o que é exaurido, e lida com a condição e não com a idade de um objeto.

 

onde habita a justiça. A "justiça" deve ser entendida no amplo sentido ético de conformidade com a vontade divina; e isto é 'habitar' (cf. Efésios 3:17 Efésios 3:17 ), ter seu lar lá, e não ser como na terra 'um hóspede viajante e mutável' (Mason). Compare novamente as visões proféticas em Isaías 65: 17-25 Isaías 65: 17-25 , Apocalipse 21: 3-27 Apocalipse 21: 3-27 , e também a doutrina paulina da participação da natureza na restauração do homem, bem como em sua queda ( Romanos 8: 20-22Romanos 8: 20-22 ).

 

Verso 14

2 Pedro 3:14 2 Pedro 3:14 . Portanto, amados, procurando por estas coisas, dediquem-se diligentemente a serem encontrados em paz, imaculados e irrepreensíveis aos seus olhos. O "procurar" (mais uma vez o mesmo termo de 2 Pedro 3: 12-13 ) pode dar a razão para o dever que é imposto, como é entendido tanto pelo AV quanto pelo RV - "vendo o que olhas". etc .; ou (menos provavelmente), pode formar uma parte do dever, 'procurar essas coisas e dar diligência' (Huther, etc.). Quanto ao 'dar diligência' ver no chap. 2 Pedro 1:10 . O 'imaculado é expresso pelo adjetivo que é aplicado a Cristo como o Cordeiro em 1 Pedro 1:19 , e o' indigno 'por outra forma (que ocorre também em Filipenses 2:15).2 Pedro 3: 12-13 2 Pedro 1:10 1 Pedro 1:19 Filipenses 2:15 2 Pedro 2:13 2 Pedro 2:13 1 Pedro 1: 7, onde é traduzida "sem repreensão" do adjetivo traduzido "sem defeito" na mesma passagem. Aqui os epítetos representam as qualidades que devem distinguir os fiéis como diretamente opostos àqueles que marcam os falsos mestres, que foram descritos como "manchas e manchas" (cap. 2 Pedro 2:13 ). É suposto por alguns ( por exemplo, Alford) que a parábola da veste de casamento estava flutuando diante da mente do Apóstolo, 'especialmente como a declaração no cap. 2 Pedro 2:13 refere-se às festas dos primeiros cristãos. Alguns bons expositores ( por exemplo, Huther) supõem que o escritor lida aqui com o que os leitores deveriam ser durante sua vida de expectativa. Mas o uso da frase 'achado' (cf.1 Pedro 1: 7 ) aponta claramente para o tempo do retorno judicial de Cristo. Eles deveriam trabalhar para viver que, quando Ele aparecesse, eles poderiam ser descobertos ou julgados (tal é o sentido do 'achado') imaculado e indizível 'à Sua vista', ou 'de acordo com o Seu julgamento' (assim deveríamos render o que é incorretamente dado como 'encontrado Dele' no AV); e esta descoberta ou julgamento deve ser "em paz". Onde o impecável e a infidelidade formarem o veredicto, a controvérsia do Senhor com Seu povo cessará e a voz do julgamento será a voz da paz.

 

Versículo 15

2 Pedro 3:15 2 Pedro 3:15 . E conta a longanimidade da salvação do nosso Senhor. Se Cristo é referido aqui, a passagem se torna de grande importância em relação à doutrina de Sua Pessoa, pois fala Dele nos mesmos termos que já foram aplicados a Deus, e indiretamente reivindica para Ele prerrogativas Divinas. E isso é feito no conjunto a referência mais provável, tanto pelo uso geral do NT, e pela frase, "nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo", que vem em seguida, no mesmo parágrafo ( 2 Pedro 3:18 ). Por outro lado, argumenta-se que a aplicação do título 'Senhor' em 2 Pedro 3: 8-10 ; 2 Pedro 3:12 ; 2 Pedro 3:142 Pedro 3:18 2 Pedro 3: 8-10 2 Pedro 3:12 2 Pedro 3:14 2 Pedro 3: 9 Romanos 2: 4 Efésios 6:21 Colossenses 4: 7 Gálatas 2:11, rege sua aplicação aqui e aponta para Deus no grande sentido do AT como sujeito. O atraso Divino deve ser interpretado não como "negligência" ( 2 Pedro 3: 9 ) ou procrastinação, mas como longanimidade, e a longanimidade deve ser interpretada e valorizada como "salvação" - como a suspensão do juízo com vista a uma oferta prolongada de graça. Veja também Romanos 2: 4. - como também o nosso amado irmão Paul. Em confirmação do que ele mesmo escreve, Pedro se refere ao que já havia sido endereçado a esses cristãos gentios pelo grande apóstolo da incircuncisão. Sobre as dificuldades levantadas pelo desapontamento da expectativa de que Cristo retornaria rapidamente, sobre os perigos que provavelmente surgiriam na Igreja, sobre a atitude a ser mantida na perspectiva do fim, Pedro estava dando apenas as mesmas explicações e conselhos que haviam recebido. foi dado por Paulo. 'Irmão amado' A frase é entendida por muitos (Huther, etc.) como termo oficial em vez de um pessoal, indicando a ministerialintimidade que subsistiu entre os dois. É duvidoso, no entanto, se é para descrever Paulo especialmente como um valioso associado de Pedro no apostolado, ou mesmo como um colega de trabalho. O "nosso" liga Pedro aos seus leitores e dá ao título de "amado irmão" a força de um termo de afeto pessoal. Cristãos judeus, como os cristãos de Pedro e de Gentio, como seus leitores, tinham isto, entre outras coisas, em comum agora - que consideravam Paulo como um amigo querido e de confiança. O próprio Paulo dá o título de "irmão amado" duas vezes a Tíquico ( Efésios 6:21 ; Colossenses 4: 7 ). O homem que agora fala com carinho de Paulo é aquele que em um período anterior foi "suportado na face" por Paulo "porque ele deveria ser culpado" ( Gálatas 2:11 ).

 

de acordo com a sabedoria dada a ele. O conselho de Paulo era mais do que sua própria opinião pessoal. Como a expressão de uma 'sabedoria' que ele recebeu (cf. 1 Coríntios 3:10 1 Coríntios 3:10 ; Gálatas 2: 9 Gálatas 2: 9 ; Efésios 2: 2 Efésios 2: 2 ; Efésios 2: 7-8 Efésios 2: 7-8 ; Colossenses 1:25Colossenses 1:25 , etc.), é o mais importante confirmação do ensinamento de Pedro.

 

escreveu para você. A que escritura ou escritos paulinos Pedro deveria se referir? A questão foi profundamente debatida e muito variadamente respondida. Ela se volta para duas questões anteriores, a saber, tocar os assuntos imediatamente em vista e as pessoas imediatamente abordadas. 'aqueles que pensam que o versículo lida apenas com o assunto mencionado por último, ou seja, a' longanimidade de nosso Senhor ', naturalmente procure por declarações feitas por Paulo sobre esse tema em particular, e identifique o escrito com a Epístola aos Romanos que, em passagens como Romanos 2: 4 Romanos 2: 4Romanos 9:22 Hebreus 9:26 Hebreus 10:25 Hebreus 10:37 1 Coríntios 1: 7-9 1 Tessalonicenses 4: 13-18 1 Tessalonicenses 5: 2 2 Pedro 3: 14-15 2 Pedro 3: 1 Colossenses 4:16 Colossenses 1:22 Colossenses 2: 8 , Romanos 9:22, leva essa tensão. Aqueles que consideram esta segunda epístola como dirigida não tanto aos cristãos asiáticos como aos cristãos em geral, concluem que a escrita pretendida pode ser uma epístola como essa para os hebreus, especialmente em vista das declarações nos capítulos. Hebreus 9:26 , etc., Hebreus 10:25 ; Hebreus 10:37 . Outros se fixam em I Coríntios, em que tanto se fala sobre o assunto da sabedoria ( 1 Coríntios 1: 7-9, etc.). Outros, que tomam o assunto misterioso do Segundo Advento como a dificuldade especial sobre a qual Pedro apela a Paulo, são da opinião que as epístolas aos tessalonicenses se destinam, tanto porque a sua data inicial dá tempo para a sua circulação geral, mesmo entre cristãos remotos, e porque eles estão muito envolvidos ( por exemplo, em 1 Tessalonicenses 4: 13-18 ; 1 Tessalonicenses 5: 2 e a Segunda Epístola por toda parte) com a vinda do Senhor. Há pouca razão, no entanto, para supor que Pedro alude apenas ao único assunto da longanimidade divina, como está especificado no mesmo verso. Isso é em si mesmo, mas uma parte da exortação geral em 2 Pedro 3: 14-15. É muito razoável, portanto, considerá-lo como referindo-se, neste extraordinário tributo a Paulo, ao assunto geral com o qual ele está envolvido - o fim do atual sistema de coisas, a vinda do Senhor, os deveres a serem inferidos de a perspectiva e os erros sedutores dos falsos mestres. O 'escreveu para você ' também parece claramente identificar a escrita ou escritos com comunicações feitas para o mesmo círculo de leitores que o próprio Pedro aborda, e esses leitores, como a própria Epístola indica (cap. 2 Pedro 3: 1 ), são substancialmente aqueles a quem a antiga epístola foi dirigida. Entre as Epístolas Paulinas, temos várias dirigidas a este círculo asiático, Efésios, Colossenses, Gálatas, para não falar da Epístola aos Laodiceanos ( Colossenses 4:16).). E destes, se temos o direito de identificar a escrita com qualquer das epístolas existentes, aqueles para os colossenses e efésios melhor cumprir as condições. No primeiro (por exemplo, cap. Colossenses 1:22 , Colossenses 2: 8 ), encontramos exortações sobre o tema da vida cristã como aquelas dadas aqui por Peter e avisos como sua contra falsos mestres e um tipo pretensioso do conhecimento. Em favor deste último temos também as considerações, que provavelmente foi uma espécie de carta circular, e que existem muitos pontos de afinidade entre ele e as Epístolas Petrinas (especialmente a Primeira).

 

Versículo 16

2 Pedro 3:162 Pedro 3:16 . como também em todas as (suas) epístolas, falando nelas dessas coisas; uma afirmação a partir da qual não temos o direito de inferir que as epístolas paulinas já formaram uma coleção que poderia ser considerada como um todo.

 

em que algumas coisas são difíceis de serem entendidas. O 'em que' se refere, de acordo com a melhor leitura, não às 'coisas' de que Paulo falou, mas às próprias epístolas. O adjetivo "difícil de entender" ocorre apenas aqui. Alguns supõem que a referência seja particularmente à doutrina de Paulo da Segunda Vinda, dada em passagens de suas epístolas como 1 Coríntios 15: 12-58 1 Coríntios 15: 12-58 , 1 Tessalonicenses 4:13 1 Tessalonicenses 4:13 , etc .; outros a suas doutrinas de justificação e liberdade cristã, que envolviam muito de seus ensinamentos e eram peculiarmente abertos à perversão. Também é sugerido que as seções mais místicas de sua doutrina, aquelas encontradas, por exemplo, em Efésios 2: 5 , etc., Colossenses 2:12Efésios 2: 5 Colossenses 2:12 , pode ser especialmente em vista, uma vez que estes eram capazes de se tornarem vantajosos tanto para o partido da licença imoral, quanto para os errosistas como Himeneu e Fileto, que ensinavam que a ressurreição já havia passado (Hofmann).

 

que o ignorante e instável torce. Essas três palavras "ignorantes", "instáveis", "arrebentadas" são peculiares a essa passagem. O primeiro, que é tornado 'não-aprendido' pelo AV e 'ignorante' pelo RV, não tem exatamente o mesmo sentido que o 'não-aprendido' aplicado a Pedro e João em Atos 4:13 Atos 4:13 . Aqui significa inexperiente ou desinformado na verdade cristã. Com o segundo compare cap. 2 Pedro 2:14 . A terceira significa principalmente torcer, por exemplo, com um guincho, ou com um parafuso, ou sobre um instrumento de tortura como o rack, ou para torcer, como por exemplo, no caso de um membro deslocado. Daí se trata de distorcer ou distorcer o sentido das palavras.2 Pedro 2:14

 

como eles fazem as outras escrituras. Aqueles que tomam declarações particulares em uma seção das Escrituras são, em seguida, representados como aptos a fazer o mesmo uso pervertido da Escritura em geral. No NT, a frase "as Escrituras" é regularmente aplicada aos escritos do AT. O singular pode ser usado para uma passagem particular ou parte da Escritura, como em João 19:37 João 19:37 ; e é uma vez empregado onde as palavras em questão não podem ser identificadas com nenhuma na Bíblia como a temos ( Tiago 4: 5 Tiago 4: 5). Mas em algumas cinqüenta ocorrências o plural parece nunca ser usado, mas do AT. Essa é uma forte razão para supor que as Escrituras do AT também são aqui entendidas, e que as Epístolas de Paulo, portanto, já estão classificadas junto com elas. Por outro lado, insiste-se que Pedro dificilmente teria colocado o AT desta maneira não qualificada na mesma categoria com as epístolas de um contemporâneo próprio, e que é provavelmente outros escritos do período do Novo Testamento que são referidos . Mesmo assim, parece que já havia tantos escritos que foram reconhecidos como Escrituras Cristãs, e falados em termos similares àqueles aplicados à antiga e venerada coleção das Escrituras do AT, e que as Epístolas de Paulo foram contadas entre estas. O testemunho implícito contido nesta declaração aoJoão 20:31 2 Timóteo 3: 14-17 Judas 1:17autoridade de certos escritos como a Escritura também merece ser notada. Observa-se que, quando Pedro fecha suas Epístolas com este testemunho, Malaquias conclui o AT com o encargo de 'lembrar a lei de Moisés com os estatutos e juízos '; João conclui os quatro evangelhos com um testemunho semelhante ( João 20:31 ); Paulo encerra suas Epístolas com uma declaração solene sobre a lucratividade das Escrituras inspiradas ( 2 Timóteo 3: 14-17 ); Judas fecha as epístolas católicas com uma injunção para lembrar as palavras ditas antes pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo ( Judas 1:17).); enquanto o Apocalipse termina com a promessa de bênção para aqueles que guardam, e do oposto para aqueles que tiram ou acrescentam os ditos do livro (Wordsworth).

 

para sua própria destruição. As palavras nos levam de volta às "heresias da destruição" mencionadas no cap. 2 Pedro 2: 1 2 Pedro 2: 1, o enfático "próprio", no entanto, insinuando que, neste caso, a destruição vem sobre os homens não pelas seduções de outros, mas por seu próprio uso indevido das Escrituras. A passagem foi aproveitada em apoio à doutrina católica romana da obscuridade das Escrituras, sua possível injúria ao estudante privado, e o perigo de deixá-la nas mãos do povo sem uma interpretação autoritária. O que Pedro está advertindo contra, contudo, é o perigo de um mau uso das Escrituras. O que ele afirma não é que a Escritura seja insegura nas mãos do povo, mas que há certas coisas que podem ser pervertidas por uma classe particular. E enquanto ele dá essa advertência ao 'ignorante e instável', ele fala de Paulo como escrevendo 'de acordo com a sabedoria2 Pedro 3: 2dado a ele, 'e sinceramente impõe a todos esses gentios cristãos espalhados por todas as Igrejas asiáticas' para estar atento às palavras que foram ditas antes pelos santos profetas e pelos mandamentos de nós, os apóstolos do Senhor e Salvador ' . 2 Pedro 3: 2 ).

 

Versículo 17

2 Pedro 3:17 2 Pedro 3:17 . Portanto, amados, sabendo estas coisas antes, guardai-vos, para que, levado com o erro do iníquo, caireis da vossa própria firmeza. O epíteto "sem lei" (não apenas "perverso", como tanto o AV quanto o RV dizem) é o que foi anteriormente aplicado aos homens de Sodoma no cap. 2 Pedro 2: 7 . Aponta, portanto, para o caráter licencioso dos errosistas. A frase "levado com" é extremamente exagerada. É a frase que Paulo aplica à ação de Barnabé quando ele dissimula com o próprio Pedro em Antioquia ( Gálatas 2:13 ). Pode sugerir a imagem do 'erro' como um2 Pedro 2: 7 Gálatas 2:13 Romanos 12:16 2 Pedro 3:16 1 Pedro 5:10 2 Pedro 1:12 Gálatas 5: 4 Corrente poderosa varrendo o que pode em seu peito, e arrancando os desavisados ​​da rocha de sua firmeza. Em Romanos 12:16 , que é sua única outra ocorrência, tem um sentido diferente. Este termo particular 'firmeza' ocorre apenas aqui, pertence à mesma classe com o anterior 'instável' ( 2 Pedro 3:16 ), e o adjetivo usado em 1 Pedro 5:10 ; 2 Pedro 1:12 . Com 'cair de' compare Gálatas 5: 4 .

 

Versículo 18

2 Pedro 3:18 2 Pedro 3:18 . Mas cresça em graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.2 Pedro 1: 2O RV prefere a tradução "crescer na graça e no conhecimento" etc. - uma tradução que pode significar "na graça e no conhecimento que Cristo dá" ou "na graça que Cristo dá e no dom de conhecer". Ele.' O AV evita essa ambiguidade, bem como o constrangimento especial da segunda construção, tomando a graça como algo distinto do que a segue. O grande dever finalmente exortado é, portanto, o dever do progresso, e que em dois artigos particulares, a saber, a vida graciosa ou as graças cristãs em geral, e aquela graça especial de um conhecimento pessoal de Cristo que ocupa um lugar tão fundamental na epístola. Desta forma, também, o escritor retorna no final de sua carta ao pensamento com o qual ele começou.2 Pedro 1: 2 ). E agora, 'como a conclusão de todo o assunto, e como a única preservação eficaz dos assaltos e seduções de todas as formas de uma ciência falsamente assim chamada, esta mesma bênção de ampliação espiritual, e que através dos mesmos meios, é colocada sobre suas próprias consciências e corações como uma obrigação muito solene "(Lillie).

 

para ele ele (ou, é) a glória agora e para sempre. O Amém final , que é retido pelo RV, é de autoridade muito duvidosa. A idéia de eternidade é expressa aqui por uma frase totalmente singular, que significa literalmente "até o dia da eternidade", e que pode ser escolhida para denotar o começo.do novo, a era eterna, 'o dia em que a eternidade, em contraste com o tempo, começa' (Huther). A doxologia é dirigida a Cristo e é significativa da concepção de Pedro de Sua Pessoa. É, como Alford sugere, como um daqueles hinos que Plínio diz que foram cantados pelos cristãos de seu tempo para Cristo como Deus. Fecha a Epístola também, em sua simples majestade, desacompanhada e não diminuída por qualquer declaração pessoal ao escritor, ou mesmo por qualquer das saudações costumeiras aos leitores.

bibliografia

fonte Cometário popular de Schaff sobre o Novo Testamento 

mauricioberwald.comunidades.net