Translate this Page

Rating: 2.4/5 (41 votos)




ONLINE
2




Partilhe este Site...



 

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter

free book, Disney Beauty and the Beast Magical Story with Amazing Moving Picture Cover, enter link, pdf free, get pdf, this link, download book, book download, free book, download pdf,

Doutrina biblica da oração (4)
Doutrina biblica da oração (4)

                                                 Doutrina da oração (4)                                 

                                                   Se o meu povo orar

                                                Artigo Mauricio Berwald

 

. Você sabe o quanto é importante o diálogo entre teoria e prática. Portanto, leve o aluno a refletir acerca de sua vida de oração. Após um trimestre inteiro aprendendo a respeito da oração, espera-se do crente que ao menos sua vida devocional possa ser modificada. Afinal, de nada adiantará aprendermos a orar, se não orarmos. Hoje, trataremos a respeito da resposta de Deus à oração de Salomão. Veremos que o Senhor estabeleceu algumas condições para que sua bênção fosse derramada sobre o seu povo. 

 Por ocasião da dedicação do Templo de Jerusalém, no reinado de Salomão, o Senhor fez uma promessa ao povo de Israel (aplicável à sua igreja de todas as épocas). Quando estivessem em dificuldades, enfrentando períodos de seca e esterilidade, bastaria dirigir um clamor ao Senhor que a resposta viria. Contudo, Deus estabeleceu algumas condições para que a sua bênção fosse derramada, como veremos a seguir.

  

 A NECESSIDADE DE SE HUMILHAR E BUSCAR A DEUS 

 

 Deus é grande, o homem é limitado. O caminho da humildade passa pelo reconhecimento humano da infinita grandeza divina, seu imenso poder e sua glória suprema. O Deus que fez o céu, a Terra e tudo o que nela há (Gn 2.4). O Deus que da Terra faz o escabelo de seus pés (Is 66.1). O Deus que mediu na concha de sua mão as águas do planeta (Is 40.12). O Deus que com seu poder sustenta todas as coisas (Hb 1.3). Quando Jó questionou ao Senhor, foi surpreendido por uma sequência reveladora de perguntas divinas que o levaram a ter consciência da magnificência, grandiosidade e sabedoria de Deus (Jó 38 — 41). Ao refletir acerca da grandeza de Deus, Jó caiu em si, reconheceu a sua limitação, arrependeu-se e submeteu-se completamente ao propósito divino para sua vida (Jó 42.1-6). Quando o homem tem uma noção de sua pequenez, limites, natureza, e do quão miserável e indigno é diante de um Deus tão poderoso e santo, ele naturalmente se aproxima do Criador com humildade, porquanto sabe que é pó e que são as misericórdias do Senhor a causa de ele estar de pé (Lm 3.22).

  A necessidade da humildade. Ao falar com o povo, Deus afirmou que, no caso de ocorrer um afastamento entre ambos, o que provocaria seca, fome, pragas, etc, o povo deveria reconhecer seu erro e desobediência aos preceitos da Lei de Deus e se humilhar. Humilhar-se é submeter-se, sujeitar-se a alguém. No caso do homem com Deus, é reconhecê-lo como Deus, Senhor, Soberano, Criador, Todo-Poderoso e reconhecer-se como criatura pecadora, indigna de estar em sua presença e carente de sua misericórdia, graça e perdão. É com esse espírito humilde que o homem deve achegar-se a Deus e, assim, colocar diante dEle suas petições, a fim de ser ouvido em tempo oportuno.

  A busca pela presença de Deus. Após chegar à presença de Deus com humildade, a recomendação divina para a restauração de seu povo é orar, suplicar e buscar a face dEle. Essa busca envolve: voltar-se para o Senhor, buscando obter novamente a comunhão que fora quebrada, e colocar diante dEle o seu pecado (Sl 32.5; 51.3), os seus desejos (Sl 38.9), as suas petições (Sl 119.170), as suas ansiedades (1 Pe 5.7). Buscar a face de Deus não é apenas manter com Ele uma conversa amena, ou colocar petições e pedidos diante dEle. É um desejo intenso de conhecê-Lo, estar familiarizado com sua voz e conhecer sua vontade. Isso demanda tempo e esforço do homem, pois muitas vezes será necessário abrir mão do conforto físico, de algum tempo de lazer e até mesmo dos próprios pianos. Entretanto, nada no mundo é mais valioso do que a presença de Deus na vida do homem e sua comunhão com Ele. Buscar a face do Senhor e anelar a sua presença e comunhão conosco deve ser mais do que uma necessidade, mas um prazer para o crente (Sl 105.4; 42.1,2; 84.1,2). 

 

A NECESSIDADE DE ARREPENDER-SE E CONVERTER-SE 

 

O apóstolo João fala em sua primeira carta universal que o crente ainda está sujeito a pecar (1 Jo 1.8). Quem diz que não peca é mentiroso. Contudo, isso não é um convite ao pecado, mas o reconhecimento de que o homem é, por natureza, pecador, e que só estará livre para sempre do pecado no céu.

 Arrependimento. O arrependimento genuíno provém da tristeza por haver pecado, desagradado ao Senhor e entristecido o Espírito Santo (2 Co 7.10). Aquele que, de fato, se arrepende, confessa e abandona o erro. Não basta apenas reconhecer o erro, mas também é imprescindível que se deixe o pecado, a fim de alcançar misericórdia (Pv 28.13). A recomendação de João é: “Não pequeis”. Todavia, para aquele que pecou, ainda existe solução: Jesus, o Advogado. Se você se arrepender sinceramente e suplicar-lhe perdão, Ele intercederá junto ao Pai, a fim de que você receba o perdão divino e seja reconciliado com Deus.

  Conversão. No dicionário Houaiss da língua Portuguesa, conversão é transformação, alteração de sentido ou direção. Portanto, quando o Senhor requer que seu povo “se converta de seus maus caminhos”, Ele deseja mudança de rumo, transformação de palavras, atitudes, pensamentos, vontades e sentimentos. O apóstolo Paulo explica muito bem este processo na vida do homem convertido ao Senhor (Ef 4.22-32; Cl 3.1-11). Converter-se, na ótica bíblica, é, portanto, abandonar as práticas passadas, que não agradam a Deus, e viver uma vida que o agrade, pautada em sua Palavra. É uma vida completamente nova (2 Co 5.17). 

 

 AS RESPOSTAS DIVINAS ÀS ATITUDES DO POVO 

 

 “Ouvirei dos céus” (v.14). A primeira recompensa pelas atitudes mencionadas acima é ter suas orações ouvidas e atendidas pelo Senhor. O nosso Deus responde às orações daqueles que o temem (Sl 145.19). Para esses, o seu ouvido não está agravado, mas aberto (2 Cr 7.15; Is 59.1). Jesus ensinou a respeito de um Pai amoroso que está sempre pronto a dar boas dádivas a seus filhos e incentivou seus discípulos a pedir e buscara Deus, incessantemente, sem desfalecer (Lc 11.9; 18.1-7), porque Deus ouve e vê até o que está em secreto (Mt 6.6; Jo 9.31). Portanto, se você é um filho obediente ao seu Pai, esteja certo de que suas orações estão subindo diante dEle e logo serão respondidas. Aguarde e confie!

  “Perdoarei os seus pecados”. A segunda resposta do Senhor ao povo seria o perdão. Davi conhecia a longanimidade e misericórdia divinas, porquanto havia experimentado a graça do perdão divino. Por isso, escreveu que o Senhor está pronto a perdoar àqueles que o invocam (Sl 86.5). A Bíblia está repleta de exemplos do perdão de Deus, tanto para com seu povo Israel quanto para todos quantos lhe imploraram o perdão. Por várias vezes e para diversas pessoas, Jesus declarou: “Perdoados são os teus pecados” (Mt 9.2; Lc 7.48). Através do nome de Cristo, Deus perdoa os nossos pecados (1 Jo 2.12). Se você pecar contra Deus, creia que: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 Jo 1.9).

  “Sararei a sua terra”. A terceira resposta divina diz respeito ao nosso sustento. Deus não está preocupado apenas em salvar nossa alma e espírito, Ele sabe que necessitamos nos alimentar, vestir, morar, ou seja, de ter nossas necessidades básicas supridas. No caso de Israel, sua sobrevivência dependia de chuvas que regassem a terra, que produzia o fruto para a alimentação do homem e dos animais. Deus disse a Salomão que, se o povo abandonasse os seus maus caminhos, Ele tornaria a abençoar a terra, a fim de que o pão de cada dia fosse garantido ao povo.

Jesus ensinou que o Pai conhece as necessidades humanas e deseja supri-las (Mt 6.31,32). O Senhor cuida daqueles que o amam e o obedecem. Além disso, há uma interpretação espiritual desta passagem. “Sarar a terra”, voltando a enviar chuvas, trata-se também de uma renovação espiritual do povo e do envio do Espírito Santo (Jl 2.28-32). Ainda hoje, o Senhor faz brotar rios de água viva dentro de cada um que recebe o dom do Espírito (Jo 7.37), que é seu próprio Espírito dentro do homem. Essa corrente de águas vivas flui através da vida do crente e atinge os outros com a mensagem sanadora do Evangelho. Portanto, clame por essa promessa maravilhosa! 

 “Reino na Escatologia:Perdão e restauração. Apesar da nota de pessimismo soada pelo exílio, há, ao longo do livro de Crônicas, raios de esperança, pois o Deus do concerto é digno de confiança — Ele não pode negar a si mesmo. Na famosa oração de dedicação do Templo, Salomão pediu ao Senhor, quando o povo pecasse e fosse exilado: ‘Ouve tu desde os céus, e perdoa os pecados de teu povo de Israel, e faze-os tornar à terra que tens dado a eles e a seus pais’ (2 Cr 6.24,25). Claro que isto requereria arrependimento, uma mudança de coração, pelo qual o rei orou fervorosamente (6.37-39).

 Estabelecimento eterno. As condições da restauração, claramente declaradas na oração de Salomão, estão talvez implícitas na palavra de Deus que Natã disse a Davi na ocasião da revelação do concerto davídico. Mas a ênfase está na iniciativa graciosa de o Senhor ser fiel à palavra do concerto. Deus disse: ‘Ordenarei um lugar para o meu povo de Israel e o plantarei, para que habite no seu lugar e nunca mais seja removido de uma para a outra parte; e nunca mais os debilitarão os filhos da perversidade, como ao princípio’ (1 Cr 17.9). O seu reino, materializado no povo de Israel e particularmente na casa de Davi, será estabelecido para sempre (v.14). Mesmo depois da divisão do reino, todos sabiam muito bem que a soberania do Senhor pelo seu servo Davi permaneceria eternamente (2 Cr 13.5)”.(notas ZUCK, R. B. Teologia do Antigo Testamento. RJ: CPAD, 2009, p.207).

 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com.br

Postado por mauricio berwald