Translate this Page
  • Currently 2.74/5

Rating: 2.7/5 (446 votos)




ONLINE
28




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Geografia biblica Corinto Colossos Tiberiades
Geografia biblica Corinto Colossos Tiberiades

CORINTO

 MAURICIO BERWALD

Corinto (em grego: Κόρινθος, transliterada Kórinthos, AFI: Loudspeaker.svg? /ˈkorinθos/) é uma cidade do município de Corinto, na unidade regional da Coríntia, na região do Peloponeso, na Grécia. Desde a reforma no governo local feita em 2011, passou a fazer parte do município de Corinto, do qual é tanto a sede quanto a unidade municipal.

 

kor'-inth (Korinthos, "ornamento"): Uma cidade célebre do Peloponeso, capital do Corinthia, que ficava ao norte de Argolis, e com o istmo se juntou a península ao continente. 

 

Corinto tinha três portos bom (Lecaion, no Corinthian, e Cenchrea e Schoenus sobre o Golfo de Salónica) e, assim, comandou o tráfego de ambos os orientais e os mares ocidentais. Os navios maiores não poderia ser transportado através do istmo (Atos 27: 6, 37); embarcações menores foram tomadas por meio de uma linha de eléctrico navio com trilhos de madeira. Os fenícios, que se instalaram aqui muito cedo, deixou muitos vestígios de sua civilização nas artes industriais, como tinturaria e tecelagem, assim como na sua religião e mitologia. O culto Corinthian de Afrodite, de melicertes (Melkart) e Athene Phoenike são de origem fenícia. Poseidon, também, e outras divindades marinhas foram tidos em alta estima na cidade comercial. Várias artes foram cultivadas eo Corinthians, mesmo nos primeiros tempos, eram famosos por sua inteligência, criatividade e senso artístico, e eles se orgulhavam de superando os outros gregos no embelezamento de sua cidade e no adorno de seus templos. Havia muitos pintores célebres em Corinto, ea cidade tornou-se famosa pela ordem coríntia da arquitetura: uma ordem, que, por sinal, embora tida em alta estima pelos romanos, foi muito pouco utilizada pelos próprios gregos. 

 

Foi aqui, também, que o ditirambo (hino a Dionísio) foi organizado primeira artisticamente para ser cantada por um coro; e os jogos Ístmicos, realizada a cada dois anos, foram celebradas fora da cidade no istmo perto do Golfo de Salónica. Mas o espírito comercial e materialista prevaleceu mais tarde. Nem um único Corinthian distinguiu-se na literatura. Estadistas, no entanto, havia em abundância: Periander, Phidon, Timoleon.

 

Portos são poucos no Golfo de Corinto. Por isso, nenhuma outra cidade poderia arrancar o comércio dessas águas de Corinto. De acordo com Tucídides, os primeiros navios de guerra foram construídos aqui em 664 aC Naqueles primeiros dias Corinto tinha uma posição de liderança entre as cidades gregas; mas em consequência da sua grande prosperidade material, ela não arriscaria tudo, como Atenas fez, e ganhar supremacia eterna sobre os homens: ela tinha muito a perder comprometer seus interesses materiais por princípio, e ela logo se afundou na segunda classe. Mas quando Atenas, Tebas, Esparta e Argos caiu, Corinto vieram para a frente novamente como a cidade mais rica e mais importante na Grécia; e quando ele foi destruído por Mummius em 146 aC, os tesouros de arte realizadas a Roma eram tão grandes como os de Atenas.

 

Delos tornou-se o centro comercial por um tempo; mas quando Júlio César restaurado Corinto um século mais tarde (46 aC), ele cresceu tão rapidamente que a colônia romana logo se tornou novamente um dos centros mais importantes da Grécia. Quando Paulo visitou Corinto, ele achou a metrópole do Peloponeso. Judeus reuniram-se a este centro do comércio (Atos 18: 1-18 Romanos 16:21 1 Coríntios 9:20), o local natural para uma grande mart, e próspero sob a mão generosa do Caesars; e esta é uma razão pela qual Paul permaneceu lá por tanto tempo (Atos 18:11), em vez de peregrinando nos velhos assentos da aristocracia, como Argos, Esparta e Atenas. Ele encontrou um forte núcleo judaica para começar; e foi em comunicação direta com Éfeso. Mas terremoto, malária, e do Estado turco dura finalmente varreu tudo fora, exceto sete colunas de um antigo templo dórico, o único objeto acima do solo deixou hoje para marcar o local da antiga cidade de riqueza e luxo e imoralidade-a cidade de vice-parágrafo excelência no mundo romano. 

 

Perto do templo foram escavados nas ruínas da famosa fonte de Peirene, tão celebrado na literatura grega. Diretamente sul da cidade é a rocha elevada (mais de 1.800 ft.) Acrocorinto, que formou uma fortaleza inexpugnável. Vestígios do antigo navio-canal através do istmo (tentada por Nero em 66-67 dC) deviam ser visto antes escavações foram iniciadas para o presente canal. Neste momento a cidade foi completamente Roman. Por isso, os muitos nomes latinos no Novo Testamento: Lúcio, Tércio, Caio, Erasto, Quartus (Romanos 16: 21-23), Crispo, Tito Justus (Atos 18: 7, 8), Fortunato, Acaico (1 Coríntios 16: 17). De acordo com o testemunho de Dio Crisóstomo, Corinto tinha-se tornado no segundo século da nossa era a cidade mais rica na Grécia. Seus monumentos e edifícios públicos e tesouros de arte são descritos em detalhe por Pausanias.

 

A igreja em Corinto consistiu, principalmente, de não-judeus (1 Coríntios 12: 2). Paul não tinha nenhuma intenção em primeiro lugar de fazer da cidade uma base de operações (Atos 18: 1; Atos 16: 9, 10); pois queria voltar a Tessalônica (1 Tessalonicenses 2:17, 18). Seus planos foram alterados por uma revelação (Atos 18: 9, 10). O Senhor ordenou-lhe para falar abertamente, e ele o fez, permanecendo na cidade dezoito meses. Encontrando uma forte oposição na sinagoga ele deixou os judeus e foi para os gentios (Atos 18: 6). No entanto, Crispo, chefe da sinagoga e sua família eram crentes e batismos eram numerosos (Atos 18: 8); mas nenhum Corinthians foram batizados pelo próprio Paulo, exceto Crispo, Caio e alguns da família de Estéfanas (1 Coríntios 1:14, 16) "as primícias da Acaia" (1 Coríntios 16:15). Uma delas, Gaius, foi anfitrião de Paulo na próxima vez que ele visitou a cidade (Romanos 16:23). 

 

Silas e Timóteo, que tinha sido deixado em Berea, veio a Corinto cerca de 45 dias depois da chegada de Paul. Foi nessa época que Paulo escreveu sua primeira epístola aos Tessalonicenses (1 Tessalonicenses 3: 6). Durante a administração de Gálio aos judeus acusaram Paulo, mas o procônsul se recusou a permitir que o caso seja levado a julgamento. Esta decisão deve ter sido encarado com favor por uma grande maioria do Corinthians, que teve um grande desagrado para os judeus (Atos 18:17). Paul tornou-se familiarizado também com Priscila e Áquila (At 18:18, 26 Romanos 16: 3 2 Timóteo 4:19), e mais tarde eles o acompanharam até Éfeso. Dentro de alguns anos após a primeira visita de Paulo a Corinto os cristãos tinham aumentado tão rapidamente que eles fizeram muito grande congregação, mas foi composto principalmente das classes mais baixas: eles não eram nem `aprendido, influente, nem de nascimento nobre" (1 Coríntios 1:26).

 

 

Paul provavelmente deixou Corinto para participar da celebração da festa em Jerusalém (Atos 18:21). Pouco se sabe sobre a história da igreja em Corinto depois de sua partida. Apolo veio de Éfeso com uma carta de recomendação para os irmãos na Acaia (Atos 18:27 2 Coríntios 3: 1); e exerceu uma influência poderosa (Atos 18:27, 28 1 Coríntios 1:12); e Paul desceu depois da Macedônia. Sua primeira carta aos Coríntios foi escrita em Éfeso. Ambos Tito e Timóteo foram enviados a Corinto de Éfeso (2 Coríntios 7:13, 15 1 Coríntios 4:17), e Timothy retornou por terra, encontrando Paulo na Macedônia (2 Coríntios 1: 1), que visitou a Grécia novamente em 56- 57 ou 57-58.(fonte Standard , enc.1915).

 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

 

 

Colossos

 

ko-los'-e (Kolossai, "punição", a King James Version Colossos): Uma cidade da Frígia, no rio Lico, um dos ramos do Meandro, e 3 milhas do Mt. Cadmus, 8.013 pés de altura. Ele estava à frente de um desfiladeiro, onde as duas correntes se unem, e sobre a grande estrada que atravessa o país de Éfeso para o vale do Eufrates, 13 milhas de Hierapolis e 10 de Laodicéia. Sua história está principalmente associada com a de estas duas cidades. Cedo, de acordo com tanto Heródoto e Xenofonte, que era um lugar de grande importância. Há Xerxes parou de 481 aC (Heródoto vii.30) e Ciro, o Jovem marcharam 401 aC (Xen. Anabe. I.2, 6). De Colossenses 2: 1, não é provável que Paulo visitou o local em pessoa; mas sua cristianização foi devido aos esforços de Epafras e Timóteo (Colossenses 1: 1, 7), e foi a casa de Filemom e Epafras. 

 

Que uma igreja foi estabelecida lá cedo é evidente a partir Colossenses 4:12, 13 Apocalipse 01:11; Apocalipse 03:14. Como as cidades vizinhas, Hierapolis e Laodicéia, ganhou importância, Colossos diminuiu. Havia muitos judeus que vivem lá, e um chefe de artigo de comércio, para o qual o lugar era conhecido, foi o collossinus, uma lã peculiar, provavelmente de uma cor roxa. Na religião as pessoas eram especialmente frouxa, adorando anjos. Deles, Michael era o chefe, e o santo protetor da cidade. Diz-se que uma vez que ele apareceu ao povo, salvando a cidade em vez de uma inundação. Foi essa crença nos anjos que chamou a epístola de Paulo (Colossenses 2:18). Durante os séculos 7 e 8 o lugar foi invadido pelos sarracenos; no século 12, a igreja foi destruída pelos turcos ea cidade desapareceu. Seu local foi explorado pelo Sr. Hamilton. As ruínas da igreja, a fundação de pedra de um grande teatro, e uma necrópole com pedras de uma forma peculiar estão ainda a ser visto. Durante a Idade Média o lugar tinha o nome de Chonae; agora é chamado de Chonas.

 

A Cidade de Colossos

 

Colossos era uma cidade importante, situada nas proximidades do rio Meander, no vale do Lico e, por isso, acompanhava a principal rota comercial que ligava as cidades da Frígia, no leste, com Éfeso, no oeste. Os registros históricos indicam que essa cidade desfrutava de imensa riqueza e prestígio, nos tempos antigos (anterior a 400 a.C.). 

 

Graças a seus interesses comerciais, Colossos havia sido uma cidade cosmopolita importante, que incluía diferentes elementos religiosos e culturais. A população judaica devia-se em parte a Antíoco III, que fixou cerca de dois mil judeus da Mesopotâmia e da Babilônia nessa área, em torno do ano 200 a.C. Observa G.L. Munn que "ao redor de 62 a.C. os judeus do vale do Lico eram tão numerosos que o governador romano proibiu a exportação de dinheiro destinado a pagar o imposto do templo." Conforme Cícero, haveria uns dez mil judeus residentes naquela área da Frígia.

 

A importância de Colossos como cidade diminuiu nos períodos helenístico e romano. Na época do apóstolo Paulo, era a cidade menos importante da área. Registram os historiadores que ela havia sido severamente devastada por um terremoto em 61 d.C. e, diferentemente das cidades vizinhas de Laodicéia (cerca de dezesseis quilômetros a oeste), e Hierápolis (cerca de vinte e cinco quilômetros), Colossos jamais foi reconstruída. O local havia sido completamente abandonado em torno do século oitavo d.C, e até hoje nenhuma obra arqueológica foi realizada em suas ruínas.

 

A Igreja em Colossos

 

Pouco se sabe a respeito da fundação da igreja colossense. O livro de Atos não registra especificamente uma visita que Paulo houvesse realizado a Colossos, embora alguns eruditos como Bo Reicke tenham sugerido que o apóstolo poderia ter ido a essa cidade e a outras do vale do Lico, em sua terceira viagem missionária. Teria sido quando Paulo passou "sucessivamente pela província da Galácia e da Frígia" (18:23) e "pela estrada do interior" a caminho de Éfeso (19:1). Para Reicke, isto significa os vales do Lico e do Meander, que teriam sido acessíveis pela estrada comercial que ligava Colossos à Antioquia da Pisídia.

 

Se isto for verdade, Paulo poderia ser considerado o fundador da igreja. Ele conhece vários membros da congregação (4:7-17; Filemom); os que não o conhecem pessoalmente (2:1) poderiam ser novos convertidos. As evidências internas da epístola induzem o leitor a crer que os colossenses haviam ouvido as boas-novas pela primeira vez da parte de Epafras (1:7), que era de Colossos (4:12), e se tornara um dos colaboradores de Paulo no vale do Lico (4:13). É possível que Epafras tenha ouvido o ensino de Paulo em Éfeso, tenha-se convertido ao cristianismo e voltado para sua terra a fim de fundar ali uma igreja. De acordo com esta reconstrução, Paulo estaria relacionado — indiretamente — à fundação dessa igreja. Dir-se-ia o mesmo a respeito de outras igrejas que foram fundadas como resultado de seu ministério em Éfeso ("de modo que todos os que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor Jesus, tanto judeus como gregos", Atos 19:10). (enciclopedia notas enc.Strong) .

 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

 

 

 

 

Tiberiades כנרת



                                           

 

                                       Tiberiades

 

Ti-be'-ri-as ([Tiberias], João 6:23 ): Sobre a meio da costa ocidental do Mar da Galiléia, as montanhas cair para trás a partir da costa, e deixar uma planície aproximadamente em forma de crescente, sobre 2 milhas de comprimento. Tibe'rias (novo teste. E Josephus Τιβεριάς , Talmud טבריא), a cidade mais importante do lago da Galiléia no tempo de Cristo, e é o único que soTiberíades ou Tiberíade (em hebraico: טְבֶרְיָה‎, transl. Tveryah; em árabe: طبرية‎, transl. Ṭabariyyah) é uma cidade no norte de Israel e conta com cerca de 39.900 habitantes. Está situada às margens do mar da Galileia, o qual é conhecido também por mar ou lago de Tiberíades (em hebraico כנרת, Kinneret). Foi denominada em honra ao imperador romano Tibério.

É uma das quatro cidades sagradas no judaísmo, junto com Jerusalém, Hebron e Sefad. Na tradição judaica, está associada ao elemento "água".

Durante a época das cruzadas foi sede de um principado homónimo, também chamado de Principado da Galileia.breviveu aos tempos modernos, mantendo o mesmo nome.

 

  1. 1. Origem e Associações adiantados. - O lugar é mencionado pela primeira vez no "New Test. ( João 6: 1 , 23 ; Jo 21: 1 ), e depois por Josefo ( Ant 18. : 2, 3; War, 2, 9, 1), que afirma que ele foi construído por Herodes Antipas, e foi nomeado pelo -lo em honra do imperador Tibério. Provavelmente não era uma cidade nova, mas um restaurado ou alargada meramente; para Racate ( Jos 19:35 ), o que é dito no Talmud (Jerusalem Megillah, fol 701;. comp; Otho, .. Lex Rabb . p 755) ter ocupado a mesma posição, estava na tribo de Naftali (se seguimos as fronteiras, como indicado pelas passagens mais claras), e Tibério parece ter sido dentro dos limites da mesma tribo ( Mt 04:13 ). Se as sepulturas mencionados por Josefo ( Ant. Loc.

 

cit.) são qualquer objecção, que devem. militam contra este pressuposto da mesma forma (Lightfoot, Chorog. Cent. c. 72-74). A mesma observação pode ser feita, respeitando a declaração de Jerome que Tiberias sucedeu no lugar do anterior Quinerete ( Onomasticon, sv ); mas esta última cidade foi localizada por alguns mais ao norte e por outros mais ao sul do que o local de Tiberíades. A tenacidade com que seu nome Roman aderiu ao local (veja abaixo) indica toda a sua reconstrução; para, em geral, nomes estrangeiros no Leste aplicado a cidades anteriormente conhecidos sob os nomes derivados do dialeto, como nativa, por exemplo, Epiphania para Hamate ( Jos 19:35 ), Palmyra por Tadmor ( 2Cr 8: 4 ), Ptolemais para Akko ( At 21: 7 ) - perderam a sua posição logo que a potência estrangeira faleceu o que lhes havia imposto, e deu lugar novamente para as denominações originais.(STRONG).

 

A moderna cidade de Tiberíades (Tabariyeh) fica na extremidade norte, onde a terra começa a subir; e os banhos quentes (Hamate), no extremo sul. Na parte sul desta planície Herodes Antipas construiu uma cidade (cerca de 26 dC), chamando-o de "Tiberias" em homenagem ao imperador que ele tinha amizade. Na limpeza do chão e cavar fundações certos túmulos foram perturbadas (Ant., XVIII ii, 3). Pode ter sido o cemitério da antiga Hamate. O palácio, o famoso "Golden House", foi construída no topo de uma colina rochosa que se eleva sobre o Ocidente a uma altura de cerca de 500 pés A ruína é hoje conhecido como Qasr bint el-Melek, "Palácio da Filha do Rei "as fortes muros da cidade pode ser rastreada em quase toda a sua extensão no lado da terra. As peças são também para ser visto ao longo da costa, com torres em intervalos que guardavam contra ataques por mar. As ruínas cobrem uma área considerável. Não há nada acima do solo mais velho do que da cidade de Herodes.

 

 Apenas escavação pode mostrar ou não o Talmud é lutar em dizer que Tiberias foi construído no local de Racate Quinerete (Neubauer, Geog. Du Talmud, 208). Os judeus eram tímido de se estabelecer em uma cidade construída sobre um antigo cemitério; e Herodes tinha dificuldade em encontrar ocupantes para ele. A empresa era estranho que ele finalmente se reuniram dos "as pessoas mais pobres," estrangeiros, e outros "Not quite homens livres"; e estes foram atraídos pela perspectiva de boas casas e terrenos que livremente lhes prometeu. Com o seu estádio, o seu palácio "com figuras de seres vivos" e sua senado, pode ser adequadamente descrito como uma cidade grega, embora também continha uma proseuche, ou lugar de oração, para os judeus (BJ II, xxi, 6; Vita, XII, 54, etc.). Isso explica que descobrir tão pouco nos Evangelhos. Em sua ansiedade para ganhar o favor dos judeus, Herodes construiu para eles "a melhor sinagoga na Galiléia"; mas muitos anos se passariam antes que ele deve tornar-se uma cidade muito judaica.

 

Superação Séforis, Tiberíades foi a capital da Galiléia sob Agripa I e os procuradores romanos. Ele se rendeu a Vespasiano, e foi dado por Nero a Agripa II, Séforis novamente se tornando a capital. Durante a guerra judaica seus habitantes eram principalmente judaica, um pouco turbulento e difícil de gerir. Em 100 dC, com a morte de Agripa, os romanos assumiram o controle direto. Após a queda de Jerusalém, o Sinédrio retirou-se para a Galiléia, primeiro a Séforis, e depois para Tiberias. 

 

Aqui, algum tempo antes de 220 dC, sob a supervisão do famoso rabino Jehuda ha-Nasi "," Judá, o Príncipe ", ou, como ele também é chamado de ha-qadhosh", o Santo, "as leis civis e rituais, decretos, costumes, etc., realizada a ser de obrigação vinculativa, transmitidos pela tradição, mas não ter autoridade bíblica, foram codificados e escrito para baixo, sob o título de "Mishna." Aqui também, posteriormente, foi compilado o Talmud de Jerusalém (Yerushalmi), distinguindo-as compiladas em Babylon (Babhli). A cidade tornou-se, assim, um grande centro de estudos judaicos. Túmulo de Maimônides é mostrado perto da cidade, e que de Aqiba na encosta da montanha, onde se diz que 24.000 dos seus discípulos, sepultados com ele.

 

Em tempos cristãos Tiberíades foi a sede de um bispo. Ele caiu para os muçulmanos em 637. Ele mudou de mãos várias vezes entre os cruzados e os sarracenos. Ele foi finalmente tomada pelos muçulmanos em 1247.As paredes que encerram da cidade moderna, eo castelo, agora rapidamente vai estragar, foram construídos por Tancred e reparado por Daher el-`Omar em 1730. Há mais de 5.000 habitantes, a maioria judeus, em cujas mãos, principalmente, é o comércio de o lugar. A pesca no lago, no qual cerca de 20 barcos estão ocupados, é exercida por muçulmanos e cristãos. Tiberias é o lugar habitado chefe no lago, para o qual como nos dias antigos, dá o seu nome, Bachr Tabariyeh, "mar de Tiberíades" ( Jo 6: 1 ; 21: 1 ). É a cidade do mercado para uma ampla distrito.

 

 A abertura do Haifa-Damasco Railway acelerou o pulso da vida consideravelmente. Um barco ply navio e do motor entre a cidade ea estação de Semach, trazendo o lugar em fácil contato com o mundo exterior. A água do lago é muito utilizada para todos os fins, embora haja cisternas para água da chuva sob algumas das casas.

 

Depois de uma residência de mais de cinco anos na cidade, o presente escritor pode dizer que ele não merece a reputação mal que os viajantes casuais ter dado. Em matéria de limpeza e saúde ela representa comparação muito bem com outras cidades orientais. Às vezes, no vento leste; é muito quente, termômetro registrar mais de 114 graus centígrados à sombra. O pior momento é apenas no início da estação das chuvas, quando as impurezas que se reuniram na seca do verão são lavados no mar, contaminando a água.(notas dic.standard 1915).

 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

 

 

 

 

 

Sidon צידון

 

 

 

 

                                         

 

                                            SIDON

 

Si'-don (tsidhon; Sidon, a King James Version, Sidon e Sidom; Versão Revisada (britânico e americano) SIDON apenas): Sídon, Sidon, ou Sidom (em árabe: صيدا, Saydā) é a terceira maior cidade do Líbano.Situa-se na costa do mar Mediterrâneo, a cerca de quarenta quilómetros ao norte de Tiro e a quarenta e oito quilómetros da capital do país, Beirute.

 

  1. Localização e Distinção:

 

Uma das mais antigas cidades fenícias, situada em uma planície estreita entre a gama do Líbano e do mar, na latitude 33 graus e 34 minutos quase. A planície é bem regada e fértil, cerca de 10 milhas de comprimento, estendendo-se um pouco ao norte de Sarepta ao Bostrenus (Nahr el-'Auly). A cidade antiga foi situado perto do extremo norte da planície, cercada com um muro forte. 

 

Ele possuía dois portos, o norte cerca de 500 jardas. de comprimento por 200 de largura, bem protegido por pequenos ilhéus e um quebra-mar, e um sul cerca de 600 por 400 jardas, rodeada em três lados por terra, mas aberta para o Ocidente, e, portanto, expostos ao mau tempo. A data da fundação da cidade é desconhecida, mas vamos encontrá-lo mencionado em The Tell el-Amarna letras no BC século 14, e em Gênesis 10:19 é a principal cidade dos cananeus, e Josué (Josué 11: 8) chama de Grande Sidon. Ele levou todas as cidades fenícias em seu desenvolvimento inicial dos assuntos marítimos, seus marinheiros sendo o primeiro a lançar-se ao mar aberto fora da vista da terra e a navegar à noite,-se guiar pelas estrelas. Eles foram os primeiros a entrar em contacto com os gregos e encontramos a menção a eles várias vezes em Homer, enquanto outras cidades fenícias não são notados. Sidon tornou-se início distinguida pela sua fabrica e a habilidade de seus artesãos, como o belo trabalho em metal em prata e tecidos de bronze e têxteis bordados e tingidos com a famosa tintura roxa que ficou conhecido como Tyrian, mas que foi produzido anteriormente em Sidon. 

 

Avisos destes artigos escolhidos são encontrados em Homer, tanto na Ilíada ea Odisséia. Sidon tinha uma forma monárquica de governo, assim como todas as cidades fenícias, mas também realizou uma espécie de hegemonia sobre os do Sul até o limite do Phoenicia. Ele também fez uma tentativa de estabelecer uma colônia interior a Laís ou Dan, perto das cabeceiras do Jordão, mas isso terminou em desastre (Juízes 18: 7, 27, 28). A tentativa não foi renovado, mas muitas colônias foram estabelecidas over-mar. Citium, em Chipre, foi um dos primeiros.

 

  1. Histórico:

 

(1) A independência de Sidon foi perdido quando os reis da XVIII e XIX dinastias do Egito acrescentou Palestina e Síria para seus domínios (1580-1205 aC). Os reis de Sidon foram autorizados a permanecer no trono desde que prestou homenagem, e talvez ainda exercia autoridade sobre as cidades que antes tinham sido sujeitos a elas. Quando o poder do Egito diminuiu sob Amenhotep IV (1375-1358), o rei de Sidon parece ter jogado fora o jugo, como se depreende das Diga Letras el-Amarna. Rib-addi de Gebal escreve ao rei do Egito que Zimrida, rei de Sidon, tinham aderido ao inimigo, mas o próprio Zimrida afirma, nas cartas que ele escreveu, ser leal, declarando que a cidade pertence a ele tinha sido tomada pelo Khabiri (Tab. 147). Sidon, com as outras cidades, eventualmente, tornou-se independente do Egito, e ela manteve a hegemonia das cidades do Sul e, talvez, acrescentou Dor, reivindicada pelos filisteus para seu domínio. 

 

Esta pode ter sido a razão para a guerra que ocorreu em meados do século 12 aC, na qual os filisteus tomaram e saquearam Sidon, cujos habitantes fugiram para Tiro e deu o último um grande impulso. Sidon, no entanto, se recuperou do desastre e se tornou poderoso novamente. O livro de Juízes afirma que Israel foi oprimido por Sidon (10:12), mas é provável Sidon está aqui para Phoenicia em geral, como sendo a principal cidade.

 

(2) Sidon submetidos aos reis assírios como fizeram os cidades fenícias em geral, mas se revoltaram contra Senaqueribe e novamente sob Esar-Hadom. O último destruiu grande parte da cidade e levaram a maioria dos habitantes, substituindo-os por cativos da Babilônia e Elam, e rebatizou-Ir-Esar-tinha-don ( "Cidade de Esar-Hadom"). 

 

Os colonos prontamente se misturaram com os fenícios, e Sidom subiu ao poder novamente quando a Assíria caiu, foi sitiada por Nabucodonosor no momento de seu cerco de Jerusalém e Tiro, e foi levado, tendo perdido cerca de metade de seus habitantes pela praga. A queda de Babilônia, havia um outro curto período de independência, mas os persas ganharam o controle sem dificuldade, e Sidon foi destaque no período persa como o poder naval de liderança entre os fenícios que ajudaram o seu suserano em seus ataques à Grécia. Em 351 aC, Sidon rebelaram sob Tabnit II (Tennes), e chamou a ajuda de mercenários gregos ao número de 10.000; mas Ochus, o rei persa, marchou contra ele com uma força de 300.000 infantaria e 30.000 cavalo, que até assustou Tabnit que ele traiu a cidade para salvar sua própria vida. Mas os cidadãos, a aprendizagem da traição, primeiro queimado sua frota e, em seguida, suas casas, perecendo com suas esposas e filhos, em vez de cair nas mãos de Ochus, que massacraram todos a quem ele aproveitou, Tabnit entre eles. Diz-se que 40.000 morreram nas chamas. A lista dos reis de Sidon, no período persa foi recuperado das inscrições e as moedas, mas as datas de seus reinados não são conhecidos com precisão. 

 

A dinastia dos reis conhecidos começa com Esmunazar I, seguido por Tabnit I, Amastoreth; Esmunazar II, Strato I (Bodastart), Tabnit II (Tennes) e Strato II. As inscrições do templo de Esmun descobriu recentemente dar o nome de um Bodastart e um filho Yatonmelik, mas se a primeira é uma das Stratos acima mencionados ou uma terceira é incerto; também se o filho já reinou ou não. Como Bodastart chama a si mesmo o neto de Esmunazar, ele é provavelmente Strato I, que reinou sobre 374-363 aC, e, portanto, seu avô, Esmunazar I, deve ter reinado em 400 aC Ou mais cedo. Strato II estava no trono quando Alexander tomou posse da Fenícia e não fez nenhuma resistência a ele, e até mesmo o ajudou no cerco de Tiro, que mostra que Sidon se recuperou depois do terrível desastre que sofreu no tempo de Ochus. É, talvez, olhou para o avanço de Alexandre com o conteúdo como o seu vingador. A destruição de Tiro aumentou a importância de Sidon, e após a morte de Alexandre, ele tornou-se ligado ao reino dos Ptolomeus e assim permaneceu até a vitória de Antíoco III sobre Scopas (198 aC), quando passou para os selêucidas e deles aos Romanos, que concederam-lhe um grau de autonomia com magistrados nativas e um conselho, e ele foi autorizado a cunhar moedas em bronze.

 

  1. Novo Testamento citar:

 

Sidon vem na vista várias vezes no Novo Testamento; em primeiro lugar quando Cristo passou para as regiões de Tiro e Sidom e curou a filha da mulher siro-fenícia (Marcos 7: 24-30); também quando Herodes Agripa I recebeu uma delegação de Tiro e de Sidon em Cesaréia (Atos 12:20), onde parece ter sido fora de sua jurisdição. Paul, em seu caminho para Roma, foi permitido para visitar alguns amigos em Sidon (Atos 27: 3). Ver também Mateus 11:21 e Marcos 3: 8.

 

Percebeu-se para a sua escola de filosofia sob Augusto e Tibério, sendo em grande parte grega seus habitantes; e quando Berytus foi destruída por um terremoto em 551, a sua grande escola de lei foi removido para Sidon. Não era de grande importância durante as Cruzadas, sendo muito ultrapassado pelo Acre, e nos tempos modernos é uma pequena cidade de cerca de 15.000.(notas dic. Standard 1915)

fonte 

fonte www.mauricioberwald.comunidades.net

fonte