Translate this Page

Rating: 2.4/5 (49 votos)




ONLINE
1




Partilhe este Site...



 

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


HISTORIA DA IGREJA PRIMITIVA (1)
HISTORIA DA IGREJA PRIMITIVA (1)

                               HISTORIA DA IGREJA NO PRIMEIRO SECULO

                                                 Artigo Mauricio Berwald

 

A história da Igreja na Idade Apostólica podem ser tratados de acordo com as seguintes cabeças; (1) Fontes (2), Importância, (3) Nome (4), Origin, (5) Crescimento (6), conflito entre elementos judeus e gentios, (7) de caracteres, (8) Relação com o Estado e outros sistemas .  

  1. Fontes. -Nossos fontes de informação não são tão completo como gostaríamos, mas alguns deles são excelentes; e, ainda somos obrigados a deixar várias questões importantes, mas a crítica nos permite obter resultados sólidos e seguros. Nossas fontes mais antigas são as Epístolas de São Paulo, ea grande maioria das pessoas que levam seu nome está agora firmemente estabelecida como seu. Ainda existem dúvidas em relação à Epístolas Pastorais, mas é geralmente admitido que eles contêm partes que são pelo Apóstolo, e de qualquer forma eles são a prova como a um período intimamente ligado com a sua idade. Hebreus, quem escreveu isso, é uma prova respeitando um período similar. 

 

Com a possível exceção de 2 Pedro, todos os outros Epístolas e do Apocalipse são fontes. Mais cheio de informações do que as Epístolas Paulinas, embora mais tarde na data, é o livro de Atos, agora firmemente estabelecida como o trabalho de St. Luke, o companheiro de St. Paul. Aqueles que admitir plenamente esta diferem consideravelmente em sua estimativa do valor de Atos como um documento histórico, mas a tendência de crítica é na direção de uma estimativa de alta do que de uma baixa. Investigação microscópica e uma série de descobertas recentes mostram quão preciso um escritor St. Luke geralmente é. Temos a lamentar omissões tentadoras com muito mais frequência do que a suspeitar imprecisões graves. Os Evangelhos dar alguma ajuda; para o que eles registro explica muitas características em Epístolas e Atos.

 

 Fora do NT, mas dentro da primeira cento., Temos a Epístola de Clemente de Roma para o Corinthians e a Epístola de Barnabé, um representando Gentile e outro cristianismo judaico. . Dentro das três primeiras décadas do segundo cento, temos os escritos de três homens cujas vidas se sobrepunham os de alguns dos Apóstolos-Inácio, Policarpo, e Papias; e com o mesmo período provavelmente pertence a Didaqué ou Ensino dos Doze . Algo de valor considerável pode também ser obtido a partir de dois escritores perto do meio da segunda cent.-Hermas e Justino Mártir; e até tão tarde como o último trimestre do cento. podemos encontrar as tradições apostólicas de grande valor nos escritos de Irineu. De fora da Christian Church temos bom material, especialmente respeitando a grande crise da destruição de Jerusalém por Tito, do escritor judeu, Josephus; e também algumas declarações importantes dos escritores pagãos, Tácito, Suetônio e Plínio, que eram contemporânea com Clemente, Inácio e Policarpo.

 

  1. Importância. -A importância da história do Apostólica Igreja é muito grande, mas às vezes é mal interpretado. As fontes citadas acima nos dizer algo sobre as crenças, organização e ritual dos primeiros cristãos; e todos eles são muito simples. Às vezes, é suposto que se tomarmos esses elementos simples e fechar os olhos para desenvolvimentos posteriores, temos a essência do cristianismo, livre de formas não essenciais, e que isto constitui a importância da primitiva Igreja . É o modelo para o qual todos da Igreja reformadores deveria olhar, com vista a restaurar a sua simplicidade. Duas considerações mostram que esta estimativa é errônea. Essence sem forma é inatingível. O Apostólica Igreja tinham formas que eram o resultado das condições em que a Igreja existiram. 

 

Algumas dessas condições mudaram muito rapidamente, e as formas mudaram também. A restauração da simplicidade das formas primitivas terão pouco valor ou vitalidade, a menos que nós também restaurar as condições primitivas, e que é impossível. Em segundo lugar, as fontes não nos dizem toda a verdade. Em alguns pontos importantes que podemos obter nada melhor do que graus de probabilidade, porque as evidências são tão inadequadas; em outros pontos não há provas, e nós temos que voltar a cair pura conjectura. Se tivesse sido pretende que todas as idades posteriores devem ter o Apostólica Igreja como modelo, então podemos razoavelmente esperar que uma descrição completa do que teria sido preservada. Um esboço que tem de ser recolhida aos poucos a partir de diferentes fontes, e que, quando juntos, é incompleta, tanto no contorno e no conteúdo, não pode ser feito um exemplo de autoridade. "O cristianismo não é um quebra-cabeça arqueológico" (JH Cordas, Era Apostólica , London, 1906, p. 20).

 

 No entanto, a importância desta idade é real e grande, ( a ) A essência espiritual do cristianismo pode-se dizer que consistem na relação interna de cada alma a Deus, ao Seu Cristo e ao Seu Espírito, e no interior e exterior relações de todos os fiéis um ao outro. Na primeira idade da Igreja essa essência existia em tal vigor simples que deu vida a realidade e as formas que ainda não tinha tido tempo para se confundido com fundamentos. Sobre a simplicidade destes inícios, não há dúvida; é um fato estabelecido; mas isso não prova que esta simplicidade primitiva é uma autoridade obrigatória para todas as idades. ( b ) Este atrás produziu a-the NT grupo de escritos que teve maior influência para o bem do que qualquer que o mundo já conheceu: um grupo de escritos que reflete as idéias e os hábitos daquela época e deve ser interpretado por um conhecimento de essas idéias e hábitos. ( c ) Esta idade exibe os primeiros efeitos que o evangelho produzidos sobre judeus e gentios e dois solos muito diferentes, o que pode suportar muito diferentes frutas. ( d ) É a primeira etapa no desenvolvimento complexo da Igreja e as igrejas es; e, a fim de compreender que o desenvolvimento, devemos estudar o seu início.

 

  1. Nome. -O nome ' Igreja 'é, em si, uma forte evidência da ligação entre a Antiga Aliança e da Nova. No VT, duas palavras diferentes são usados ​​para denotar reuniões do povo escolhido ou seu representatives- 'çdhâh (Versão Revista 'congregação') e qahal (Versão Revisada "assembleia"). Na Septuaginta , συναγωγή é a tradução usual de 'çdhâh , enquanto qahal é comumente prestados ἐκκλησία . Ambos qahal e ἐκκλησία por sua derivação indicam chamando ou convocando para um lugar de reunião; mas "não há fundamento para a noção amplamente difundido que ἐκκλησία significa um povo ou de um número de homens individuais chamados para fora do mundo ou da humanidade (FJA Hort, The Christian Ecclesia , London, 1897, p. 5). qahal ou ἐκκλησία é o termo mais sagrado; denota o povo em relação ao Jahweh, especialmente na adoração pública. Talvez por isso mesmo o termo menos sagrado συναγωγή foi mais comumente usado pelos judeus no tempo de nosso Senhor, e provavelmente influenciou os primeiros crentes em adotar ἐκκλησία . para uso Christian συναγωγή rapidamente saiu de uso para uma assembléia cristã ( Tiago 2: 2 ), exceto em seitas que foram mais do que judaica cristã. Devido à crescente hostilidade dos judeus, veio para indicar oposição à Igreja ( Apocalipse 2: 9 ; Apocalipse 3: 9 ). ἐκκλησία , portanto, de uma vez sugere o novo povo de Deus, o novo Israel.

 

 Nós não sabemos o que tão alegremente adotou a palavra para o uso cristão. Não é impossível que o próprio Cristo pode tê-lo usado, pois Ele às vezes falava grego. Usou-o ou o seu equivalente em sentido cristão ( Mateus 16:18 ); mas Mateus 18:17 , embora capaz de ser transferido para os cristãos, devem, no momento em que foi falado significaram uma assembléia judaica. St. Paul provavelmente encontrou a palavra já em uso, e fora dos Evangelhos é muito freqüente no NT. Encontramos três usos do termo: o corpo geral de crentes ( Atos 05:11 ; Atos 09:31 ; Atos 12: 1 ); os crentes em um determinado lugar ( 1 Tessalonicenses 1: 1 , 2 Tessalonicenses 1: 1 ); uma assembléia para o culto público ( 1 Coríntios 11:18 ; 1 Coríntios 14:19 ; 1 Coríntios 14:35 ).

 

Ele já havia se tornado um termo técnico com as associações fortemente religiosos, que foram parcialmente emprestados de um ideal judaica, mas tinha sido tão enriquecidos e transfigurados como para indicar um corpo que era inteiramente nova. A idéia judaica de um povo escolhido em relação a Deus recebeu um significado mais amplo, e esta foi adicionado a idéia de um povo escolhido em relação ao encarnado e ressuscitado Filho de Deus e ao Espírito de Deus. ἐκκλησία em nenhum lugar é usado de nações religiosas montagens.

 

  1. Origem. -Se ou não a comunidade cristã deve o seu nome de " Igreja "( ἐκκλησία ) a Cristo, além de qualquer dúvida razoável, que deve sua origem a ele. É uma leitura errada estranha de fatos simples para elevar St. Paul para o fundador da Christian Church . A teoria de que no cristianismo, como em algumas outras religiões, houve uma deificação gradual do fundador, continua a ser defendida, mas não vai ter investigação séria. Se São Paulo originou o cristianismo, que originou St. Paul? O que foi que transformou Saulo, o perseguidor da Igreja para o apóstolo Paulo de Jesus Cristo? Era a convicção indelével que Jesus era o Messias, e que Ele tinha ressuscitado dos mortos e conversou com ele no caminho de Damasco, que converteu e sempre mais tarde controlada St. Paul.

 

 A convicção de que o Messias tinha sido crucificado, e subiu, e agora era o Senhor no céu, chegou-se muito rapidamente e, certamente, por um grande número, que tiveram boas oportunidades de apuramento da verdade e apostaram tudo no resultado. Esta convicção foi baseada nas experiências daqueles que foram bastante certeza de que o Cristo Ressuscitado lhes apareceu e conversou com eles. Essas aparições eram realidades, no entanto, podem explicá-los; eles estão entre aquelas coisas que se provar por seus resultados de outra forma inexplicáveis; e as convicções que eles produzidos permanecem undestroyed e indestrutível. 

 

Foi-lhes que o Apostólica Igreja foi construída. Desde o Cristo ressuscitado que tinha recebido a comissão incrível para ir adiante e conquistar o mundo; sobre isso não havia dúvida entre aqueles que alegremente empreendeu este trabalho estupendo. Os apóstolos deve ter sabido se Cristo destina-los para formar uma Igreja ; e sua visão de Sua intenção é demonstrado pelo fato de que, imediatamente após a sua retirada da vista deles, eles começaram a trabalhar para construir um. 

 

Se a nova religião era para conquistar o mundo, deve ser tanto individualista e social; ele deve fornecer para a comunhão entre cada alma e Deus, e também para a comunhão entre os seus adeptos. Em outras palavras, deve haver uma Igreja . Cristo mostrou como isso deveria ser feito. Ele não se contentava em ser um professor itinerante, pregando para auditórios casuais. Ele selecionou alguns discípulos e treinados para serem Seus ajudantes e seus sucessores. É manifesto que Ele pretendia que eles encontraram uma sociedade; pois, embora Ele deu algumas regras para a sua organização, ainda Ele instituiu dois ritos, um para admissão a ela e um para a sua preservação (W. Hobhouse, A Igreja e do mundo [ Bampton Palestras , Londres, 1910], p. 17 e seg.) .

  "Um cristão isolado 'é uma contradição, para cada cristão é um membro do Corpo de Cristo. Em referência ao mundo os cristãos são 'santos' ( ἅγιοι ); em referência a um outro eles são "irmãos"; em referência a Cristo são "membros". Na constituição original do corpo humano Deus colocou os membros de forma diferente dotado, e Ele fez o mesmo na constituição original da Igreja ( 1 Coríntios 12:28 ). Ambos estão na origem divina, o produto da ação criadora do Pai, do Filho e do Espírito.

 

  1. Crescimento. -O crescimento do Apostólica Igreja foi muito rápida. Os primeiros esforços missionários dos crentes originais foram confinados em Jerusalém e na sua vizinhança imediata, e os convertidos eram palestinos ou judeus helenistas que viviam ou estagiavam em ou perto da capital. A princípio, os helenistas estavam em minoria, mas isso logo deixou de ser o caso. Perseguição causou fuga de Jerusalém, e depois esforço missionário foi estendido para a dispersão dos judeus e gentios. Em Antioquia, na Síria a mudança importante foi feita a uma congregação mista contendo tanto judeus como cristãos. Então, o que parecia até mesmo para os próprios judeus para ser uma mera seita judaica se tornou universal da Igreja ( Atos 11: 19-26 ). 

 

Assim como foi visto que o judaísmo, apesar de todas as suas glórias OT, nunca se tornar uma religião universal, as missões aos pagãos tornou-se uma necessidade. Os primeiros missionários aos gentios, os homens que tomaram esta etapa importante de levar o evangelho aos pagãos, são em sua maior parte desconhecido para nós. Quem ganhou o primeiro Gentile converte em Antioquia? Quem primeiro levou o cristianismo a Roma? Quem quer que fossem, não tinha havido uma preparação longa e complexa para o seu trabalho, que vai um longo caminho para explicar seu sucesso. Este fato era de se esperar de acordo com a ordem de Cristo ( Mateus 28:18 , Lucas 24:47 ) e promessa Pentecostal de São Pedro "a todos os que estão longe" ( Atos 2:39 ); mas podemos ver alguns dos detalhes que ajudaram realização.

 

 A única coisa que explica adequadamente a grande expansão do cristianismo no primeiro cento. é o fato de sua origem divina; mas havia um número de causas que favoreceram a sua propagação e mais do que compensadas a oposição ativa e outras dificuldades com as quais teve de lutar.

 ( a ) A dispersão dos judeus em países civilizados garantiu um conhecimento do monoteísmo e um código moral de som.

 ( b ) direito romano havia se tornado quase co-extensivo com o mundo civilizado. Idéias tribais e nacionais, muitas vezes irracional e aviltante, tinha dado lugar aos princípios de direito natural e da justiça, o direito romano, como a Lei de Moisés, foi um παιδαγωγός levar os homens a Cristo.

 ( c ) A organização esplêndido do Império Romano deu grandes facilidades para viagens e correspondência.

 ( d ) A dissolução das nacionalidades por conquistas romanas elaboradas as mentes dos homens para uma religião que não era nacional, mas universal; e não é impossível, apesar do horror que o escritor do Apocalipse apresenta para o culto do imperador, que este culto, que era nominalmente universal, as pessoas às vezes preparados para a adoração do Poder para o qual eles tinham existência, e não apenas a segurança fitful e paz.

 

 ( e ) A conquista macedônio tinha feito os homens familiarizados com um tipo de civilização que parecia ser adaptável a todo o mundo, e tinha fornecido uma linguagem que era ainda mais adaptável. 

 

Grega foi em todos os lugares falada nas grandes cidades, e nelas os convertidos eram mais provável de ser encontrado. Através da Septuaginta , o grego era um judeu, bem como um instrumento pagã de pensamento, e tornou-se muito flexível e simples, capaz de expressar idéias novas, e ainda facilmente inteligível para os homens simples. Grego era a língua da cultura e do comércio, mesmo em Roma. Foi também a língua sagrada do culto mundial de Isis. Dificilmente em qualquer outro período tem o mundo civilizado tinha uma abordagem mais próximo de uma linguagem universal. A retenção de uma liturgia grega na Igreja de Roma durante dois séculos foi devido, em parte, ao fato de que os primeiros missionários ensinou em grego e que a Bíblia grega foi usada; em parte ao desejo de preservar a unidade da Igreja em todo o Império. Seu abandono pela Roman Igreja preparou o caminho para o distanciamento entre o Oriente eo Ocidente.

 

 ( f ) Havia um sentimento generalizado de corrupção moral e necessidade espiritual. 'A grande anseio religioso varreu o comprimento ea largura do império. O ceticismo da época de esclarecimento entrou em falência "(E. v. Dobschütz, Apostol. Age , Eng. de tradução , London, 1909, p. 39). As religiões predominantes e filosofias estimularam anseios que não podiam satisfazer. Especulações sobre a consciência, do pecado e do juízo vindouro, sobre a eficácia dos sacrifícios, bem como a possibilidade do perdão e da vida após a morte, tinha preparado homens para o que o Cristianismo tinha para oferecer. Mesmo que o evangelho não tinha sido dada, alguma mudança religiosa teria vindo. O evangelho muitas vezes despertado aspirações espirituais; mais frequentemente encontrados-los acordados e os saciou. 

 

Ele saciou porque possuía as características de uma religião universal incomparável sublimidade da doutrina, a adaptabilidade inesgotável, e uma origem que foi reconhecido como Divino. O judeu pode ser vencida pela convicção de que a lei foi transfigurado no evangelho e que a profecia se cumpriu em Cristo e Sua Igreja . St. Peter começou seu discurso Pentecostal aos judeus reunidos por apontar que o derramamento do Espírito foi um cumprimento da profecia judaica ( Joel 2: 28-31 ) e uma inauguração de "últimos dias", que foram para preceder a vinda do Messias em glória. Mas, para o Gentile estas considerações não foram impressionante.

 

O grande mundo pagão teve de ser vencido por o conteúdo real do Cristianismo, que foram vistos a ser melhor do que os de qualquer religião que o mundo tinha, até agora conhecida. Eles não eram apenas novo, mas "com autoridade"; e puseram-se ao teste da experiência por que carrega o desgaste de vida. Cristianismo era ao mesmo tempo um espelho e um "mistério"; refletia a vida de forma tão clara e sugere algo muito maior. Foi uma maravilha de simplicidade e riqueza. Era tão simples que poderia ser contada em poucas palavras o que pode mudar toda a vida. Era tão variada e sutil que poderia taxar todos os poderes intelectuais e excitar os sentimentos mais fortes.

 

 Quando o procônsul Saturnino disse aos Mártires Scillitan, "nós também somos pessoas religiosas, e nossa religião é simples," um dos cristãos, respondeu: "Se você vai me conceder uma audiência tranquila, vou dizer-lhe o mistério da simplicidade" ( Atos dos Mártires Scillitan [ Textos e Estudos .. i 2, 1891, p 112]; cf. 1 Coríntios 2: 7 ).

 O número de cristãos no encerramento do 1º cento. é muito incerto. Lemos de um bom número de centros em todo o Império; mas sabemos pouco sobre o tamanho de cada um desses locais da igreja es. Em alguns os números eram provavelmente pequeno. Na Palestina eram numerosos ( Atos 21:20 ).

 

 ( g ) O zelo ea habilidade dos primeiros missionários eram muito grandes. Sabemos os nomes dos relativamente poucos deles, mas sabemos que alguns dos resultados de seu trabalho. A extensão da Igreja no 2º cento. é a prova do bom trabalho feito no primeiro. De acordo com as direções de Cristo ( Marcos 6: 7 ; cf. Lucas 10: 1 ), estes missionários comumente trabalharam em pares (H. Latham, Pastor Pastorum , Cambridge, 1890, p 296f..). St. Paul, como regra geral tinha um companheiro, e, provavelmente, mais raramente; e sua habilidade em missões de planejamento é bem visível. Ele selecionou colônias romanas, prostituta, como cidadão romano, ele teria direito, e onde ele seria provável encontrar judeus, e os homens de outras religiões, que operam sob a proteção de Roma. A sinagoga foi inicialmente o ponto de partida de costume para uma missão cristã. Mas muito em breve os judeus se tornaram demasiado hostil; tão longe de ouvir os pregadores, que despertou as nações contra eles (TR Glover, o Conflito das Religiões no Império Romano precoce , London, 1909, cap. VI.).

 

 É impossível dizer qual das forças que caracterizaram o cristianismo que mais contribuíram para o seu sucesso: sua pregação da vida, morte e ressurreição de Cristo, a sua eminente monoteísmo, a sua esperança de imortalidade, a sua doutrina do perdão dos pecados, a sua prática a benevolência, a sua coesão interna e unidade. Cada um deles disse, e podemos ter certeza de que seu efeito combinado foi ótimo.

 

 

  1. O conflito entre judeus e gentios elementos. -É notável quanto tempo esse conflito no Apostólica Igreja começou. Não muito tempo depois de o cristianismo nasceu, foi cortado da nação que lhe deu origem, e, desde a destruição final de Jerusalém, que tem apenas em casos raros encontrados uma fixação segura em solo judaico. Mas não é apenas uma declaração de o caso de dizer que o Gentile Igreja primeira despojado judaísmo de tudo, as Escrituras incluído, e, em seguida, deixou-o à beira da estrada meio morto; ou que a filha roubada primeiro sua mãe, e, em seguida, repudiou. Isso é uma inversão da verdade; era a mãe que expulsou a filha e depois persistentemente enegrecido sua personagem. Como as Escrituras, não houve roubo, tanto para ter possuído-los. Mas a filha tem colocá-los para muito melhor conta e aumentou o seu valor dez vezes. 

 

O cristianismo não se apresentou no início como uma nova religião com o objetivo de expulsar os judeus. Seu fundador foi o Messias, o cumprimento das profecias do Antigo Testamento. Foram os judeus que forçaram a oposição. A relação do judaísmo ao cristianismo foi, quase desde o início, um hostil. E, como era o judeu energético de Tarso, que liderou a primeira perseguição dos cristãos, portanto, foi o Apóstolo dos gentios, que causou a separação definitiva da Igreja a partir da Sinagoga. No quarto Evangelho, "os judeus" são os adversários do Cristo. 

 

No Apocalipse, eles são "a sinagoga de Satanás" ( Apocalipse 2: 9 ; Apocalipse 3: 9 ; cf. Didaqué , 8). Barnabé vai ainda mais longe: os judeus nunca foram em aliança com Deus (iv 6-9, xiv 1..); os judeus são os pecadores (XII. 10). O Judaísmo é obsoleto: o Christian Church tomou o seu lugar e conseguiu todos os seus privilégios, daí o entusiasmo sublime dos primeiros cristãos, cuja linguagem, muitas vezes assume uma tensão rítmica quando a Igreja é falado ( Efésios 4: 4 , Colossenses 1:18 , 1 Timóteo 3:15 , Hebreus 0:22 , 1 Pedro 2: 9 , Mateus 16:18 ). Foi através da Christian Church que Deus encheu o mundo com o Seu Espírito; a que pertencia o futuro glorioso e do triunfo final; Porque por ela a religião de uma nação exclusiva tinha sido transformada em uma religião para o mundo inteiro. 

fonte dicionario biblico hasting 1940 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Postado por mauricio berwald