Translate this Page

Rating: 2.4/5 (41 votos)




ONLINE
1




Partilhe este Site...



 

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter

site, pdf free, book download, 882822, get pdf, 726908, link, this site, pdf free, link 480251,

História da Macedonia
História da Macedonia

                                                Historia da Macedonia                      

 

 A seguir segue-se um breve resumo da história da Macedónia:

século VI - Conquista da região pelos eslavos

século VII - Conquista da região pelos búlgaros

1014 - Reconquista pelo Império Bizantino

século XIV - Conquista pelo Império Otomano

1893-1897 - desenvolvimento de movimentos (Bulgária) nacionalistas macedónios.

1903 - levante macedônio apoiado pela Bulgária foi rechaçado violentamente pelos turcos com a destruição de 105 vilas de macedónios eslavos.

1912-1913 - Guerra dos Balcãs, primeiro contra o Império Otomano pela divisão dos territórios e depois entre si (Bulgária contra Grécia, Sérvia, Romênia e Império Otomano, que a derrotaram), o que resultou na divisão do território macedónio entre gregos (região costeira) e sérvios (região central e norte da Macedónia).

1919-1939 - Período entre guerras - a Macedónia passou a fazer parte do Reino dos sérvios, croatas e eslovenos. Os sérvios da (Vardar)-Macedónia passaram a fazer parte do Estado Federal da Jugoslávia.

1945 - criação da República Socialista Federal da Jugoslávia. A Macedónia integrou o novo estado como uma de suas seis repúblicas constitutivas.

1991 - em 8 de setembro, um plebiscito decidiu pela separação da Macedónia da Jugoslávia.

1993 - em abril, a Macedónia foi admitida como membro da Organização das Nações Unidas, com o nome de "Antiga República Jugoslava da Macedónia".

 léxicos

mas -e -dō'ni -a (Μακεδονία, Makedonia, Μακεδών étnica, Makedon):

 

  1. AS PESSOAS macedónia e LAND 
  1. HISTÓRIA DA MACEDÓNIA 
  1. Philip e Alexander 
  1. Intervenção romana 
  1. conquista romana 
  1. Macedonia uma província romana 
  1. História Mais tarde 

III. PAUL E MACEDÔNIA 

  1. Paul Primeira Visita 
  1. Paul Segunda visita 
  1. Paul terceira visita

 

  1. visitas posteriores de Paulo 
  1. A IGREJA MACEDONIAN 
  1. Destaque da Mulher 
  1. Características marcantes
  2. Os seus membros

Um país que encontra-se para o Norte da Grécia, depois ampliada e formado em uma província romana; é a este último que o termo refere-se sempre, quando utilizados no novo testamento.

 

  1. As Pessoas macedónios e Land. 

Etnólogos diferem sobre a origem da raça macedônio eo grau de sua afinidade com os helenos. Mas nós encontramos uma tradição bem marcados nos tempos antigos que a corrida compreendia um elemento Helénica e um não-Helénica, embora Aryan, elemento, muito próxima à frígio e outras ações da Trácia. A raça dominante, os macedônios em sentido estrito do termo, incluindo a família real, que foi reconhecido como grego e traçou sua descida através da Temenids de Argos volta ao Heracles (Heródoto v. 22), se estabeleceram nas planícies férteis sobre menor Haliacmon (Karasu ou Vistritza) e Axius (Vardar), para o Norte e Noroeste do Golfo de Salónica. Sua capital, que era originalmente em Edessa ou Aegae (Vodhena), foi depois transferido para Pella por Filipe II. O outro e mais velhos elemento - o Lyncestians, Orestians, Pelagonians e outras tribos - foram empurradas de volta para o norte e para o oeste para as montanhas, onde eles lutaram para as gerações para manter a sua independência e enfraqueceram o Estado macedónio por levantes constantes e, fazendo causa comum com o hordas selvagens de Illyrians e trácios, com os quais encontramos os reis macedónios em conflito frequente. A fim de manter a sua posição que eles entraram em um bom entendimento de vez em quando com os estados da Grécia ou reconheceu a suserania temporariamente persa e, assim, gradualmente alargado a sua esfera de poder.

 

  1. História da Macedónia. 

Heródoto (viii. 137-39) traça a linhagem real de Perdiccas I através Argaeus, Philip I, Aéropo, Alcetas e Amintas I Alexander I, que era o rei na época das invasões persas da Grécia. Ele e seu filho e neto, Perdiccas 2 e Arquelau, fez muito para consolidar o poder macedônio, mas a morte de Arquelau (399 aC) foi seguido por 40 anos de desunião e fraqueza.

 

  1. Philip e Alexander: 

Com a adesão de Philip II, filho de Amintas II, em 359 aC, a Macedônia caiu sob o domínio de um homem poderoso tanto no corpo e na mente, um general capaz e um diplomata astucioso, um, além disso, que começou com uma clara percepção do final, na qual ele deve ter como objectivo, a criação de um grande exército nacional e um estado-nação, e trabalhou de forma consistente e incansavelmente durante todo o seu reinado de 23 anos para ganhar esse objeto. Ele soldadas as tribos macedónios em uma única nação, ganhou pela força e fraude as posições importantes de Amphipolis, Pydna, Potidaea, Olinto, Abdera e Maronea, e garantiu uma fonte abundante de ouro por fundar Philippi no site da Crenides. alargar progressivamente o seu domínio sobre os bárbaros e os gregos da mesma forma, ele finalmente, após a batalha de Chaeronea (338 aC), garantiu seu reconhecimento pelos próprios gregos como capitão-general dos estados helênicos e líder de uma cruzada Greco-macedônio contra a Pérsia. Na véspera deste projetada expedição oriental, no entanto, ele foi assassinado por ordem de sua mulher desonrada Olímpia (336 aC), cujo filho, Alexandre, o Grande, sucedeu ao trono. Depois de garantir seu domínio sobre a Trácia, Ilíria e na Grécia, Alexander virou-se para leste e, em uma série de campanhas brilhantes, derrubou o império persa. A batalha do Granicus (334 aC) foi seguido pelo envio ou subjugação da maior parte da Ásia Menor. Pela batalha de Issus (333), em que o próprio Darius foi derrotado, o caminho de Alexander foi aberto para a Fenícia e Egito; Darius 'segunda derrota, em Arbela (331), selou o destino do poder persa. Babilônia, Susa, Persépolis e Ecbatana foram tomadas, por sua vez, e Alexander, em seguida, pressionado para o leste através Hyrcania, Aria, Arachosia, Bactria e Sogdiana para a Índia, que ele conquistou, tanto quanto o Hífase (Sutlej): daí, ele retornou através Gedrósia, Carmania e Persis a Babilônia, a fazer os preparativos para a conquista da Arábia. Um esboço de sua carreira é dada em 1 Macabeus 1: 1-7, onde ele é falado como "Alexandre, o macedônio, filho de Filipe, que saiu da terra do Chittim" (1: 1): a invasão do Persia também é referido no 1 Macabeus 6: 2, onde ele é descrito como "o rei da Macedônia, que reinou em primeiro lugar entre os gregos", ou seja, o primeiro que se uniram em um único império todos os estados gregos, exceto aqueles que colocam à oeste do Adriático. É a concepção do poder macedônio como o inimigo mortal da Pérsia, que é responsável pela descrição de Hamã em Adições ao Esther 16:10 como um macedônio, "um estrangeiro na verdade a partir do sangue persa", e para a atribuição a ele de um plano para transferir o império persa para os macedônios (versículo 14), e este mesmo pensamento aparece na prestação da Septuaginta do Agagite hebraico (אגגי, 'ăghāghı̄) em Esther 9:24 com macedónio (Makedon).

 

  1. Intervenção romana: 

Alexandre morreu em junho de 323 aC, e seu império caiu uma presa para as rivalidades de seus principais generais (1 Macabeus 1: 9); após um período de luta e caos, três reinos poderosos foram formados, tendo os seus nomes da Macedônia, Síria e Egito. Mesmo na Síria, no entanto, influências macedónios manteve-se forte, e nós encontramos tropas macedônias no serviço dos monarcas selêucidas (2 Macabeus 8:20). Em 215 o rei Filipe V, filho de Demétrio 2 e sucessor de Antígono Doson (229-220 aC), formou uma aliança com Hannibal, que tinha derrotado as forças romanas no lago Trasimeno (217) e em Canas (216), e definir sobre tentando recuperar Ilíria. Depois de alguns anos de guerra inconstante e indecisa, a paz foi concluída em 205, Philip se ligarem a abster-se de atacar as possessões romanas no leste do Adriático. A Segunda Guerra Macedônica, causada por um ataque combinado de Antíoco 3 da Síria e Filipe da Macedônia no Egito, eclodiu em 200 e terminou 3 anos depois na derrota esmagadora das forças de Filipe por T. Quinctius Flamininus em Cynoscephalae na Tessália (compare 1 Macabeus 8: 5). Pelo tratado que se seguiu esta batalha, Philip rendeu suas conquistas na Grécia, Ilíria, Trácia, Ásia Menor e do Mar Egeu, desistiu de sua frota, reduziu seu exército para 5.000 homens, e comprometeu-se a declarar nenhuma guerra e concluir nenhuma aliança sem o consentimento Roman .

 

  1. Roman Conquest: 

Em 179 Philip foi sucedido por seu filho Perseus, que ao mesmo tempo renovou a aliança romana, mas a trabalhar para consolidar e ampliar seu poder. Em 172 guerra novamente eclodiu, e depois de várias Roman inverte o cônsul Lucius Aemilius Paulus derrotado decisivamente os macedônios em Pydna em 168 aC (compare 1 Macabeus 8: 5, onde Perseus é chamado de "rei de Chittim"). O reinado foi abolido e Perseus foi banido para a Itália. Os macedônios foram declarados livre e autónoma; sua terra foi dividida em quatro regiões, com os seus capitais em Amphipolis, Tessalônica, Pella e Pelagonia respectivamente, e cada um deles foi governado por seu próprio conselho; foram proibidos commercium e connubium entre eles, o ouro e minas de prata foram fechados. Um tributo deveria ser pago anualmente ao tesouro romano, no valor de metade do imposto sobre a terra, até então exigido pelos reis macedónios.

 

  1. Macedonia uma província romana: 

Mas este compromisso entre a liberdade e sujeição não poderia ser de longa duração, e após a revolta de Andrisco, o pseudo-Philip, foi debelada (148 aC), Macedónia foi constituída uma província romana e ampliada pela adição de partes da Ilíria, Epirus , as ilhas jônicas e Tessália. A cada ano, um governador foi enviado de Roma com poderes judiciais militar supremo e; a partição caiu em desuso e comunicação no interior da província foi melhorada com a construção da Via Egnatia de Dyrrhachium a Tessalônica, onde foi depois continuou em direção ao leste ao Nestus eo Helesponto. Em 146 o Acheans, que havia declarado guerra contra o Roma, foram esmagados por P. Cecílio Metelo e L. Múmio, Corinto foi saqueada e destruída, a liga Achean foi dissolvido, e na Grécia, com o nome de Achea, foi feita uma província e colocado sob o controle do governador da Macedónia. Em 27 aC, quando a administração das províncias foi dividido entre Augustus e do Senado, Macedónia e Achea caiu para a parte do último (Estrabão, p 840;. Dio Cassius liii 12.) E foram governados separadamente por ex-pretores enviados anualmente com o título de procônsul. Em 15 dC, no entanto, a má gestão senatorial tinha trazido das províncias para a beira da ruína, e eles foram transferidos para Tibério (Tácito, Anais, i. 76), que os uniu sob o governo de um pro praetore legatus Augusti até que, em 44 AD, Claudius restaurado-los para o Senado (Suetônio, Cláudio 25; Dio Cassius 60 .24). É devido a esta conexão histórica e geográfica próxima que encontramos Macedónia e Achia frequentemente mencionados juntos no Novo Testamento, a Macedónia ser sempre colocado em primeiro lugar (Atos 19:21; Romanos 15:26, 2 Coríntios 9: 2; 1 Tessalonicenses 1: 7, 1 Tessalonicenses 1: 8).

 

  1. História Mais tarde: 

Diocleciano (284-305 AD) separada da Macedônia Tessália e as terras da costa da Ilíria e formou-os em duas províncias, o último sob o nome de Epirus Nova. Perto do final do século 4 que restava da Macedónia foi dividido em duas províncias, Macedónia prima e Macedónia Secunda ou Salutaris, e quando em 395 o mundo romano foi dividido em impérios ocidentais e orientais, Macedónia foi incluído neste último. Durante os próximos anos foi invadida e saqueada pelos godos sob Alarico, e mais tarde, na segunda metade do século 6, um número imenso de eslavos se estabeleceram lá. No século 10 uma grande parte do que era sob o domínio da Bulgária, e depois colônias de várias tribos asiáticas foram assentadas ali pelos imperadores bizantinos. Em 1204, tornou-se um reino Latina sob Boniface, marquês de Monferrat, mas 20 anos mais tarde Theodore, o déspota grego de Epirus, fundou um império grego de Tessalônica. Durante a segunda metade do século 14 a maior parte do que era parte dos domínios Servian, mas em 1430 Tessalônica caíram diante dos turcos otomanos, ea partir desse momento até o ano de 1913 Macedónia formou parte do império turco. Sua história representa, assim, o caráter muito misturado de sua população, que consiste principalmente de turcos, albaneses, gregos e búlgaros, mas tem em si um elemento considerável de judeus, ciganos, Vlachs, Servians e outras raças.

 

III. Paul e Macedónia. 

Na narrativa de viagens de Paulo como nos dado em Atos 13 a 28 e nas Epístolas Paulinas, Macedonia desempenha um papel proeminente. As relações do apóstolo com as igrejas de Filipos, Tessalônica e Berea será encontrado discutido sob essas várias posições; aqui vamos simplesmente contar em linhas gerais as suas visitas à província.

 

Primeira Visita 1. de Paulo: 

Em sua segunda viagem missionária Paulo chegou a Trôade, e de lá navegou com Silas, Timóteo e Lucas para Neapolis, o porto macedônio mais próximo, em obediência à visão de um macedônio (a quem Ramsay se identifica com Luke: ver a palavra "Philippi" ) instando-o a cruzar a Macedônia e pregar o evangelho lá (Atos 16: 9). De Neapolis ele viajou para o interior para Filipos, que é descrito como "uma cidade da Macedónia, a primeira do distrito" (Atos 16:12). Daí Paul e seus dois companheiros (por Lucas parece ter permanecido em Filipos para os próximos 5 anos) viajou ao longo da estrada inaciana, passando por Anfípolis e Apolônia, a Tessalônica, que, apesar de uma "cidade livre", e, portanto, tecnicamente isento de a jurisdição do governador romano, foi praticamente a capital provincial. dali conduzido pela hostilidade dos judeus, os evangelistas pregado em Berea, onde Silas e Timóteo ficaram por um tempo curto depois de um novo surto de hostilidade judaica forçou Paul a sair Macedónia para a província vizinha de Achaia (Atos 17:14). Embora ele enviou uma mensagem aos seus companheiros para se juntar a ele com toda a velocidade em Atenas (Atos 17:15), mas tão grande era a sua ansiedade para o bem-estar das igrejas da Macedônia recém-fundadas de que ele enviou Timóteo de volta à Tessalônica quase imediatamente (1 Tessalonicenses 3: 1, 1 Tessalonicenses 3: 2), e, talvez, Silas para alguma outra parte da Macedónia, nem eles novamente se juntar a ele até depois que ele se tinha estabelecido há algum tempo em Corinto (Atos 18: 5; 1 Tessalonicenses 3: 6). A rápida expansão da fé cristã na Macedônia neste momento pode ser julgada a partir das frases usadas por Paulo em sua primeira Epístola aos Tessalonicenses, a mais antiga de suas cartas existentes, escrito durante esta visita a Corinto. Ele não fala da Tessalônica converte como sendo um exemplo "para todos os crentes na Macedônia e na Acaia" (1 Tessalonicenses 1: 7), e ele elogia o seu amor "para com todos os irmãos que estão por toda a Macedônia" (1 Tessalonicenses 4 : 10). Ainda mais impressionante são as palavras, "Do que você tem soou adiante a palavra do Senhor, não somente na Macedônia e Acaia, mas em todos os lugares a vossa fé para com Deus se divulgou" (1 Tessalonicenses 1: 8).

 

Segunda visita 2. de Paulo: 

Em sua jornada 3missionary, o apóstolo paga mais duas visitas a Macedónia. Durante o curso de uma longa estadia em Éfeso ele lançou planos para uma segunda viagem pela Macedônia e Acaia, e despachou dois de seus ajudantes, Timóteo e Erasto, para Macedónia para se preparar para sua visita (Atos 19:21; Atos 19:22) . Algum tempo mais tarde, após o tumulto em Éfeso levantada por Demétrio e seus companheiros de ourives (Atos 19: 23-41), o próprio Paulo partiu para Macedónia (Atos 20: 1). Desta visita Lucas nos dá uma descrição muito sumária, nos dizendo apenas que Paul ", quando ele tinha andado por aquelas regiões, e que tinha dado muita exortação, ... veio à Grécia" (Atos 20: 2); mas a partir de 2 Coríntios, escrita da Macedônia (provavelmente de Philippi) durante o curso desta visita, aprendemos mais de movimentos e sentimentos do apóstolo. Enquanto em Éfeso, Paulo mudou seus planos. Sua intenção em primeiro lugar tinha sido a viajar por todo o Mar Egeu a Corinto, para fazer uma visita de lá para Macedónia e para voltar a Corinto, de modo a navegar direto para a Síria (2 Coríntios 1:15, 2 Coríntios 1:16). Mas, no momento em que ele escreveu a primeira epístola aos Coríntios, provavelmente perto do fim de sua estada em Éfeso, ele tinha feito a sua mente para ir a Corinto por meio da Macedónia, como já vimos que ele realmente fez (1 Coríntios 16: 5, 1 Coríntios 16: 6). A partir de 2 Coríntios 2:13 aprendemos que ele viajou de Éfeso para Trôade, onde ele esperava encontrar Tito. Tito, no entanto, não foi ainda chegar, e Paulo, que "não tinha alívio para (seu) espírito", deixou Trôade e partiu para a Macedônia. Mesmo aqui, a mesma inquietação perseguia: "lutas sem, temores por dentro" o oprimia, até a presença de Tito trouxe algum alívio (2 Coríntios 7: 5, 2 Coríntios 7: 6). O apóstolo também foi aplaudido pela "graça de Deus que havia sido dada às igrejas da Macedônia" (2 Coríntios 8: 1); no meio da severa perseguição, eles levavam seus ensaios com alegria abundante, e sua profunda pobreza não impedi-los implorando para ser autorizado a levantar uma contribuição para enviar para os cristãos em Jerusalém (Romanos 15:26, 2 Coríntios 8: 2- 4). Liberalidade foi, de fato, desde o início, uma das virtudes características das igrejas da Macedônia. Os filipenses havia enviado dinheiro para Paul em duas ocasiões durante sua primeira visita a Tessalônica (Filipenses 4:16), e novamente quando ele tinha deixado Macedónia e estava hospedado em Corinto (2 Coríntios 11: 9; Filipenses 4:15). Nesta ocasião, no entanto, os coríntios parecem ter tomado a liderança e ter preparado a sua recompensa no ano anterior, por conta de que os orgulha apóstolo deles para os cristãos macedônios (2 Coríntios 9: 2). Ele sugere que em sua visita se aproximando para a Acaia, ele pode ser acompanhado por alguns desses macedônios (2 Coríntios 9: 4), mas se isso era realmente o caso não nos é dito.

 

Terceira Visita 3. de Paulo: 

O 3visit de Paulo à Macedônia ocorreu cerca de 3 meses depois e foi ocasionada por uma conspiração contra sua vida colocada pelos judeus de Corinto, que o levaram a alterar o seu plano de vela de Cencréia, o porto oriental de Corinto, para a Síria (2 Corinthians 01:16; Atos 20: 3). Ele voltou para a Macedônia acompanhada, tanto quanto a Ásia por 3 cristãos macedônios - S opater, Aristarco e Segundo - e por 4 da Ásia Menor. Provavelmente Paul tomou a rota conhecida pela Via Egnatia, e chegou a Filipos imediatamente antes dos dias dos pães ázimos; seus companheiros o precedeu a Trôade (Atos 20: 5), enquanto ele próprio permaneceu em Filipos até depois da Páscoa (quinta-feira, 7 de abril de 57 dC, de acordo com a cronologia de Ramsay), quando ele partiu de Neapolis juntamente com Luke, e se juntou ao seu amigos em Trôade (Atos 20: 6).

 

  1. visitas posteriores de Paulo: 

Perto do fim de sua primeira prisão em Roma Paulo planejava uma nova visita à Macedónia logo que ele deve ser liberado (Filipenses 1:26; Filipenses 2:24), e mesmo antes que ele pretendia enviar Timóteo para visitar a igreja de Filipos e sem dúvida, aqueles de Berea e Tessalônica também. Se Timóteo foi realmente sobre esta missão, não podemos dizer; que o próprio Paul voltou para Macedonia, uma vez mais aprendemos a partir de 1 Timóteo 1: 3, e podemos inferir uma 5ª visita da referência à estadia do apóstolo em Trôade, que com toda a probabilidade pertence a uma ocasião posterior (2 Timóteo 4:13 ).

 

  1. A Igreja da Macedônia. 
  1. Destaque da Mulher: 

Das igrejas da Macedônia, em geral, pouco precisa ser dito aqui. Um fato marcante é a proeminência neles das mulheres, que é provavelmente devido à posição social mais elevada ocupados por mulheres nesta província que na Ásia Menor (Lightfoot, Philippians4,55 ff). Nós encontramos apenas duas referências às mulheres em conexão com o trabalho missionário anterior de Paulo; as mulheres prosélitos de alta posição social tomar uma participação na condução lo de Antioquia da Pisídia (Atos 13:50), e a mãe de Timóteo é mencionado como uma judia que acreditavam (Atos 16: 1). Mas na Macedônia tudo está mudado. Para as mulheres o evangelho foi pregado primeiro em Filipos (Atos 16:13); uma mulher foi o primeiro convertido ea anfitriã dos evangelistas (Atos 16:14, Atos 16:15); uma escrava foi restaurado à sanidade mental pelo apóstolo (Atos 16:18), e muito tempo depois Paulo menciona duas mulheres como tendo "trabalhou com (ele) no evangelho", e como pôr em perigo a paz da igreja, por sua rivalidade ( Filipenses 4: 2, Filipenses 4: 3). Em Tessalônica um número considerável de mulheres da primeira fila aparecem entre os primeiros convertidos (Atos 17: 4), enquanto em Berea também a igreja incluídos a partir das inúmeras mulheres gregas início da alta posição (Atos 17:12).

 

  1. Características marcantes: 

O laço que une Paulo e os cristãos macedônios parece ter sido um peculiarmente próxima e afetuosa. Sua generosidade e coração aberto, a sua alegria e paciência em provas e perseguições, a sua actividade na difusão da fé cristã, o amor dos irmãos - estas são algumas das características que Paul especialmente elogia neles (1,2 Tessalonicenses; Filipenses ; 2 Coríntios 8: 1-8), enquanto eles também parecem ter sido muito mais livre do que as igrejas da Ásia Menor de tendências judaizantes e das seduções de "filosofias e vãs sutilezas".

 

  1. Os seus membros: 

Sabemos os nomes de alguns dos primeiros membros das igrejas da Macedônia - S opater (Atos 20: 4) ou Sosípatro (Romanos 16:21: a identificação é um provável, embora não certo, um) de Berea; Aristarco (Atos 19:29; Atos 20: 4; Atos 27: 2; Colossenses 4:10; Filipenses 1:24), Jason (Atos 17: 5-9; Romanos 16:21) e Segundo (Atos 20: 4 ) de Tessalônica; Clement (Filipenses 4: 3), Epafrodito (Filipenses 2:25; Filipenses 4:18), Euodia (Filipenses 4: 2; isto, não Evódia (King James Version), é a verdadeira forma), Síntique (mesmo lugar) , Lídia (Atos 16:14, Atos 16:40; natural de Tiatira), e possivelmente Lucas (Ramsay, St. Paul do Traveler, 201 ff) de Filipos. Caio é também mencionado como um macedônio, em Atos 19:29, mas talvez a leitura de alguns manuscritos Μακεδόνα é preferível ao Textus Receptus de Μακεδόνας do Novo Testamento caso em que Aristarco por si só seria um macedônio, e este Gaius provavelmente ser idêntico ao Gaio de Derbe mencionado em Atos 20: (.. Ramsay, op cit, 280) 4 como um companheiro de Paulo.(dic. Standard 1915). 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com 

Postado por mauricio berwald