Translate this Page

Rating: 2.5/5 (77 votos)




ONLINE
2




Partilhe este Site...



 

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


HISTORIA DE ISRAEL (1)
HISTORIA DE ISRAEL (1)

                                             HISTORIA DE ISRAEL                                                                         Artigo Mauricio Berwald 

                                                 Israel, História do Povo

 

Introdutório 

O chefe e melhor fonte a partir da qual podemos aprender que este povo foi e qual foi a sua história é a própria Bíblia, especialmente o Antigo Testamento, que nos conta a história deste povo desde seus primórdios.

 

(1) O Antigo Testamento 

As origens de Israel são narrados em Gênesis; o estabelecimento da teocracia, em outros livros do Pentateuco; a entrada em Canaã, no Livro de Josué; o período que precede os reis, no Livro dos Juízes; o estabelecimento da monarquia e seu desenvolvimento, nos Livros de Samuel, e os capítulos dos livros de Reis de abertura, que relatório este último também a divisão em dois reinos ea história deles até sua derrubada. Os livros das Crônicas conter, em paralelo com os livros já mencionado, um levantamento do desenvolvimento histórico desde Adão até o cativeiro babilônico, mas limitar essa conta para teocrática centro desta história e de sua esfera. Conectado com Chronicles são encontrados os pequenos livros de Esdras e Neemias, o que provavelmente originalmente constituíam uma parte de Crônicas, mas que passam sobre o Exílio e começar de uma vez com a história do retorno.

 

 Então, também, estes dois livros contêm apenas certos episódios da história do Retorno, que eram de importância para a restauração da teocracia judaica, de modo que a história encontrada neles é nada, mas completa. Com o século 5 aC a narrativa bíblica fecha completamente. Para os séculos seguintes temos nada, mas alguns dados dispersos; mas para o segundo século pré-cristã, temos uma nova fonte nos livros dos Macabeus, que dão uma conta conectada das lutas e do Estado dos Asmoneans, que atingem, no entanto, apenas 174-135 aC.

 O valor histórico dos livros do Antigo Testamento é tanto maior quanto mais perto o narrador ou suas fontes ficar no ponto de tempo para os eventos que são gravados; por exemplo. o conteúdo dos livros dos Reis têm em geral um maior valor como fontes históricas do que o que é relatado nos Livros de Crônicas, escritos em um período muito mais tarde. No entanto, é possível que um cronista mais tarde poderia ter feito uso de fontes antigas que narradores anteriores tinham falhado a empregar. Este é o verdadeiro estado das coisas em conexão com um número considerável de matérias relatadas pelos cronistas bíblicos, que complementam os extractos extremamente escassos fornecidos pelo autor dos livros dos Reis. Então, ainda mais, os livros dos profetas possuem um extraordinário valor como fontes históricas para a razão especial que eles forneçam ilustrações da situação histórica e eventos dos lábios de contemporâneos. Como exemplo, pode referir-se à condição florescente externamente o reino de Judá sob o rei Uzias, a respeito da qual os livros de Reis relatório praticamente nada, mas de qual Crônicas dar detalhes, que são confirmadas pelo testemunho de Isaías.

  

(2) Jose 

A conta conectada da história de Israel foi decorado por Flavius ​​Josephus. Sua obra intitulada Antiguidades Judaicas, no entanto, na medida em que a confiabilidade está em causa, é novamente consideravelmente inferior aos livros das Crônicas, uma vez que as tradições posteriores dos judeus a uma ainda maior medida influenciou sua conta. Só nos casos em que ele poderia fazer uso de fontes mais antigas estrangeiros, como o egípcio Manetho ou autores fenícios, que ele nos fornecer material valioso. Então, para os últimos séculos anteriores de sua idade, ele preenche uma determinada necessidade. Especialmente é ele o melhor autoridade para os eventos que ele próprio passou por e que ele relata em seu trabalho sobre as guerras judaicas, mesmo que ele não está livre de certos preconceitos pessoais (ver JOSEPHUS, FLAVIUS). 

 Para os usos e costumes dos tempos mais tarde judaica tradições depositados no Talmud estão também a ser considerado. Muito menos do que Jose pode qualquer valor histórico devem ser creditadas ao judeu Alexandrino, Philo. Os autores estrangeiros, por exemplo, o grego e os historiadores latinos, contêm dados apenas para a história das nações ao redor de Israel, mas não para o início da história de Israel.

  

(3) Os Monumentos  

Por outro lado, o início da história de Israel foi maravilhosamente enriquecido nos últimos tempos através dos testemunhos dos monumentos. Na própria Palestina achados em dados históricos e monumentos têm sido, até ao momento, bastante escassa. No entanto, as escavações nos sítios da antiga Tamanaque, Megido, Jerico, Gezer e Samaria trouxeram material importante para a luz, e temos razões para olhar para novas descobertas arqueológicas e literárias, que pode lançar uma luz clara sobre muitos pontos que permaneceram escuro e incerto. Também em terras em redor Palestina, documentos importantes (a pedra moabita; inscrições fenícias) já foram encontrados. Especialmente tem a descoberta e interpretação dos monumentos encontrados no Egito, Babilônia e Assíria muito materialmente avançado nosso conhecimento da história de Israel.

 

 Não só tem a conexão da história deste povo com história universal foi claramente iluminado por esses achados, mas a história da própria Israel ganhou em realidade tangível. Em algumas questões de detalhe, as idéias tradicionais deram lugar a concepções mais claras; por exemplo. a cronologia do Velho Testamento, através de pesquisa Assyriological, foi definido sobre uma base mais segura. Mas apesar de tudo, estas descobertas arqueológicas têm confirmado a confiança que foi colocada nas fontes históricas bíblicas. 

 

  1. caráter religioso da História 

 

É verdade que as regras aplicadas a história profana não pode, sem modificação, ser aplicado aos escritos históricos dos hebreus. Os narradores bíblicos estão preocupados com algo mais do que a preservação de fatos históricos e dados. Tão-pouco é o seu propósito de glorificar o seu povo ou os seus dirigentes, como isso é feito nas lápides do egípcio a Assíria, e os reis babilônicos. Olhou apenas do ponto de vista da história profana, há muitas omissões nos livros históricos do Antigo Testamento que são encontrados censurável. Às vezes, períodos inteiros são passados ​​mais ou tratados de forma muito breve. Então, também, o pragmatismo político, a ligação secular nos movimentos das nações e eventos históricos, são muitas vezes mal mencionado. O ponto de vista do escritor é o religioso. Este aparece no fato de que esta história começa com a criação do mundo e relata as tradições primitivas sobre a origem da humanidade e sua história mais antiga, à luz da revelação do Deus de Israel, e que torna esta história nacional um membro em o desenvolvimento histórico geral da humanidade. Também não foi este primeiro feito pelo autor do Pentateuco, na sua forma atual. As diferentes fontes documentais já foram encontrados combinados no Pentateuco, ou seja, E (Elohist), J (Jahwist) e P (Código Sacerdotal), retratam a história de Israel de acordo com o plano que o Criador do mundo teve com este povo.

  Além disso, quando narram as vicissitudes nacionais de Israel, os escritores estão preocupados principalmente para expor claramente a orientação providencial de Deus. Eles dão especial destaque para os eventos em que a mão de Deus se manifesta, e descrever com pormenor a vida dos agentes de que o Senhor fez uso, a fim de guiar Seu povo, como Moisés, Samuel, David, Salomão e outros. Mas não é a glória de estes mesmos que os escritores buscam descrever, mas sim a sua importância para a grandeza espiritual e religiosa de Israel. Notemos, a este respeito somente a extrema brevidade com que as guerras politicamente bem-sucedidos de David são relatados em 2 Samuel; e como fragmentários são os avisos em que o autor dos livros dos Reis relata os reinados dos reis diferentes; e como ele se refere brevemente para todos os outros detalhes desses reis aos livros que, infelizmente, foram perdidos para nós. Mas, por outro lado, quão cheio são os detalhes quando a Bíblia nos dá o seu relato da história no início de um Samuel ou de um David, em que a orientação providencial e proteção do Senhor aparecer em uma forma tão tangível; ou quando descreve a construção do templo por Salomão, de modo Época de tomada para a história religiosa de Israel, ou a atividade de tais profetas principais como Elias e Eliseu. 

 Muito menos as ações do homem do que os feitos de Deus no meio do Seu povo constituem tema dos narradores. Esses fatos explicam, também, a imparcialidade fenomenal, de outra forma desconhecida em literaturas antigas, com as quais os pontos fracos e as falhas dos ancestrais e reis de Israel são relatados pelos escritores bíblicos, mesmo no caso de os seus reis mais reverenciados, ou com as quais mesmo as mais vergonhosas derrotas das pessoas são narrados.

 Não pode de fato ser negado que esta característica religiosa e fundamental não é encontrada no mesmo grau em todos os livros e fontes. As narrativas mais antigas relativas Jacob, Joseph, os juízes, David e outros revelam uma naturalidade ingênua e infantil, enquanto nos Livros de Crônicas apenas aquelas coisas tenham sido admitidos que estão em harmonia com o culto regular. As histórias de um Sansão, Abimeleque, Barak, e os outros nos impressionar muitas vezes como os mitos ou histórias de heróis antigos, tais como encontramos nas tradições de outras nações. Mas o autor do Livro dos Juízes, que escreveu a introdução para o trabalho, descreve toda a história do ponto de vista da edificação. E quando analisada de perto, verifica-se que o elemento religioso não falta, mesmo na narrativa primitiva e ingênua Antigo Testamento. Este facto foi, desde o início, uma característica única do povo e sua história. 

 Para este fator Israel devia sua individualidade e existência como um povo separado entre as nações. Mas no decorrer do tempo tornou-se cada vez mais consciente de sua missão de ser o povo do Senhor na terra, e ele aprendeu a entender toda a sua história a partir deste ponto de vista. Assim, qualquer conta da história de Israel deve prestar especial atenção ao seu desenvolvimento religioso. Para o significado desta história está para nós neste, que constitui a preparação para a maior revelação de Cristo Jesus. No seu núcleo mais profundo do kernel e é a história da redenção da humanidade. Isso é que dá a esta história o seu caráter fenomenal.

 As pessoas e os eventos que constituem esta história não deve ser medido pelos padrões da vida cotidiana. Se nessa história encontramos as atividades providenciais de Deus operatório viver de uma forma única, este não precisa de nos parecer estranho, já que também o fruto completa dessa evolução histórica, nomeadamente do aparecimento de Jesus Cristo, transcende, de longe, o curso normal da história humana. Por outro lado, esta história de Israel não é para ser considerado como um simples elemento isolado. Pesquisas modernas têm mostrado quão intimamente esta história foi entrelaçada com a de outras nações. Já, entre as formas religiosas do Antigo Testamento e os de outros povos semitas, não foram encontradas muitas relações.

  Expressões religiosas e formas de adoração entre os israelitas mostram frequentemente na linguagem e no culto uma semelhança com os dos antigos cananeus, dos fenícios, os sírios, os babilônios e os egípcios. Mas é um erro acreditar que a história e a religião de Israel são apenas um descendente do babilônico. Como os israelitas agarrado tenazmente a sua vida nacional, mesmo quando eles foram cercados por nações poderosas, ou sequer foram espalhados entre estas nações, como no exílio, portanto, também a sua religião, pelo menos em seus representantes oficiais, tem sido capaz em todos os momentos para preservar a alta originalidade e independência sob a influência do Espírito Divino, que encheu.

  

  1. Origens de Israel, no pré-Mosaica Vezes 
  1. Original Início  

Os israelitas sabiam em todos os momentos que Canaã não era seu lar original, mas que os seus antepassados ​​haviam imigrado para esta terra. Qual foi a sua mais cedo e mais cedo para casa? A tradição afirma que imigraram de Haran no vale do Eufrates superior. Mas afirma-se que eles vieram para Haran de Ur dos Caldeus, ou seja, a partir de uma cidade no sul da Babilônia, agora chamado Mugheir. Esta cidade de Ur, agora bem conhecido de inscrições babilônicas, certamente não era a casa original dos antepassados ​​de Israel. Eles sim pertenciam a uma tribo puramente semita, que haviam encontrado o caminho do norte da Arábia para estes distritos. A confirmação marcante dessa visão é encontrada em uma imagem mural na rocha-túmulos de Benihassan no Alto Egito. Os estrangeiros, dos quais fotos estão aqui dadas (a partir do momento da 12ª dinastia), chamados de Amu, nomeadamente beduínos do norte Saudita ou da península do Sinai, mostra essas fisionomias judeus indiscutíveis que eles devem ter sido estreitamente relacionados com o estoque de Abraão . Então, também, o líder da caravana, Ebsha'a (Abisua), tem um nome formado apenas como a de Abraão. Quando, em tempos posteriores, Moisés fugiu para o país dos midianitas, ele, sem dúvida, foi recebido por esses parentes tribais.

  

  1. Etnográfico de Origem

 

Os israelitas em todos os momentos estabelecidas estresse sobre sua conexão etnográfico com outras nações. Eles sabiam que eles estavam intimamente relacionadas a um grupo de povos que têm o nome de Hebreus. Mas eles traçaram sua origem ainda mais para trás ao fundador tribal, Shem. Lingüística e etnologia confirmam, em geral, a ligação mais estreita entre as tribos semitas mencionados em Gênesis 10:21. Inegável é esta conexão nos casos de Assur, Aram, e as diferentes tribos árabes. Um grupo mais restrito de semitas é chamado de Hebreus. Este termo é usado em Gen num sentido mais amplo da palavra do que é o caso nos tempos mais tarde, quando foi empregada como sinônimo de Israel. De acordo com sua etimologia, a palavra significava "aqueles que estão além", aqueles que vivem do outro lado do rio ou ter vindo do outro lado.

 O rio significava não é a Jordânia, mas o Eufrates. Sobre o mesmo tempo que os antepassados ​​de Israel estavam imigrando para Canaã e Egito, outras tribos também emigraram para o oeste e foram chamados, pelos cananeus e pelos egípcios, 'ibhrı̄m. Este prazo é idêntico ao Ḥabiri, encontrado nas Tell el-Amarna letras, em que seja apresentada reclamação sobre as incursões de tais tribos. Os israelitas não pode ter sido feito aqui, mas tribos são relacionados. Possivelmente o Apriu egípcio é a mesma palavra.

 patriarcais origens e história 

Os israelitas declararam que eram descendentes de uma família particular. Por conta da carater patriarcal de sua vida tribal de idade, não é uma questão de dúvida de que, como um fato, a tribo fez crescer fora de uma única família. O pai tribal, Abraão, foi sem dúvida o chefe da tribo pequena, que através de sua grande família de filhos desenvolvido em diferentes tribos. Só não podemos esquecer que essa tribo poderia rapidamente ser ampliada, recebendo em ele também servos e clientes (compare Gênesis 14:14). 

 Estes últimos mencionados também considerado o chefe da tribo como seu pai e se consideravam como seus "filhos", sem realmente estar seus descendentes. Possivelmente, a tribo que imigrou primeiro a Haran e de lá para Canaã era já mais numerosos do que parece ser o caso de acordo com a tradição, que leva em consideração apenas as principais personalidades. Em segundo lugar, devemos lembrar que os israelitas, por causa de sua vida patriarcal, tinha se acostumado a vestir todas as relações de nações às nações no esquema da família. Desta forma, tais genealogias de nações como são encontrados em Gênesis 10 e 11 originou. Aqui povos, cidades e países também foram colocados nas genealogias, sem que o autor se pensando de pessoas individuais, a este respeito, que tinha dado os nomes, por exemplo, de Mizraim (Egito), Gush (Etiópia), etc., e foram, na verdade, filhos de Cão.

  O propósito da genealogia desta forma é a de expressar apenas a relação remoto mais perto ou mais ou a conexão a um grupo de nações. Genesis 25: 1 também é um exemplo revelador, que mostra como de forma independente estes grupos estão unidos. A nova esposa (Quetura) não faz a este lugar apto para a história da família de Abraão. Mas o escritor ainda quer fazer menção de um grupo árabe, que também foi relacionado a Israel pelo sangue, mas na verdade estava mais distante dos israelitas do que os ismaelitas. Fora de mais este desenvolvimento sistemático da tradição viva, no entanto, uma dificuldade surge. Não é em todos os lugares fáceis, na verdade nem sempre é possível, traçar a linha entre o que é tradição confiável e que é uma continuação mais livre.

  Mas é uma má interpretação da situação histórica, quando toda a história dos patriarcas é declarado para ser incrível, e quando em tais personalidades bem definidas como Abraão, Jacó, José, e outros, apenas personificações de tribos são encontrados, a história mais tarde dos quais tribos é dito ser incorporada na vida desses homens; por exemplo. o nome Abraão não pode ter sido o nome impessoal de uma tribo ou de um deus. Pode ser encontrada como o nome de uma pessoa em idade comprimidos babilônicos (Abu Ramu); mas originalmente na tribo nômade, sem dúvida, foi pronunciado "Abhi RAM, ou seja," Meu pai (Deus) é exaltado. " O mesmo é verdadeiro para o nome de Jacob (realmente Jakob-el); comparar Joseph (Joseph-el), Ismael, e outros, que encontram suas analogias em nomes árabes antigas.

fonte Internacional Standard Bible Encyclopedia, 1950

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com.br

Postado por mauricio berwald