Sites Grátis no Comunidades.net
Translate this Page

Rating: 2.5/5 (83 votos)




ONLINE
1




Partilhe este Site...



 

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


HISTORIA DE ISRAEL (3)
HISTORIA DE ISRAEL (3)

                                               (3) A entrada em Canaã  

                                              Artigo Mauricio Berwald

 

Era Josué, sucessor de Moisés, que foi habilitado para terminar o trabalho e tomar posse da terra. Não muito longe de Jericó, ele levou o povo ao longo do Jordão e capturou esta cidade, que tinha sido considerado inexpugnável. Depois disso, com o seu exército nacional, ele conquistou os habitantes cananéias em diversas batalhas decisivas, perto de Gibeão e às águas de Merom, e depois voltou e acamparam em Gilgal na Jordânia. 

 Depois disso, ele avançou com a sua tribo de Efraim para o coração da terra, enquanto as tribos do sul da sua parte forçou seu caminho para os distritos que lhes forem atribuídas. Sem razões dessa conta tem sido atacada como não confiáveis, e os críticos têm pensado que originalmente as diferentes tribos, por sua própria iniciativa, seja pacificamente ou pela força, tinha ocupado suas terras. Mas é totalmente natural supor que os habitantes do país que haviam se aliado a resistir a esta ocupação por Israel, teve primeiro a ser feito submisso através de várias derrotas decisivas, antes que iria permitir a entrada das tribos de Israel, que entrada conformidade muitas vezes teve lugar sem uma luta séria. Que a ocupação da terra não estava completo é mostrado em detalhes no Juízes 1. 

 Também nesses distritos em que Israel tinha ganhado a mão superior, eles geralmente não travar a guerra de aniquilação que Moisés tinha ordenado, mas estavam contentes com tornando o cananeus, ao lado dos quais se estabeleceram, Escravos e assuntos. Essa relação poderia, em momento posterior, facilmente ser revertida, especialmente naqueles casos em que os habitantes originais do país estavam em maioria. Então, também, deve ser lembrado que esta última se um estado mais elevado de civilização do que os israelitas. Foi nesse sentido uma questão fácil para os israelitas a adotar os costumes e as idéias dos cananeus.  

Mas se isto fosse feito, sua religião também estava em perigo. Juntamente com os sagrados "lugares santos" ( Bamote ) Dos habitantes originais, os altares e os santuários não encontrados também entrou na posse dos israelitas. Entre eles havia alguns que tinha sido sagrado para os antepassados ​​de Israel, e com a qual memórias antigas foram associadas. Como consequência, ele prontamente ocorreu que Israel apropriou também símbolos antigos e cerimônias religiosas, e até mesmo a Baal ea Astartes-se, no entanto pouco isso poderia ser unidos, em princípio, com o serviço do Senhor. Mas, se os israelitas perderam a sua religião original, em seguida, sua conexão com as tribos aparentadas e sua independência nacional foram logo importa da história. Eles foram prontamente absorvida pelos cananeus.

 

 III. Período dos Juízes 

  1. Caráter Geral do Período 

 

Nesse período da vida nacional e religiosa enfraquecido, ele poderia facilmente acontecer que Israel voltaria a perder a supremacia que tinha ganhado pela espada. Era possível que os cananeus poderia voltar a pôr em seu poder partes maiores da terra. Também energético e empurrando tribos nômades, como os amonitas, os moabitas, ou outros povos guerreiros, como os filisteus, poderia levar o país à sujeição, como de fato ocorreu no período dos juízes. O Livro dos Juízes relata um número de tais ocorrências da sujeição de Israel, que não se estender sobre toda a terra, e, em parte, ocorrido em diferentes partes do país, ao mesmo tempo. Judá e de Simeão, as duas tribos do sul, como regra não tomou parte nessas competições, e tinham suas próprias batalhas para lutar; e o mesmo é verdade para as tribos do leste do Jordão, entre os quais Norte Manassés e Efraim estavam em aliança mais próxima. Depois de um período mais ou menos longo de opressão, seguiu-se em cada caso um renascimento do espírito nacional contra essa opressão. E em todos esses casos o herói popular, que se tornou o libertador apelou à consciência religiosa que formou um laço de união entre todas as tribos Israel e seu Deus Javé comum.

 No entanto selvagem de forma a vigor juvenil do povo pode ter encontrado sua expressão nestas ocasiões, eles são, no entanto, consciente do fato de que eles estão travando uma guerra santa, que em todos os casos também terminou com a vitória sobre o espírito pagão e falso adoração que tinha encontrado o seu caminho para Israel. O monumento histórico mais precioso a partir destes tempos é o cântico de Débora (Juízes 5), que, como um espelho, reflete fielmente as condições de negócios, e os pensamentos do que a idade.

 Juízes 17 a 21 pertencem ao início deste período. A primeira dessas velhas histórias narra a emigração de uma grande parte da tribo de Dan para o extremo norte do país e da origem da idolatria naquela região (Juízes 17: 1-13; 18). Mas a segunda história, também, tanto em forma e conteúdo, é, pelo menos em parte, muito antigo e seu valor histórico é amplamente protegidos contra os ataques dos críticos modernos por Oséias 9: 9; Oséias 10: 9. Esta história relata uma guerra santa de vingança contra a tribo de Benjamim, que não estava disposto a prestar satisfação por um crime nefando que tinham sido cometidos em Gibeá no seu território. No sentimento de solidariedade e perto da grande responsabilidade que aparece em conexão com a punição deste crime, ainda vemos a influência dos períodos de Moisés e Josué.

  

  1. Os juízes diferentes 

Primeiro é narrado de um rei de Aram-Mesopotâmia que tinha oprimido Israel por um período de 8 anos (Juízes 3: 8). Isso provavelmente significa um rei do Mitanni (Sayce, Monumentos, 297, 304), que na época estavam tentando forçar seu caminho através de Canaã para o Egito. Foi Otoniel, a Kenazite, pertencente a uma tribo que estava relacionado com Judá, que libertou a Israel. A segunda foi o libertador Benjamim Ehud, que entregou a porção sudeste do país a partir da servidão de Eglom, rei dos moabitas, colocando o último a morte (Juízes 3:12). Em uma escala maior era a batalha decisiva contra os reis cananéias no norte do país, quando estes tinham formado uma aliança e tinha submetido Israel por um período de 20 anos. Ao apelo de Débora, Baraque conquistou Sísera, o rei hostil e líder de um poderoso exército de carros, na planície de Quisom (Juízes 4; 5).

  Na mesma região a batalha de Gideon foi travada com a pilhagem enxames beduínos dos midianitas, que tinham repetidamente oprimidos Israel (Juízes 6 a 8). Abimeleque, um filho indigno do herói temente a Deus, depois da morte de seu pai, tinha estabelecido um reino local em Siquém, que ficou apenas por um curto tempo e chegou a um final vergonhoso. Pouco mais do que os nomes são conhecidos por nós de Tola, da tribo de Issacar, e de Jair, em Gileade (Juízes 10: 1). É mais completamente a história de Jefté disse, que entregou o país dos amonitas vindo do leste (Juízes 11), com o qual também foi conectada uma luta com Efraim ciumentos (Juízes 12: 1-15); e ainda são mais plenamente os detalhes relatados dos concursos pessoais do Nazireu Samson, pertencentes à tribo de Dã, contra os filisteus fazendo suas incursões do sul, e que por muitos anos provaram ser os mais perigosos inimigos de Israel.

 Todos estes heróis, e alguns outros não tão conhecidos, são chamados de juízes, e relata-se regularmente quanto tempo cada um deles "julgados" Israel. Eles não eram funcionários no sentido usual do termo, mas foram libertadores do povo, que, à inspiração do Senhor, deram o sinal para uma guerra santa. Após a vitória eles, como homens de Yahweh, em seguida, apreciamos distinção, pelo menos em suas próprias tribos; e na medida em que foi através de seu fazer que as pessoas tinham sido libertados, eles foram as mais altas autoridades em questões religiosas políticas, jurídicas e, provavelmente, também, em. Eles são chamados de juízes em contraposição consciente do poder real, que em Israel foi reconhecido como a prerrogativa exclusiva de Javé, para que Gideão recusou-o como impróprio quando o povo queria fazê-lo rei (Juízes 8:22 f). 

 As pessoas reconheceram o Espírito do Senhor na energia feroz que veio sobre esses homens e os levou a despertar o seu povo da sua letargia vergonhoso. Por esta razão, também, que poderiam depois ser confiado nas suas decisões judiciais em harmonia com a mente eo Espírito de Deus, pois isso já havia sido feito pela profetisa Débora no tempo de opressão. No entanto, pelo menos no caso de Sansão (não obstante Juízes 16:31), não é provável que ele já estava envolvido na administração da justiça. Nem sequer é relatado de que ele lutou na cabeça das pessoas, mas ele carregava em seus concursos com os filisteus em nome de si mesmo individualmente, mesmo se, como um consagrado de Deus, ele foi testemunha para o poder de Deus .

 

  1. cronologia do período 

A cronologia do período dos Juízes apresenta algumas dificuldades peculiares. Se somarmos os dados que são apresentados em sucessão no Livro dos Juízes, que começa a partir de Juízes 3: 8 através de 16: 31,410 ano completamente. Mas este número é muito grande para torná-lo harmonizar com os 480 anos mencionados em 1 Reis 6: 1. A tradição judaica (por exemplo, Ṣēdher 'Olam), Portanto, não incluem os anos de opressão nessa soma, mas torna-os uma parte do período dos juízes individuais. Desta forma cerca de 111 anos, são eliminados. Mas, evidentemente, o redator do Livro dos Juízes não partilham desta opinião. Os críticos modernos são da opinião de que o escritor se encaixou dois métodos cronológicos, um dos quais contaram com base em períodos de quarenta anos cada, enquanto o outro era mais exato e continha números ímpares. Desta forma, pode encurtar este período como o faz o Ṣedher 'Olam̌. De qualquer forma, é justificável, e é sugerido por Juízes 10: 7, a considerar a opressão pelos amonitas (Juízes 10: 8) e da opressão pelos filisteus (Juízes 13: 1) como contemporânea. 

 E outros eventos, também, que no decorrer da narrativa são relacionadas como a seguir uns aos outros, podem ter ocorrido ao mesmo tempo ou em uma sequência ligeiramente diferente, tal como o autor utilizou diferentes fontes para os diferentes eventos. Mas por isso mesmo a sua história merece ser creditado como histórico. Personagens como Deborah, Jefté, Ehud, Gideon, Abimelech e Samson são descritos como realidades históricas tangíveis. Mesmo que, no caso de este último, a tradição oral adicionou detalhes decorativos para a figura, mas Sansão não pode ser um mero personagem mitológico, mas deve ter sido uma característica herói nacional deste período, no qual estão representados a abundância das peculiaridades físicas e mentais característicos da nação jovem, como também o seu bem-humorada de indiferença e descuido sobre contra seus inimigos traiçoeiros.

 

  1. Solto Organização do Povo

A falta de um poder político central fez-se sentir ainda mais no período dos juízes, uma vez que, por causa da condição espalhados das pessoas no país que tinha sido tão minuciosamente parcelada, e por causa do enfraquecimento do entusiasmo religioso da era anterior, a unidade mais profunda de coração e mente estava ausente. Na verdade, é incorrecto imaginar que neste momento houve uma total falta de autoridade governamental. A organização patriarcal estava em vigor desde o início. O pai da família era o chefe legítimo daqueles que pertencem a ele, e um clã maior foi novamente alvo de um "ancião", com amplas direitos na administração da lei, mas também com o dever de proteger seus subordinados, e em caso de querer apoiá-los. Infelizmente, estamos em nenhuma parte informado como esses anciãos foram escolhidos ou se seus escritórios eram hereditários.

  Apenas algumas poucas passagens, como Isaías 3: 6 f, lançar alguma luz sobre o assunto. Esta instituição do anciãos Moisés já tinha encontrado estabelecida e tinha desenvolvido mais distante (Êxodo 18:13). Ele foi mantido em todos os períodos da história de Israel. Quando as pessoas começaram a viver juntos em centros maiores, como foram estabelecidos os corpos consequência natural desses anciãos da cidade. As tribos também tinham "anciãos" em sua cabeça. Mas, para uma ação conjunta de toda a nação esta disposição não era suficiente; e, especialmente, no caso de guerra o povo de Israel sentia que eles estavam em desvantagem em comparação com os seus inimigos, que tinham reis para levá-los. Por esta razão, o desejo de um rei foi crescendo em Israel. Os ditadores do período dos juízes satisfeitas as suas necessidades apenas para o momento. 

 

  1. O Reino: Israel-Judá

No tempo em que os israelitas eram oprimidos pelos filisteus a necessidade de um rei foi especialmente sentida. Como Sansão tinha chegado a sua morte em servidão, as próprias pessoas assim, no final deste período de vitórias gloriosas, estavam sob a supremacia de uma raça guerreira, que tinha apenas nos últimos tempos se estabeleceram na costa ocidental da Palestina, e de essa base estava forçando suas conquistas no coração do país. 

  1. Samuel

 

Depois das derrotas mais desastrosas, durante o qual até mesmo a Arca da Aliança foi perdido, surgiu para as pessoas, na verdade, um pai e um libertador na pessoa de Samuel, que os salvou durante o período mais crítico. Que sua atividade significou para o soerguimento das pessoas não pode ser calculada também altamente. Ele era, acima de tudo, a paz durante o vigia fiel dos bens mais sagrados de Israel, um profeta, como o povo não tinha visto desde os dias de Moisés; e ele, sem dúvida, foi o fundador dessas colônias de discípulos proféticos que estavam nos últimos tempos tão influentes no desenvolvimento de um espírito teocrática em Israel. Ele guardava toda a nação também com todo o seu poder, dando-lhes leis e cultivando a piedade na terra. 

  1. O Reino de Saul 

Mas, como Samuel, também, tornou-se velho e as pessoas celebrado por boas razões que o seu governo teria nenhum dignos sucessores, sua voz já não podia ser silenciado, e eles exigiram um rei. Samuel tentou em vão persuadir as pessoas a desistir de sua demanda, o que lhe parecia ser uma prova de desconfiança na providência do Senhor, mas foi-se compelido, por inspiração de Deus, a submeter aos seus desejos e ungir o novo rei , a quem o Senhor apontou para ele. Na verdade, é mantida pelos críticos que existem várias contas existentes em Samuel relativas à selecção de Saul ao reino, e que esses relatos diferem no fato de que o que se refere ao reino como uma bênção, ea outra como uma maldição. 

 A primeira vista, o que é dito ser o mais velho, é reivindicada a ser encontrado em um Samuel 9: 1-10, 1 Samuel 09:16 e 1 Samuel 09:11; enquanto o segundo está a ser dito em 1 Sam 8; 1 Samuel 10: 17-27; 1 Samuel 11: 12-14. Qualquer que seja os fatos em relação a essas fontes, isso está além de qualquer dúvida, que Samuel, o último líder teocrática real, estabeleceu o reino. Mas, assim como o fato de pouco pode ser posta em dúvida, que ele tomou este passo com relutância interna, uma vez que em seus olhos esta inovação significa o descarte dos ideais do povo para que ele próprio havia permanecido fiel durante sua vida. A demanda das pessoas foi a consequência de motivos mundanos, mas o Senhor trouxe sobre, que o "Ungido de Yah" significou um avanço na história do reino de Deus.

 O próprio Saul, em primeiro lugar, de uma forma vigorosa e eficiente, resolver os problemas imediatos e venceu os inimigos de seu povo. Mas ele logo começou a conceber o seu reino, à maneira de reinos pagãos e não submeter-se ao Senhor e Seu representante designado. Há logo surgiu um conflito aberto entre ele e Samuel; eo fato de que o Espírito de Deus se tinha retirado dele aparece em seu estado de espírito melancólico, que lhe pediu para obras constantemente crescentes de violência. Que, nestas circunstâncias, a bênção de Deus também se despediram dele é provado pelo colapso do trabalho de sua vida em suas falhas finais contra os filisteus. 

  1. David

 

Em contraste com isso, David, seu sucessor, o maior rei que Israel já teve, tinha uma concepção correta deste escritório real, e até mesmo em seus sucessos mais brilhantes não se esqueça de que ele foi chamado para governar apenas como "servo de Javé "(nome pelo qual ele, ao lado de Moisés, é chamado com mais frequência na Bíblia). Como governante talentoso, ele reforçou seu reino a partir de dentro, o que, considerando o caráter heterogêneo das pessoas, não foi uma tarefa fácil, e estendeu-lo sem dominando vizinhos invejosos. Desta forma, foi ele quem tornou-se o verdadeiro fundador de um poderoso reino. 

 A conquista de Jerusalém e sua seleção como a capital também são uma prova de sua sabedoria política. É verdade que ele, também, tinha suas falhas pessoais e que ele cometeu muitos erros, o que lhe causou problemas políticos, até mesmo a sua idade avançada. Mas sua humildade em todos os momentos o fez forte o suficiente para submeter-se novamente para a mão do Senhor, e esta humildade baseou-se na atitude de seu espírito para com o Senhor, que se manifesta em seus salmos. Desta forma, ele realmente veio a ser um elo de ligação entre Deus e seu povo, e sobre esta base, os profetas construídos ainda mais, que profetizavam uma união ainda mais estreita entre os dois sob um filho de David.

 Enquanto Saul era filho de Benjamim, David era da tribo de Judá, e foi por um curto período de tempo o rei desta tribo em Hebron, antes que as outras tribos, tornando-se cansado do desgoverno de um descendente de Saul, também o escolheu voluntariamente como seu rei. Ele logo após este estabelecido como o centro de seu novo reino a cidade de Jerusalém, o que realmente foi situado no território que tinha sido atribuída a Benjamin; e ele também definir esta cidade distante como o centro religioso do povo através da transferência da Arca da Aliança para este lugar. Desta forma, David, por meio de sua sabedoria e sua bravura popular, conseguiu unir as tribos mais firmemente sob sua supremacia e, especialmente, que ele trouxe da tribo de Judá, que até esse momento tinha sido mais para si mesmo, em connectio mais perto. 

fonte Encylopedia biblical Standard 1950 

fonte Www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com.br