Translate this Page

Rating: 2.5/5 (77 votos)




ONLINE
2




Partilhe este Site...



 

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


História do império Romano
História do império Romano

                                            HISTORIA DO IMPERIO ROMANO

  1.                                     DESENVOLVIMENTO DA

                                      CONSTITUIÇÃO REPUBLICANO

 

  1. Original Estado Romano
  2. A luta entre patrícios e plebeus
  3. O Senado e Magistrados
  4. princípios subjacentes
  5. EXTENSÃO DA SOBERANIA ROMAN

III. O governo imperial

  1. Autoridade imperial
  2. Três classes de cidadãos
  3. religião romana
  4. Divindades
  5. Decay religiosa
  6. ROMA E OS JUDEUS
  7. Judéia sob procuradores romanos e Governadores
  8. O proselitismo judaica
  9. ROMA e os cristãos
  10. Introdução do Cristianismo
  11. Tolerância e Proscrição
  12. A perseguição

                                        

 

Roma (latim e italiano, Roma; Rhome): A capital da república romana e do império, mais tarde, o centro de Lot a cristandade, e desde 1871 capital do reino da Itália, está situado principalmente na margem esquerda do rio Tibre cerca de 15 milhas do Mar Mediterrâneo em 41 graus 53 '54 polegadas de latitude norte e 12 graus 0' 12 polegadas de longitude leste de Greenwich.

 Seria impossível no espaço limitado atribuído a este artigo para dar ainda um esboço abrangente da história antiga da Cidade Eterna. Ela irá atender o objetivo geral do trabalho a considerar as relações do governo romano e da sociedade com os judeus e cristãos, e, além disso, apresentar uma pesquisa rápida do desenvolvimento inicial das instituições romanas e poder, de modo a proporcionar o cenário histórico necessário para a apreciação dos assuntos mais essenciais.

  

  1. Desenvolvimento da Constituição Republicana. 

. O império surgiu como consequência da desagregação da República e a consequente expansão romana. As conquistas permitiram o fortalecimento dos generais e consequentemente a disputa pelo poder culminando nos triunviratos.Segundo alguns historiadores, a população sob o domínio de Roma aumentou de 4 milhões em 250 a.C. para 60 milhões em 30 a.C., o que ilustra como Roma teve o seu poder ampliado nesse período, de 1,5% da população mundial, para 25%.

Nos últimos anos do século II a.C., Caio Mário transformou o exército romano num exército profissional, no qual a lealdade dos soldados de uma legião era declarada ao general que a liderava e não à sua pátria. Este facto, combinado com as numerosas guerras que Roma travou nos finais da República (invasão dos Cimbros e Teutões, Guerras Mitridáticas, entre outras, a culminar nas guerra civil do tempo de Júlio César e Augusto) favoreceu o surgimento de uma série de líderes militares (Lúcio Cornélio Sula, Pompeu, Júlio César), que, apercebendo-se da força à sua disposição, começam a utilizá-la como meio de obter ou reforçar o seu poder político.

As instituições republicanas encontravam-se em crise desde o princípio do século I a.C., quando Sula quebrou todas as regras constitucionais ao tomar a cidade de Roma com o seu exército, em 82 a.C., para se tornar ditador vitalício em seguida. Sula resignou e devolveu o poder ao senado romano, mas no entanto, o precedente estava lançado.

Esta série de acontecimentos culminou no primeiro triunvirato, um acordo secreto entre Júlio César, Pompeu e Crasso. Tendo este sido desfeito após a derrota de Crasso em Carras (atual Harã) (53 a.C.), restavam dois líderes influentes, César e Pompeu. Como Pompeu tomou o partido do senado, este declarou César "inimigo de Roma", ao que César respondeu, atravessando o Rubicão e iniciando a guerra civil. Tendo vencido Pompeu em Farsália (agosto 48 a.C.) e as restantes forças opositoras em Munda (45 a.C.), tornou-se efectivamente a primeira pessoa a governar unipessoalmente Roma, desde o tempo da monarquia. O seu assassinato pouco tempo depois (março 44 a.C.), às mãos dos conspiradores liderados por Marco Júnio Bruto e Caio Cássio Longino, terminou esta primeira experiência de governo unipessoal do Estado romano.

Por esta altura, já a república tinha sido decisivamente abalada, e após a derrota final dos conspiradores, o surgimento do segundo triunvirato, entre Octaviano, Marco António e Lépido, e a sua destruição na guerra civil seguinte, culminando na decisiva Batalha de Áccio (31 a.C.), deixou Octaviano como a única pessoa com poder para governar individualmente Roma, tornando-se efectivamente no primeiro imperador romano, fundando uma dinastia (dinastia júlio-claudiana) que só a morte de Nero (68) viria a terminar.

 

A Batalha de Áccio, por Lorenzo A. Castro (1672). 

Uma vez que o primeiro imperador, Augusto, sempre recusou admitir-se como tal, é difícil determinar o momento em que o Império Romano começou. Por conveniência, coloca-se o fim da República Romana em 27 a.C., data em que Augusto adquire este cognome e em que começa, oficialmente, a governar sem parceiros. Outra corrente de historiadores coloca o princípio do império em 14, ano da morte de Augusto e da sua sucessão por Tibério.

Nos meios académicos, discutiu-se bastante a razão pela qual a sociedade romana, habituada a cerca de cinco séculos de república, aceitou a passagem a um regime monárquico sucessório. A resposta centra-se no estado endêmico de guerra civil que se vivia nos anos prévios a Augusto e no longo reinado de quarenta e cinco anos que se seguiu, notável pela paz interna. Com a esperança de vida média em cerca de quarenta e cinco anos, à data da morte de Augusto, o cidadão romano médio não conhecia outra forma de governação e estava já preparado para aceitar um sucessor.

 A cronologia tradicional para o período mais antigo da história romana é totalmente confiável, em parte porque os gauleses, em que assola a cidade em 390 aC, destruíram os monumentos que poderiam ter oferecido testemunho fiel do período anterior (Livy vi.1). Sabe-se que houve um acerto no site de Roma antes da data tradicional da fundação (753 aC). O estado romano original era o produto da coligação de uma série de clan-comunidades adjacentes, cujos nomes foram perpetuados nos gêneros romanos, ou grupos de imaginária tribo, a sobrevivência histórica que perdeu todo o seu significado no período da história autêntica. Os chefes dos clãs associados compôs o senado primitivo ou conselho de anciãos, que exercia autoridade soberana. Mas, como é habitual no desenvolvimento da sociedade humana um regime militar ou monárquico conseguiu os órgãos patriarcais ou sacerdotais mais frouxas de autoridade. Esta segunda fase pode ser identificado com o Estado do lendário Tarquínios, que foi, provavelmente, um período de domínio etrusco. A confederação de clãs foi soldado em uma entidade política homogênea, e a sociedade foi organizada para fins civis, sobre uma base timocratic. O fórum foi drenado e tornou-se um centro social, industrial e política, eo templo de Júpiter Capitolino, Juno e Minerva (divindades pseudo-helênica etruscas) foi erguido como um santuário comum para todas as pessoas. Mas acima de tudo os romanos estão em dívida com estes reis estrangeiros para a formação em disciplina e obediência que foi exemplificada na concepção posterior da autoridade magisterial significada pelo imperium prazo.

 

As prerrogativas dos reis passou para os cônsules. A redução do mandato do poder a um único ano e a instituição do princípio do coleguismo foram os primeiros cheques para o abuso de autoridade ilimitada. Mas a verdadeira pedra angular da liberdade Roman foi pensado para ser o léxico Valeria, que previa que nenhum cidadão deve ser condenado à morte por um magistrado sem ser permitido o direito de recurso da decisão da assembléia do povo.

 

  1. A luta entre patrícios e plebeus: 

Um período de mais de 150 anos após o estabelecimento da república foi consumida principalmente pela luta entre as duas classes ou ordens, os patrícios e plebeus. Os primeiros eram os descendentes dos clãs originais e constituiu o Populus, ou corpo político, em um sentido mais particular. Os plebeus eram descendentes de ex-escravos e dependentes, ou de estranhos que haviam sido atraídos para Roma pelas vantagens óbvias para a indústria e comércio. Eles se o franquia como membros da assembleia militar (comitia centuriata), mas não teve qualquer participação nas magistraturas ou outras honrarias civis e emolumentos, e foram excluídos do conhecimento da lei civil, que foi proferida nas famílias patrícias como um oral tradição.

 

O primeiro passo para o progresso dos plebeus em direção a igualdade política foi feita quando eles arrancaram os patrícios o privilégio de escolher representantes de entre si, as tribunas, cuja função de dar ajuda aos plebeus oprimidas foi proferida eficaz, o direito de veto (intercessio ), em virtude do qual qualquer ato de um magistrado poderia ser preso. A codificação da lei nos Doze Tábuas foi uma vantagem distinta para as classes mais baixas, porque os males que eles tinham sofrido eram em grande parte devido a uma interpretação dura e abusivo de instituições jurídicas, a natureza do que tinha sido obscuro (ver direito romano ) . A revogação, diretamente depois, da proibição de casamentos entre as classes resultou em sua mescla gradual.

 

  1. O Senado e magistrados: 

Os reis tinham reduzido o Senado para a posição de um mero órgão consultivo. Mas sob o regime republicano se recuperou de fato a autoridade da qual ele foi privado na teoria. O poder de controle do Senado é a característica mais significativa do governo republicano, embora tenha sido reconhecido por nenhum estatuto ou outro documento constitucional. Foi, em parte devido à diminuição do poder dos magistrados, e, em parte, à forma em que foram escolhidos os senadores. A diminuição da autoridade dos magistrados foi o resultado do aumento do seu número, o que levou não só à redução da prerrogativa real de cada um, mas também para a contração de sua influência independente agregada. tornou-se necessária o aumento do número de magistrados pela expansão territorial do Estado ea elaboração de administração. Mas foi em parte o resultado de agitação plebéia. Os eventos de 367 BC pode servir como um exemplo adequado para ilustrar a acção destas influências. Para quando os plebeus levadas pela tempestade da cidadela de exclusividade aristocrática em admissão para o consulado, a mais alta magistratura regular, a necessidade de outro magistrado com competência geral concedida uma oportunidade para fazer uma concessão de compensação para os patrícios, eo pretor foi criado, ao qual pelo primeiros membros da velha aristocracia estavam sozinhos elegíveis. Nos termos da Constituição totalmente desenvolvido as magistraturas regulares foram em número de cinco, consulado, pretor, aedileship, tribuno e quaestorship, todos os quais foram preenchidos por eleições anuais.

 Menção foi feita sobre a forma de escolher os membros do Senado como um fator no desenvolvimento da autoridade do conselho supremo. A princípio, os mais altos executivos do Estado exercido o direito de seleção de novos membros para manter os senadores no número normal de trezentos. Mais tarde, esta função foi transferida para os censores que foram eleitos em intervalos de cinco anos. Mas personalizado e estatuto mais tarde ordenado que os cidadãos mais ilustres deve ser escolhido, e na comunidade romana o mais alto padrão de distinção era serviço para o estado, em outras palavras, a realização de magistraturas públicas. Seguiu-se, portanto, que o Senado era, na realidade, uma reunião de todos os ex-magistrados que vivem. O Senado incluiu, além disso, toda a sabedoria política e experiência da comunidade, e tão grande era o seu prestígio por estas razões, que, embora a expressão da sua opinião (senatus consultum) foi dotado por lei sem força propulsora, inevitavelmente guiada a conduta do magistrado de consultoria, que era praticamente seu ministro, ao invés de seu presidente.

 Quando os plebeus ganharam admissão às magistraturas, o patriciado perdeu o seu significado político. Mas só as famílias plebéias mais ricos foram capazes de lucrar com esta extensão do privilégio, na medida em que uma carreira política necessária liberdade de atividades lucrativas e também influência pessoal. Estas famílias plebéias prontamente se uniram com os patrícios e formou uma nova aristocracia, que é chamado nobilitas por uma questão de distinção. Ele descansou em última análise, sobre o fundamento da riqueza. A dignidade conferida pela realização de magistraturas públicas era seu título de distinção. O Senado foi seu órgão. Roma nunca foi uma verdadeira democracia, exceto em teoria. Durante todo o período envolvido entre o nivelamento final das velhas distinções baseadas em sangue (287 aC) e o início do período de revolução (133 aC), as magistraturas eram ocupados quase exclusivamente pelos representantes do número relativamente limitado de famílias que constituíam a aristocracia. Estes só entrou para o Senado pela porta das magistraturas e os dados quase que nos justifica em afirmar que o governo republicano e senatorial foram substancialmente e cronologicamente idênticos.

 

As sementes da revolução política e social foram semeadas durante a Segunda Guerra Púnica eo período que se lhe seguiu. A extensão de autoridade militar estabeleceu um precedente perigoso em violação do espírito da república, de modo que Pub. Cornelius Scipio foi realmente o precursor de Mário, Júlio César e Augusto. A corrente de ouro que encontrou o seu caminho das províncias para Roma era uma isca para atrair a cobiça dos senadores menos escrupulosos, e levou ao crescimento do pior tipo de profissionalismo na política. A classe média de pequenos agricultores deteriorado por várias razões; a sedução de serviço nos países ricos, mas effete do Oriente atraído muitos. O baixo preço dos escravos feita a agricultura independente não lucrativa e levou ao aumento de grandes propriedades; o cultivo de grãos foi parcialmente deslocado por que da videira e oliveira, que eram menos adequados aos hábitos e capacidade da classe mais antiga de agricultores.

 A causa mais imediata da revolução foi a incapacidade do Senado como um todo para controlar o comportamento dos seus membros mais radicais ou violentos. Porque, assim como ambição política tornou-se mais ardente com o aumento nos prêmios materiais a ser adquirida, os líderes aspirantes voltaram sua atenção para o povo, e procurou atingir o cumprimento dos seus fins pela legislação popular, anulando a concordância do Senado, que costume tinha consagrado como uma preliminar necessária para a ação popular. A perda de iniciativa do Senado significava a subversão do governo senatorial. O Senado possuiu no poder de veto dos tribunos uma arma para coagir magistrados indisciplinados, por um dos dez tribunos sempre podia ser induzida a interpor seu veto para proibir a passagem da legislação popular. Mas esta arma foi quebrado quando Tib. Graco declarado em 133 aC que uma tribuna que se opôs os desejos do povo não era mais seu representante, e sustentou esta afirmação.

 

  1. Princípios subjacentes: 

Seria estranho ao propósito do presente artigo para traçar as vicissitudes da guerra civil do século passado da república. Algumas palavras será suficiente para sugerir os princípios gerais que estabelecem abaixo da superfície dos fenómenos políticos e sociais. Atenção tem sido chamado para o desenvolvimento sinistra da influência dos comandantes militares e a crescente ênfase do favor popular. Estas foram as tendências mais importantes ao longo deste período, e a coligação dos dois foi fatal para a supremacia do governo senatorial. Marius depois de ganhar glória militar incomparável formaram uma aliança política com Glaucia e Saturnino, os líderes da facção popular na cidade em 100 aC. Este foi um ponto de viragem no curso da revolução. Mas a importância da espada que mais do que compensados ​​da população na combinação que foi assim constituída. Nas guerras civis de Mário e Sila questões constitucionais foram decididos pela primeira vez pela superioridade da força militar exclusivamente. repetidos apelos para a força bruta entorpeceu a percepção de restrições constitucionais e os direitos das minorias. O Senado já havia apresentado sinais de paralisia parcial na época dos Gracos. Como rapidamente sua debilidade deve ter aumentado como a espada cortou seus membros mais leais! Seu poder expirou nas proscrições, ou assassinato de opositores políticos organizados. O partido popular era nominalmente triunfante, mas, em teoria do estado romano ainda era uma comunidade urbana com um único centro po1itical. A franquia só podia ser exercido em Roma. Seguiu-se daí que as assembleias políticas reais foram feitas em grande parte do elemento inútil que era tão numerosas na cidade, cujos instintos irracionais foram guiada e controlada por líderes políticos astutos, particularmente aqueles que se uniram em si a capacidade militar e as ciladas do demagogo. Sulla, Crasso, Júlio César, Antony e, por último Otaviano estavam em vigor a antiga contrapartida da moderna política "patrão". Quando esses homens perceberam o poder supremo e rivalidade inevitável, a luta que se seguiu para a supremacia e para a sobrevivência do mais apto formado o necessário processo de eliminação que conduz naturalmente para o estabelecimento da monarquia, que foi, neste caso, a regra do último sobrevivente. Quando Octavian recebeu o título Augustus eo poder proconsular (27 aC), a transformação foi realizado.

 

LITERATURA. 

O padrão de trabalho sobre as instituições políticas romanas é Mommsen e Marquardt, Handbuch der klassischen Altertumer. Abbott, as instituições políticas romanas, Boston e Londres, 1901, oferece um tratamento útil resumo do assunto.

 

  1. Extensão de Roman Soberania.

Veja ROMAN EMPIRE eo cristianismo , I.

 

LITERATURA. 

Apenas as obras gerais mais importantes sobre a história romana podem ser mencionados: Ihne, Romische Geschichte (2ª edição), Leipzig, 1893-1896, tradução Inglês, Longmans, Londres, 1871-1882; Mommsen, História de Roma, tradução Inglês por Dickson, New York, 1874; Niebuhr, História de Roma, tradução Inglês por Hare e Thirlwall, Cambridge, 1831-1832; Pais, Storia di Roma, Turim, 1898-1899; Ferrero, Grandeza e decadência de Roma, tradução Inglês por Zimmern, New York, 1909.

 

III. O Governo Imperial. 

  1. Autoridade Imperial:

Augustus exibido tato considerável em misturar seu próprio domínio no estado com as velhas instituições da constituição republicana. Sua autoridade, legalmente, descansou principalmente sobre o poder tribunician, que ele provavelmente tinha recebido já em 36 aC, mas que foi criado em uma base melhor em 23 aC, e a prerrogativa proconsular (imperiurn proconsulare), conferido em 27 aC. Em virtude de o primeiro que ele tinha o poder de convocar o Senado ou conjuntos e poderia vetar a ação de quase qualquer magistrado. O segundo título de autoridade conferiu-lhe o comando das forças militares do Estado e, consequentemente, a administração das províncias onde as tropas foram estacionadas, além de uma supervisão geral sobre o governo das outras províncias. Daqui resulta que uma distinção foi feita (27 aC) entre as províncias imperiais que foram administradas por representantes do imperador (Legati Augusti pro praetore) e as províncias senatoriais, onde a maquinaria republicana de administração foi mantida. Os governadores deste último foram chamados geralmente proconsuls (veja PROVÍNCIA ). Menção é feita de duas proconsuls no Novo Testamento, Gálio na Acaia ( Ac 18:12 ), e Sérgio Paulo em Chipre ( At 13: 7 ). É instrutivo comparar a atitude branda e de senso comum desses aristocratas romanos treinados com a do mobs locais turbulenta que lidou com Paulo na Ásia Menor, Judéia, ou a Grécia (Tucker, a vida no mundo romano de Nero e Paulo, Novo Iorque, 1910, 95).

 

  1. Três classes de cidadãos:

cidadãos romanos ainda estavam divididos em três classes socialmente, senatorial, equestres e plebeus, e todo o sistema de governo em harmonia com esta divisão tripla. A classe senatorial era composta de descendentes de senadores e aqueles sobre os quais os imperadores conferiram o clavus latus, ou privilégio de vestir a túnica com beira roxa ampla, o sinal de filiação nesta ordem. O quaestorship ainda era a porta de entrada para o senado. As qualificações para ser sócio do Senado foram a posse de classificação senatorial e propriedade do valor não inferior a 1.000.000 sestércios ($ 45.000; œ9,000). Tibério transferidos a eleição de magistrados do povo para o Senado, que já era praticamente um corpo fechado. Sob o império consulta Senatus recebeu a força de lei. Da mesma forma o Senado adquiriu funções judiciais, sentado como um tribunal de justiça para tentar casos criminais importantes e ouvir apelações em casos civis das províncias senatoriais. A classe equestre era composta por aqueles que possuíam propriedade do valor de 400.000 sestércios ou mais, e o privilégio de vestir a faixa roxa estreito sobre a túnica. Com os cavaleiros os imperadores preenchido muitas posições financeiras e administrativas importantes da Itália e as províncias que estavam sob seu controle.

 

  1. Religião Romano. 
  1. Divindades:

(1) A religião romana era originalmente mais consistente do que a grega, porque as divindades como concebida pelo gênio Latina sem imaginação eram totalmente sem caráter humano. Eram as influências ou forças que dirigiram a fenômenos visíveis do mundo físico, cujo favor era necessário para a prosperidade material da humanidade. Seria incongruente assumir a existência de um sistema de doutrinas teológicas no período primitivo. Considerações éticas entrou apenas de forma limitada para a atitude dos romanos para com os seus deuses. Religião participou da natureza de um contrato pelo qual os homens se comprometeram com a escrupulosa observância de certos sacrifícios e outras cerimônias, e em troca considerado-se o direito de esperar o apoio ativo dos deuses em trazer seus projetos a uma conclusão feliz. Os romanos eram naturalmente politeístas, como resultado da sua concepção de divindade. Desde antes do alvorecer da ciência não havia aparência de unidade no mundo natural, não poderia haver unidade no céu. Deve haver um espírito de controle sobre cada objeto importante ou classe de objetos, cada pessoa, e todos os processos da natureza. Os deuses, portanto, eram mais numerosos do que a própria humanidade.

 

(2) A breve prazo, o governo tornou-se nitidamente secular. Os sacerdotes eram os servidores da comunidade para preservar a agregação venerável de fórmulas e cerimônias, muitos dos quais perderam em um breve período tal espírito como já possuía. Os magistrados eram os verdadeiros representantes da comunidade em sua relação com as divindades, tanto na busca da vontade divina os auspícios e na realização dos sacrifícios mais importantes.

 

(3) Os romanos no primeiro não fazer estátuas de seus deuses. Isto foi em parte devido à falta de habilidade, mas, principalmente, à indefinição de suas concepções dos seres mais elevados. Símbolos suficiente para significar a sua existência, uma lança, por exemplo, em pé de Marte. O processo de redução dos deuses para a forma humana foi inaugurado quando eles entraram em contato com os etruscos e gregos. Os Tarquínios convocou artesãos etruscas e artistas a Roma, que fez a partir de estátuas de culto de terracota e um grupo frontão para o templo Capitolino.

 

Os tipos de divindades gregas já tinham sido definitivamente estabelecida quando a influência Helénica em moldar a cultura romana se tornou predominante. Quando a forma dos deuses gregos tornou-se familiar para os romanos em obras de escultura, eles gradualmente suplantado essas divindades romanas com que foram nominalmente identificadas como resultado de uma semelhança real ou imaginária.

 

(4) A importação de novos deuses era uma questão relativamente fácil. Politeísmo é por sua natureza tolerante por causa de sua indefinição. Os romanos não podia mais presumo ter conhecimento exaustivo dos deuses do que podiam fingir que possuem um conhecimento abrangente com o universo. O número de seus deuses aumentado de necessidade como a consciência humana de fenômenos naturais expandida. Além disso, era costume convidar os deuses das cidades conquistadas para transferir a sua residência para Roma e favorecer os romanos em suas empresas. Mas a fonte mais produtiva para a expansão religiosa era os livros sibilinos. Veja literatura apocalíptica , sec. V. Este trabalho oracular foi trazido para Roma a partir de Cumae, um centro do culto a Apolo. Foi consultado em tempos de crise, a fim de descobrir o que cerimônias especiais iria assegurar a ajuda divina adequada. As formas de culto recomendadas pelos Livros sibilinos eram exclusivamente grega Já no século 5 aC o culto da Apollo foi introduzida em Roma. Heracles eo Dioscuri encontrado o seu caminho para lá quase ao mesmo tempo. Mais tarde italiana Diana foi fundida com Artemis, eo grupo de Ceres, Liber e Libera foram identificados com Demeter estrangeira, Dionísio e Perséfone. Assim, a religião romana tornou-se progressivamente Hellenized. Até o final da Segunda Guerra Púnica os maiores deuses da Grécia tinham encontrado uma casa pelo Tibre, ea miríade de divindades locais pequenos que não encontraram contrapartida nos seres celestes de Mt. Olympus caiu no esquecimento. Sua memória foi retido pelo lore antiquário de só aos sacerdotes.

 

Veja ROMAN EMPIRE eo cristianismo , III, 1. 

  1. Decay religiosa:

religião romana recebido com os ramos enxertados de religião grega os germes de decadência rápida, por sua helenização feita religião romana especialmente suscetível ao ataque de filosofia. A classe cultivada na sociedade grega já estava impregnado de ceticismo. Os filósofos fez os deuses parecer ridículo. filosofia grega ganhou uma posição firme em Roma no século 2 aC, e tornou-se habitual um pouco mais tarde a olhar para Atenas como uma espécie de cidade universitária, onde os filhos da aristocracia devem ser enviadas para a conclusão de sua educação nas escolas de os filósofos. Assim, ao término da fé religiosa era republicana se tinha retirado das classes superiores em grande parte, e durante a turbulência das guerras civis até mesmo as cerimônias externas eram muitas vezes abandonados e muitos templos caíram em ruínas. Nunca tinha havido qualquer ligação íntima entre a religião formal e conduta, exceto quando a fé dos deuses foi invocada para assegurar o cumprimento das promessas juradas.

 Augusto tentou de todas as maneiras para restaurar a antiga religião, a reconstrução não menos de 82 templos que estava em ruínas em Roma. Um reavivamento da fé religiosa ocorreu sob o império, apesar de seu espírito foi em grande parte alheio ao que havia sido exibido no desempenho do culto oficial. As pessoas permaneceram supersticioso, mesmo quando as classes cultivadas adotou uma filosofia cética. A religião formal do Estado não recorreu a eles, uma vez que ofereceu nada para as emoções ou esperanças. Por outro lado o caráter sacramental, misteriosa de religiões orientais inevitavelmente atraído-los. Esta é a razão pela qual as religiões do Egito e da Síria se espalhar sobre o império e exerceu uma influência imensurável na vida moral do povo. O sucesso parcial do judaísmo e o triunfo final do cristianismo pode ser atribuído em parte às mesmas causas.

 

Ao concluir que devemos ter em mente que o estado ditada nenhum sistema da teologia, que o império no início apresentou o espetáculo de uma espécie de caos religioso, onde todos os cultos nacionais foram garantida proteção, que o politeísmo romano era, naturalmente, tolerante, e que a única forma de religião que o estado não poderia suportar era um que era equivalente a um ataque contra o sistema de politeísmo como um todo, uma vez que este possa colocar em perigo o bem-estar da comunidade, privando as divindades das ofertas e outros serviços em troca do que a sua favor poderia ser esperado.

 

LITERATURA. 

Marquardt, Romische Staatsverwaltung, III, 3, "Das Sacralwesen"; Wissowa, Religião u. Kultus der Romer, Munique, 1902; Boissier, La religião romana, Paris, 1884.

 

  1. Roma e os judeus. 
  1. Judéia sob procuradores romanos e Governadores:

Judéia tornou-se uma parte da província da Síria em 63 aC (Josephus, BJ, vii, 7), e Hircano, irmão do último rei, manteve-se como sumo sacerdote (archiereus kai ethnarches; Josephus, Ant, XIV, iv, 4) investido de funções jurisdicionais, bem como sacerdotais. Mas Antony e Octavius ​​deu Palestina (40 BC) como um reino de Herodes, cognominado o Grande, embora seu governo não se tornou eficaz até 3 anos mais tarde. Sua soberania foi confirmada por uma legião romana estacionada em Jerusalém (Josephus, Ant, XV, III, 7), e ele foi obrigado a pagar o tributo ao governo romano e fornecer auxiliares para o exército romano (Appian, Bell. Civ., V 0,75). Herodes construiu Cesaréia em honra de Augustus (Josephus, Ant, XV, ix, 6), e os procuradores romanos mais tarde tornou a sede do governo. Em sua morte em 4 aC, o reino foi dividido entre seus três filhos sobreviventes, a maior parcela caindo para Arquelau, que governou a Judéia, Samaria e Iduméia com as ethnarches título (Josephus, Ant, XVII, XI, 4) até 6 dC, quando ele foi deposto e seu reino reduzidos à posição de uma província. A administração por procuradores romanos (veja PROCURADOR ), que foi agora estabelecido, foi interrompida durante o período 41-44AD, quando a autoridade real era exercido por Herodes Agripa, neto de Herodes, o Grande, sobre as terras que tinham sido abraçadas no reino de seu avô (Josephus, Ant, XIX, viii, 2), e, depois de 53AD, AgrippaII governou uma parte considerável da Palestina (Josephus, Ant, XX, vii, 1; viii, 4).Após a queda de Jerusalém e do término da grande revolta em 70 dC, Palestina permaneceu uma província separada. Doravante uma legião (Legio X Fretensis) foi adicionado às forças militares estacionadas na terra, que estava acampado nas ruínas de Jerusalém. Consequentemente, os governadores imperiais de categoria pretoriana (Legati Augusti pro praetore) tomou o lugar dos antigos procuradores (Josephus, BJ, VII, i, 2, 3; Dio Cassius lv.23).

 Vários tratados são registrados entre os romanos e judeus tão cedo quanto o tempo dos Macabeus (Josephus, Ant, XII, x, 6; XIII, IX, 2; viii, 5), e os judeus são conhecidos por terem sido em Roma o mais cedo como 138 aC. Eles se tornaram muito numerosos na capital após o regresso de Pompeu que trouxe de volta muitos cativos (ver Libertines ). Cicero fala de multidões de judeus em Roma, em 58 aC (Pro Flacco 28), e César foi muito simpática em direção a eles (Suetônio Caesar 84). Realizada em favor por Augusto, que recuperou o privilégio de recolher somas para enviar ao templo (Philo Legatio ad Caium 40). Agripa ofereceu 100 bois no templo quando visitar Herodes (Josephus, Ant, XVI, ii, 1), e Augusto estabeleceu uma oferta diária de um touro e dois cordeiros. Após a todo o governo romano exibido consideração perceptível para os escrúpulos religiosos dos judeus. Eles estavam isentos do serviço militar e o dever de comparência no tribunal no sábado. No entanto, Tibério reprimida ritos judaicos em Roma, em 19 dC (Suetônio Tiberius 36) e Cláudio expulsou os judeus da cidade em 49 dC (Suetônio Cláudio 25); mas em ambos os casos, a repressão não era de longa duração.

 

  1. O proselitismo judaico:

Os judeus fizeram-se notória em Roma em propagar sua religião por meio de proselitismo (Horácio sátiras I.4, 142; I.9, 69; Juvenal xiv.96;.. Tácito Hist v 5), e a literatura da época de Augusto contém várias referências à observação do sábado (Tíbulo I.3; Ovídio Ars amatoria i.67, 415; Remedium amoris 219). Prosélitos de entre os gentios nem sempre eram obrigados a observar todas as prescrições da Lei. Os prosélitos do Gate (sebomenoi), como eram chamados, renunciou idolatria e graves abusos morais e abstiveram-se de sangue e carne de animais sufocados. Entre tais prosélitos podem ser incluídos o centurião de Cafarnaum ( Lu 7: 5 ), o centurião Cornélio ( At 10: 1 ), e a imperatriz Poppea (Josephus, Ant, XX, viii, 11; Tácito Ann xvi.6.). 

On "proselytes do portão", GJV4, III, 177, corrige muito adequadamente o erro na HJP. Estes "porta" pessoas não eram prosélitos em tudo; eles se recusaram a dar o passo final que os levaram para o judaísmo - a saber, a circuncisão (Ramsay, The Expositor, 1896, p 200; Harnack, a expansão do cristianismo, I, 11).. 

Não obstante a difusão do judaísmo por meio de proselitismo, os próprios judeus viveram a maior parte de forma isolada nas partes mais pobres da cidade ou subúrbios, através do Tibre, perto do Circus Maximus, ou fora da Porta Capena. Inscrições mostram que houve sete comunidades, cada um com sua sinagoga e conselho de anciãos presidida por um gerusiarch. Cinco cemitérios foram descobertos com muitos grego, alguns Latina, mas não há inscrições hebraicas.

 

LITERATURA. 

Ewald, A Hist de Israel, tradução Inglês por Smith, Londres, 1885; Renan, Hist do Povo de Israel, tradução Inglês, Boston, 1896; Schurer, o povo judeu no tempo de Jesus Cristo, tradução Inglês por MacPherson, New York.

 

  1. Roma e os cristãos. 
  1. Introdução do Cristianismo:

A data da introdução do cristianismo no Roma não pode ser determinado. A comunidade cristã existia no momento da chegada de Paul ( Ac 28:15 ), ao qual ele se dirigiu sua epístola alguns anos antes (58 dC). Pensa-se geralmente que a declaração sobre a expulsão dos judeus de Roma sob Cláudio por conta da comoção animado entre eles pela agitação de Cresto (Suetônio Cláudio 25: Iudaeos impulsore Chresto assidue tumultuantis Roma expulit), provavelmente em 49 dC, é prova da difusão da doutrina cristã em Roma, com o fundamento de que Cresto é um coloquial, ou enganado, forma de Christus. Tem sido sugerido que a fé cristã foi trazido para a capital do império alguns dos romanos, que foram convertidos no momento de Pentecostes ( Atos 2:10 , 41 ). Seria fora de lugar para discutir aqui os fundamentos da crença tradicional de que Peter foi duas vezes em Roma, uma vez antes de 50 dC e novamente, após a chegada de Paulo, e que juntos os dois apóstolos estabeleceu a igreja lá. O nosso actual preocupação é com a atitude do governo e da sociedade em relação ao cristianismo, quando uma vez estabelecida. Ele pode ser suficiente, portanto, para lembrar ao leitor que Paulo foi autorizado a pregar livremente embora nominalmente sob custódia ( Php 1:13 ), e que já em 64 dC, os cristãos eram muito numerosos (Tácito Ann xv.44:. Multitudo ingens ).

 

  1. Tolerância e Proscrição:

A princípio, os cristãos não foram distinguidos dos judeus, mas compartilhada na tolerância, ou mesmo de proteção, que era geralmente concedida ao Judaísmo como a religião nacional de um dos povos abraçaram dentro do império. O cristianismo não era legalmente proscrito até após a sua distinção do judaísmo foi claramente percebido. Duas questões exigem nossa atenção: (1) Quando foi cristianismo reconhecida como distinta do Judaísmo? (2) Quando foi a profissão do cristianismo declarado um crime? Estes problemas são de importância fundamental na história da igreja sob o império romano.

 (1) Se podemos aceitar a passagem em Suetônio citados acima (Claudius 25), como testemunho sobre as vicissitudes do cristianismo, podemos inferir que, naquela época os cristãos foram confundidos com os judeus. A conta de Pomponia Graecina, que estava comprometido com a jurisdição de seu marido (Tácito Ann. Xiii.32) para a adesão a uma crença estrangeira (externae rea superstitionis), é frequentemente citado como prova de que tão cedo quanto 57 dC o cristianismo tinha assegurado um converter na aristocracia. A caracterização da evidência neste caso pela autoridade contemporânea de quem Tácito foi adquirida a este incidente seria aplicável de forma adequada para a adesão ao judaísmo ou várias religiões orientais, do ponto de vista dos romanos da época; para Pomponia tinha vivido de uma forma muito austera desde 44 AD. Uma vez que existe alguma outra evidência de que Pomponia era um cristão, a conta por tempo indeterminado da acusação contra ela como mencionado por Tácito é a prova parcial de que o cristianismo não tinha ainda sido comumente reconhecido como uma religião distinta (Marucchi, Elements d'archeologie Chretienne I, 13). Na época do grande incêndio em 64 dC a população sabia dos cristãos, e Nero ordenou-lhes em conjunto com um plano para destruir a cidade (Tácito Ann. Xv.44). O reconhecimento do carácter distintivo do cristianismo já tinha tido lugar neste momento. Esta foi provavelmente devido, em grande medida para as circunstâncias da permanência e julgamento de Paulo em Roma e para o número sem precedentes de convertidos feitas naquela época. A imperatriz Poppea, que foi, provavelmente, um adepto do Judaísmo (Josephus, Ant, XX, viii), pode ter iluminado a corte imperial sobre a heresia dos cristãos e sua separação do estoque pai.

 (2) Na tentativa de determinar aproximadamente a hora em que o cristianismo foi colocado sob a proibição oficial do governo imperial, será conveniente adotar como pontos de partida certas datas incontestáveis ​​entre o que deve ter sido emitido o ato de acusação. É claro que, no momento da grande conflagração (64 dC), a profissão do cristianismo não era um terreno para uma acção criminal. Paul tinha acabado de ser posto em liberdade por decreto da corte imperial (compare 2 Timóteo 4:17 ). Além disso, a acusação contra os cristãos era um complô para queimar a cidade, não a adesão a uma religião proibida, e eles foram condenados, como aparece, por uma atitude de hostilidade em relação a raça humana (Tácito Ann. Xv. 44). Enquanto governador de Bitínia (cerca de 112 AD), Plínio, o Jovem dirigida Trajano em uma carta célebre (x.96) pedindo conselhos para orientar sua conduta no julgamento de muitas pessoas que foram acusados ​​como cristãos, e indagando especialmente se o cristianismo em si foi culposa, ou apenas os defeitos que geralmente acompanhada adesão à nova fé. A resposta do imperador torna bastante simples a culpa fundamentais nesse momento de adesão ao cristianismo, e supõe uma lei já existente contra ele (x.97). Segue-se, portanto, que deve ter sido emitido a lei contra o Cristianismo que foi a base legal para a perseguição entre o incêndio em 64 dC e administração da Bitínia de Plínio.

 Não podemos definir o tempo deste importante acto de legislação mais estreitamente com certeza absoluta, embora a evidência não está querendo para o apoio de teorias de mais ou menos aparente probabilidade. A tradição atribui uma perseguição geral para o reinado de Domiciano, o que implicaria que o cristianismo já era uma religião proibida naquele momento. Alusões do Apocalipse (como 6: 9), as referências às calamidades recentes em Roma por Clement em sua carta aos Coríntios (1 Cor Ad.), A condenação de Acilius Glabrio (Dio Cassius lxvii.13), um homem de posição consular , juntamente com o primo do imperador Flavius ​​Clemens (Dio Cassius, xiii) e Flavia Domitila e muitos outros sob a acusação de ateísmo e costumes judaicos (95 dC), são citados como evidência para esta perseguição. O fato de que um número de pessoas na Bitínia abandonado o cristianismo 20 anos antes da investigação judicial de Plínio (Plínio x. 96) é de alguma importância como provas suplementares.

 

Mas há motivos dignos de consideração para transportar o ponto de partida de volta de Domiciano. A carta de Peter da Babilônia (? Roma) para os cristãos na Ásia Menor implica uma perseguição iminente ( 1Pe 4: 12-16 ). Este foi, provavelmente, nos anos finais do reinado de Nero. Allard inteligentemente observa (Histoire des perseguições, 61) que a menção à perseguição de Nero dos cristãos para além da descrição do grande incêndio na obra de Suetônio (Ner. 16), em meio a uma série de actos de direito, é evidência de a promulgação geral, que deve ter sido adoptada no momento da, ou logo após, os processos que foram instituídos com base na acusação de incêndio criminoso. Sobre toda a teoria de que a política do governo imperial foi definitivamente estabelecida sob Nero traz consigo probabilidade considerável (compare Sulpício Severo, Chron., Ii.41).

 

  1. A perseguição:

Embora a promulgação original foi perdida a correspondência de Plínio e Trajano nos permite formular a política imperial em lidar com os cristãos durante o século 2. A adesão ao cristianismo foi, em si culpado. Mas um processo não estavam a realizar pelos magistrados por sua própria iniciativa; estes deviam proceder apenas a partir de acusações feitas por acusadores voluntários legalmente encarregados de realizar a prova de suas afirmações. informação informal e anônimo deve ser rejeitado. Penitência mostrado na renunciando o cristianismo absolveu o acusado da penalidade legal do ex-culpa. O ato de adorar os deuses e o imperador vivo antes de suas estátuas era prova suficiente de não-adesão ao cristianismo ou do arrependimento.

 

A atitude das autoridades imperiais no século 3 foi menos coerente. O problema tornou-se mais complicado, pois o cristianismo cresceu. A perseguição foi dirigido especialmente contra a igreja como uma organização, uma vez que acreditava-se a exercer um poder perigoso. Sobre 202 AD, Septímio Severo emitiu um decreto proibindo especificamente a conversão ao judaísmo ou do cristianismo (Spartianus, Severo, 17), em que ele partiu do método de procedimento prescrito por Trajano (conquirendi non sunt), e encomendado os magistrados para proceder diretamente contra suspeitos convertidos. Neste momento os cristãos organizaram associações funerárias para a posse de seus cemitérios, substituindo corporativo de propriedade individual, e parece que, sob Alexandre Severo eles abertamente realizada locais de culto em Roma (Lampride, Alexandre Severo, 22, 49). O imperador Philip (244-49) é pensado para ter sido um cristão de coração (Eusébio, HE, VI, 34). Um período de calma comparativa foi interrompida pela perseguição sob Decius (250-51 dC), quando foi exigido o ato de sacrifício como prova da não-adesão ao cristianismo. Vários certificados que atestam a devida execução deste rito foram preservados.

 Sob Valeriano (257 dC), as organizações cristãs foram declaradas ilegais e os cemitérios foram seqüestrados. Mas um édito em 260 AD restaurado esta propriedade (Eusébio, VII, 13). A uma curta perseguição sob Aureliano (274 dC) quebrou o longo período de calma que se estendeu para o primeiro edito de perseguição de Diocleciano (24 de Fevereiro, 303). Os cristãos parecem ter ganhado uma espécie de reivindicação prescritiva de existir, por Diocleciano não considerou à primeira-os culpados de um crime capital. Ele procurou esmagar sua organização ao ordenar a cessação das assembleias, a destruição de igrejas e livros sagrados, e abjuration sob pena de degradação política e social. (Lactâncio, De Morte persecutorum, X.11, 12, 13; Eusébio, VIII, 2; IX, 10). Mais tarde, ele ordenou a prisão de todos os clérigos, que estavam para ser condenado à morte, a menos que renunciassem a fé (Eusébio, VIII, 6). Finalmente, a exigência de um ato de conformidade em sacrificar aos deuses foi feito geral. Esta perseguição final, continuando de forma irregular, com diferentes graus de gravidade, terminou com a derrota de Maxentius por Constantino (29 de outubro, 312). O Edito de Milão emitido por Constantino e Licínio, no ano seguinte estabeleceu a tolerância, a restauração dos bens eclesiásticos ea paz da igreja.

LITERATURA.Allard, Histoire des perseguições, Paris, 1903; Le christianisme et l'Empire Romano, Paris, 1903; Duchesne, Histoire ancienne de l`eglise, Paris, 1907 (tradução em Inglês); Marucchi, Elements d'archeologie Chretienne, Paris, 1899-1902; Hardy, o cristianismo eo Governo Roman, Londres, 1894; Renan, L'Eglise Chretienne, Paris, 1879; Ramsay, A Igreja no Império Romano, Londres, 1893. 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com 

Postado por mauricio berwald