Translate this Page
  • Currently 2.56/5

Rating: 2.6/5 (263 votos)




ONLINE
7




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Manuscritos do novo testamento
Manuscritos do novo testamento

                        Manuscritos do novo testamento (1) 

                  MANUSCRITOS DO NOVO TESTAMENTO (1)

                        PROFESSOR MAURICIO BERWALD

            Texto e manuscritos do Novo Testamento 

  1. fontes de evidência para o texto do Novo Testamento 
  2. Autógrafos dos escritores do Novo Testamento 
  3. fragmentos de papiro do Novo Testamento em grego 
  4. Cópias gregos ou manuscritos do texto do Novo Testamento 
  5. Listados Manuscritos do Novo Testamento em grego

  

(1) Uncials 

(2) minuscules 

  1. versões vernaculares
  2. patrístico cotações 

 

  1. NECESSIDADE DE PENEIRAÇÃO e criticando A EVIDÊNCIA 

III. MÉTODOS DE procedimento crítico 

  1. HISTÓRIA DO PROCESSO

 

A evidência literária ao texto do Novo Testamento é muito mais abundante do que a qualquer outra série de escritos de como bússola em toda a gama de letras antigas. Dos livros sagrados da Bíblia hebraica não há cópia conhecida antedating o 10º século. De Homer não há nenhuma cópia completa mais cedo do que o século 13. De Heródoto não há nenhum manuscrito anterior ao século 10. De Vergil, mas uma cópia é anterior ao século 4, e apenas um fragmento de todos os escritos de Cícero é ainda tão antiga quanto a isso. 

 

Do Novo Testamento, no entanto, temos dois manuscritos esplêndidas do século 4, pelo menos dez do quinto, vinte e cinco do 6º e em todos um total de mais de quatro mil exemplares no todo ou em parte do Novo Testamento grego. Para estas cópias do texto em si pode ser adicionado a evidência muito importante e ainda mais antiga das versões do Novo Testamento em latim, siríaco, e línguas egípcio e as citações e referências claras às leituras do Novo Testamento encontrados nas obras dos primeiros Padres da Igreja, bem como as inscrições e dados monumentais na Síria, Ásia Menor, África, Itália e Grécia, que datam da muita idade dos apóstolos e seus sucessores imediatos. Assim, parece que os documentos da fé cristã são ambos tantos e tão amplamente espalhadas que estes próprios fatos mais do que qualquer outros têm constrangido a determinação final do texto. Agora, no entanto, a ciência da crítica textual tem tão avançada e os problemas textuais do Novo Testamento grego foram tão bem percorrido que se pode ler os escritos cristãos com uma certeza de garantia de aproximação.

 

Professor Eberhard Nestle fala do texto grego do Novo Testamento emitido por Westcott e Hort como o "mais próximo na sua abordagem para o gol." edição do aluno do Professor Alexander Souter dos Revisores 'Novo Testamento grego, Oxford, 1910, sem dúvida atinge até mesmo uma marca d'água superior. É o objectivo do presente artigo para detectar, na medida em que pode ser feito de uma maneira clara e não técnico, o processo de conexão entre os escritos originais e este, um dos mais recentes das edições do Novo Testamento grego.

 

  1. Fontes de evidência para o texto do Novo Testamento.

 

  1. Autógrafos dos escritores do Novo Testamento:

 

Até muito recentemente não tem sido habitual para assumir com algum grau de confiança, em sua totalidade, objecto de autógrafos do Novo Testamento, mas desde que as pesquisas em particular de Dalman, Deissmann, Moulton (WF) e Milligan (George), a tarefa é não só adequado, mas compete ao estudante cuidadoso. Toda a tendência da recente investigação é dar menos lugar para a tradição oral de vida e os ensinamentos de Cristo e para pressionar volta da data da escritura dos Evangelhos sinópticos para o período compreendido entre Pentecostes e da destruição de Jerusalém. Sir William M. Ramsay vai tão longe ao afirmar que "probabilidade antecedente fundada sobre o caráter geral do grego pessoal e contemporânea da sociedade Gr-asiática" indicaria que a primeira conta de Christian das circunstâncias relacionadas com a morte de Jesus deve ser presumido ter sido escrito no ano em que Jesus morreu. "(cartas às Sete Igrejas, 7) WM Flinders Petrie argumenta para o mesmo fim e diz:" Algumas geralmente aceitos Evangelhos deve ter sido em circulação antes de 60 AD. A massa de registros mais breves e Logia que os hábitos e cultura daquela época iria produzir deve ter sido soldadas entre si dentro de 10 ou 20 anos pelas necessidades externas "(O crescimento dos Evangelhos, 7).

 

Os autógrafos de escritores do Novo Testamento foram perdido há muito tempo, mas a descoberta, durante os últimos anos de documentos contemporâneos nos permite formar noções bastante claros quanto à sua personagem literária geral e condição. Em primeiro lugar papiro foi, provavelmente, o material empregado por todos os escritores do Novo Testamento, até mesmo o original do Evangelho Mateus e a epístola geral de James, os únicos livros escritos dentro da Palestina, não sendo exceção, a razão para que eles não foram originalmente escritos com vista à sua utilização litúrgica, em que, eventualmente, têm sido empregadas caso pergaminho. Mais uma vez a evidência dos escritos próprios testemunhas dos vários processos literários seguido durante o 1º século. Ditado foi amplamente seguido por Paul, os nomes de pelo menos quatro de seus secretários, Tércio, Sóstenes, Timothy, e Sylvanus, sendo dado, enquanto o próprio mestre, como em muitos dos papiros egípcios, anexado a sua própria assinatura, às vezes com um frase ou duas no final.

 O método de pesquisa pessoal foi perseguido, bem como a compilação de diversos dados, incluindo folclore e genealogias, em conjunto com o agrupamento de assuntos cognatos em formas artísticas e citação abundante em escritos tidos em alta estima pelos leitores, como no primeiro e terceiro Evangelhos e no Livro de Atos. A cópia apresentação de um de obras deve ter sido escrito com dores incomuns no caso de sua dedicação a um patrono patrício, como Lucas de "excelentíssimo Teófilo." Para especulação quanto às dimensões prováveis ​​dos rolos de papiro originais dos livros do Novo Testamento, um vai encontrar Professor J. Rendel Harris e Sir F. G. Kenyon extremamente sugestiva e de pontos de vista opostos; comparar Kenyon, Manual da crítica textual do Novo Testamento; Harris, Novo Testamento autógrafos.

 

Comparativamente poucos fragmentos de papiro do Novo Testamento são agora conhecidos como existentes, e nenhum livro completo do Novo Testamento foi ainda encontrado, embora os sucessos em matéria de escritos gregos contemporâneos inspirar confiança que dentro em breve os montes de lixo do Egito se recompensar o explorador diligente. Da Septuaginta (Antigo Testamento grego) um pouco mais veio à luz do que o Novo Testamento, enquanto os papiro cópias e fragmentos de Homer são quase diariamente a aumentar.

 

A lista abaixo é condensado da de Handbook da crítica textual do Novo Testamento, 2ª edição, 1912,41 ff de Sir Frederick G. Kenyon, utilizando o método da notação do Dr. Gregory.

 

  1. fragmentos de papiro do Novo Testamento em grego:

 

P1Mat 1: 1-9, Mateus 1:12, Mateus 1: 14-20. 3º século. Encontrado em Oxyrhynchus em 1896, agora na Universidade da Pensilvânia. Veja a ilustração sob papiro.

 

P2Joh 12: 12-15 em grego no verso, com Luke 07:18 ff em Sahidic no recto. 5º ou 6º século. Em forma de livro, no Museu Arqueológico, Florença.

 

P3 Lucas 7: 36-43; Lucas 10: 38-42. 6º século. Em forma de livro. Na coleção Rainer, Viena.

 

P4 Lucas 1: 74-80; Lucas 5: 3-8, 30 a 6: 4. 4o século. Em forma de livro. Encontrado no Egito se juntou a um manuscrito de Philo; agora no Bibliotheque Nationale, Paris.

 

P5 João 1: 23-31, João 1: 33-41; João 20: 11-17, João 20: 19-25. 3º século. Uma folha exterior de um livro-quire única. Encontrado em Oxyrhynchus e agora no Museu Britânico.

 

P6 John 11:45. Universidade de Estrasburgo.

 

P7 Lucas 4: 1, Lucas 4: 2. Museu Arqueológico de Kieff.

 

P8 Atos 4: 31-37; Atos 5: 2-9; Atos 6: 1-6, Atos 6: 8-15. 4o século. No Museu de Berlim.

 

P9 1 João 4: 11-13, 1 João 4: 15-17. 4º ou 5º século. Em forma de livro. Encontrado em Oxyrhynchus; agora na Biblioteca da Universidade de Harvard.

 

P10 Romanos 1: 1-7. 4o século. Encontrado em Oxyrhynchus; agora na Biblioteca da Universidade de Harvard.

 

P11 1 Coríntios 1: 17-20; 1 Coríntios 6: 13-18; 1 Coríntios 7: 3, 1 Coríntios 7: 4, 1 Coríntios 7: 10-14. 5o século. Na Biblioteca Imperial em Petersburgo.

 

P12 Hebreus 1: 1. 3d ou 4º século. Na Biblioteca Amherst.

 

P13 Hebreus 2:14 a 5: 5; 10: 8 a 11:13; 11:28 através 12:17. 3 ou 4 século. Encontrado em Oxyrhynchus; agora no Museu Britânico.

 

P14 1 Coríntios 1: 25-27; 1 Coríntios 2: 3-8; 1 Coríntios 3: 8-10, 1 Coríntios 3:20. 5o século. Em forma de livro; no Mosteiro de Catherine, Mt. Sinai.

 

P15 1 Coríntios 7:18 a 8: 4; Filipenses 3: 9-17; Filipenses 4: 2-8. 4o século. Encontrado em Oxyrhynchus.

 

P16 Romanos 12: 3-8. 6º ou 7º século. Biblioteca de Ryland, Manchester.

 

P17 Tito 1: 11-15; Tito 2: 3-8. 3º século. Biblioteca de Ryland, Manchester.

 

P18 Hebreus 9: 12-19. 4o século. Encontrado em Oxyrhynchus.

 

P19 Apocalipse 1: 4-7. 3º ou 4º século. Encontrado em Oxyrhynchus.

 

  1. As cópias gregas ou manuscritos do texto do Novo Testamento:

 

cópias ou manuscritos do texto do Novo Testamento grego até agora têm sido e provavelmente continuará a ser a principal fonte de dados neste campo grande. Para determinar a existência do texto na sua forma mais antiga dos autógrafos são de valor supremo. Para a determinação do teor ou a extensão do texto as versões são de maior valor. Para estimar o significado e ao mesmo tempo para a obtenção de dados adicionais, tanto quanto à existência ea importância do uso do Novo Testamento, as cotações de seu texto pelos Padres da Igreja, seja como apologistas, pregadores, ou historiadores, na Assíria, Grécia , África, Itália e Gália, são de superior importância. Mas para determinar as leituras do texto em si manuscritos gregos ou cópias dos autógrafos originais ainda são a principal evidência de críticas.

 Cerca de 4.000 manuscritos, no todo ou em parte, do Novo Testamento grego são agora conhecidos. Estes manuscritos fornecer evidências abundantes para determinar a leitura de praticamente todo o Novo Testamento, enquanto que para os Evangelhos e mais importante Epístolas a evidência é sem precedentes para a quantidade e para a clareza. Eles são geralmente divididos em duas classes: Uncial, ou grande mão e Minuscule ou pequena mão, muitas vezes chamado Cursive. O termo "cursiva" não é satisfatória, uma vez que não coordenar com o termo "uncial", nem são os chamados recursos cursiva, como ligaduras e formas ovais confinados aos manuscritos minúsculos. Os uncials compreendem cerca de 140 cópias que se estendem a partir do 4º ao 10º séculos. Os minuscules incluem os manuscritos restantes e cair entre os séculos 9 e a invenção da imprensa. Com isto, é dada uma breve descrição de algumas das principais manuscritos, ambos uncial minúscula e, do Novo Testamento.

 

  1. Lista dos Manuscritos do Novo Testamento em grego:

 

(1) Uncials.

 

Codex Sinaiticus encontrado por Tischendorf no monastério de Catherine no Monte Sinai e agora na Biblioteca Imperial em Petersburgo; 4o século. Este é o único uncial que contém todo o Novo testamento. Ele também tem a Epístola de Barnabé e parte do Pastor de Hermas e possivelmente originalmente a Didaqué. As marcas de muitos correctores são encontradas no texto. Ele é escrito em 147 1/2 folhas de pergaminho muito fino em quatro colunas estreitas de 48 linhas cada. As páginas medir 15 10 13 1/2 pol., E as folhas estão dispostas em quaternions de quatro folhas. A folha aberta expondo oito colunas lembra muito um rolo de papiro aberto. Há apenas a pontuação rudimentar e sem uso de acento ou letras iniciais, mas os números de seção Eusebian são encontrados na margem dos Evangelhos.

 

Códice Alexandrino (A), assim chamado, uma vez que era suposto ter vindo de Alexandria, sendo o dom de Cyril Lucar, de uma só vez Patriarca de que a província, embora mais tarde de Constantinopla, de Charles I, através do embaixador Inglês no tribunal turco em 1627, e em 1757 apresentou à Biblioteca Real e agora no Museu britânico. É, sem dúvida, pertence ao século 5, e tem todo o Novo Testamento, faltando agora apenas partes de Mateus, João e 1 Coríntios, bem como as duas epístolas de Clemente de Roma e do Salmo de Salomão. Ele é escrito em pergaminho fino em duas colunas de 41 linhas para a página, que Isaías 12 5/8 10 10 3/8 in .; emprega maiúsculas iniciais frequentes, e está dividido em parágrafos, mas não tem sinais marginais, exceto nos Evangelhos. Várias mãos diferentes são descobertos no estado actual do MS.

 

Codex Vaticanus (B), desde 1481, pelo menos, o chefe do tesouro da Biblioteca Vaticana, e universalmente estimado para ser o manuscrito mais antigo e melhor do Novo Testamento em grego; 4o século. Escrito em pergaminho muito fina, as folhas quase em formato quadrado, 10 10 10 1/2 pol., Com três colunas estreitas de 40-44 linhas por coluna e cinco folhas tornando o quire. Uma parte da Epístola aos Hebreus e as Pastorais, Filemom e Apocalipse estão faltando. É sem acentos, sopros ou pontuação, embora corrigidas e refez por mãos mais tarde. Nos Evangelhos as divisões são de uma data anterior no Codex Sinaiticus. A teoria da Tischendorf que Codex Sinaiticus e o Codex Vaticanus foram em parte preparado pelo mesmo lado e que ambos estavam entre os 50 manuscritos feitos sob a direção de Eusébio de Cesaréia em 331 para uso no imperador nova capital de Constantino, não é agora geralmente aceitaram.

 

Codex Ephraemi Rescriptus (C). Esta é a grande palimpsesto (duas vezes por escrito) manuscrito do grupo uncial, e originalmente continha todo o Novo Testamento. Agora, no entanto, uma parte - cerca de metade - de cada livro está faltando, e 2 Tessalonicenses e 2 John está totalmente desaparecido. Ele pertence ao século 5, está escrito na boa vitela 9 10 12 1/2 pol. Para a página de 41 linhas, e de uma coluna no texto original, embora os escritos sobrepostas de Ephraem estão em dois. iniciais alargada e as secções marginais Eusebian são usados ​​e várias mãos corrigiram as MS. Veja Fig. 2. Trazido a Itália do Oriente no século 16, ele veio para a França com Catarina de Médici e está agora no Bibliotheque Nationale, Paris.

 

Codex Bezae (D). Este é o manuscrito cedo conhecido que Theodore Beza obtido em 1562 a partir do mosteiro de Irineu em Lyon e que deu em 1581 para a Universidade de Cambridge, onde ele é agora. É um texto grego-latino, o grego segurando o lugar principal na página esquerda, medindo 8 10 10 pol., E as datas provavelmente a partir do final do século 5. Ambos grego e latim são escritos em grandes uncials e divididos em cláusulas curtas e linha correspondente para a linha. As mãos de não menos de nove corretores foram rastreados, e as questões críticas decorrentes do caráter das leituras estão entre os mais interessante em toda a gama de crítica bíblica e ainda estão abaladas. Ele contém apenas os Evangelhos e Actos com um fragmento de 3 de John.

 

 

Codex Washingtoniensis (W). Os Estados Unidos têm agora na Biblioteca Nacional (Smithsonian) na capital um dos manuscritos unciais mais importante do Novo Testamento grego. É um códice completo dos Evangelhos, em uma mão ligeiramente inclinada, mas muito antigo, escrito em boa velino, em uma coluna de 30 linhas para a página, e 6 10 9 pol. De tamanho. Por todos os testes normalmente dado, ele pertence ao período dos primeiros códices, possivelmente do século 4º. Como Codex Bezae (D), tem a ordem dos Evangelhos: Mateus, João, Lucas, Marcos e contém uma interpolação apócrifa no final longo de Mark para o qual nenhuma outra autoridade grega é conhecida, embora seja provavelmente a que se refere Jerome. Foi publicado em fac-símile pelo Sr. C. L. Freer de Detroit, que obteve o manuscrito no Egito, em 1906, e é editado pelo Professor H. A. Sanders para a University of Michigan Press, 1911.

(notas  International Standard Bible Encyclopediaotas bibliografia ).

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

 

Postado por mauricio berwald

 

 

 

 

 

Manuscritos do novo testamento (2)


 

 

              MANUSCRITOS DO NOVO TESTAMENTO (2)

 

 

 

            

(2) minusculas.

 

 

 

Fora dos milhares de manuscritos minúsculos agora conhecidos apenas os quatro usado por Erasmus, em conjunto com um encontrado agora nos Estados Unidos, serão enumerados.

 

  1. Este é um códice do século 11 em Basileia. Deve ter sido copiado de um bom uncial, desde o seu texto, muitas vezes concorda com Codex Sinaiticus e Códice Vaticano.

 

1R. Do século 12, e agora em Mayhingen, Bayaria: Este é o único manuscrito Erasmus teve de Revelação em seus editio princeps, e estar com defeito, no final, Apocalipse 22: 16-21, ele forneceu o texto grego de retraduzir do latim ; comparar Textus Receptus do Novo Testamento e do King James Version. De um modo geral, este manuscrito é de alta qualidade.

 

  1. Este é um manuscrito do século 15 em Basileia, e foi àquele em que Erasmus mais dependia para a sua 1ª edição, 1516. Ela reflete uma boa qualidade de texto.

 

2AP. Alguns têm atribuído este manuscrito do século 12, embora foi provavelmente mais tarde. É em Basileia, e foi o principal texto usado por Erasmus nos Atos e Epístolas.

 

  1. Uma ilustração de um bom tipo de minúsculo dos Evangelhos é tomada a partir Evangelistaria 667, que veio de uma ilha do Mar da Marmorn; comprado em Constantinopla pelo Dr. Albert L. Longo em 1892 e agora no Seminário Biblioteca desenhou no Madison, NJ

 

  1. Versões vernacular:

 

Vernáculo VSS, ou traduções das Escrituras para as línguas da cristandade ocidental, foram, alguns deles, feito tão cedo quanto o século 2, e, portanto, são anteriores por várias gerações o nosso mais conhecido texto grego. É considerado por muitos como providencial que a Bíblia foi cedo traduzida em diferentes línguas, de modo que sua corrupção a qualquer grande medida tornou-se quase se não totalmente impossível, uma vez que as versões de necessidade pertencia a partes da igreja amplamente removidos um do outro e com muito diversas tendências doutrinárias e institucionais. O depoimento de traduções para a forma exata de palavras usado em um autógrafo ou uma cópia grega de um autor é na melhor das hipóteses não indiscutível, mas como evidência para a presença ou ausência de seções inteiras ou cláusulas do original, a sua posição é de primordial importância. Tal literalidade extrema frequentemente prevalece que o idioma vernáculo é totalmente posta de lado e a ordem e construção de palavras nas fontes originais são servilmente seguiu e até mesmo transliterado, de modo que sua influência sobre muitas questões em causa é direto e convincente. Embora o Novo Testamento grego agora foi traduzido em todas as principais línguas da terra, a crítica comparativa é limitar-se às versões feitas durante os primeiros oito séculos.

 

  1. patrístico cotações:

 

patrístico cotações pagar uma única base de evidências para determinar leituras do Novo Testamento. Então, capaz e energético foram os Padres da Igreja dos primeiros séculos que é inteiramente provável que todo o texto do Novo Testamento grego poderia ser recuperada a partir desta fonte sozinho, se os escritos de apologistas, homilists e comentaristas foram cuidadosamente recolhidos. Também é verdade que os primeiros hereges, assim como os defensores da fé reconheceu a importância de determinar com precisão o texto original, de modo que seus restos também compreendem nenhuma fonte de média para a pesquisa crítica.
 É evidente que o valor de cotações patristic irá variar de acordo com factores tais como a fiabilidade da leitura, como citado, a equação ou hábitos pessoais de precisão ou soltura do escritor particular, e a pureza ou corrupção do texto emprega. Uma das vantagens marcadas deste tipo de evidência surge do fato de que este ofereça motivo adicional para localizar e datando as várias classes de textos encontrados tanto em cópias originais e em versões. Para estudo geral dos Padres da Igreja mais proeminentes da 2ª, 4ª 3e séculos são suficientes, embora a investigação rentável pode ser feita de um período muito mais amplo. Até o início do século 5, no entanto, o tipo de texto citado quase universalmente foi muito próxima da que agora conhecido como o Textus Receptus.

 

  1. Lecionários e um serviço de Livros:

 

Lecionários e prestadores de livros do início do período cristão pagar uma fonte de valor considerável na determinação do tipo geral de textos, juntamente com a ordem e conteúdo e distribuição dos vários livros da Canon. À medida que os sistemas lectionary ambas as igrejas orientais e ocidentais remontam aos tempos pós-apostólicos e todos são marcados por grande conservadorismo verbal, eles apresentam dados de valor real para determinar certos problemas de crítica textual. Pela própria natureza do caso, a ser compilado para um uso litúrgico, as leituras são muitas vezes introduzidas e acabou por fórmulas prontas, mas estes são facilmente separados do texto em si, que geralmente segue cópia fiel. Mesmo os sistemas de títulos dos capítulos e divisões fornecer pistas para classificar e comparar textos, pois há grande probabilidade de que os textos com o mesmo capítulo divisões vêm do mesmo país. Provavelmente o mais antigo sistema de divisões de capítulos é preservada no Codex Vaticanus, vindo até nós a partir de Alexandria, provavelmente por meio de Caesarea. 
Que antecede o códice no qual aparece é visto a partir do fato de que as Epístolas Paulinas são numerados como compreendendo um livro contínuo com um intervalo entre Gálatas e Efésios e os números de seção deslocados ligados a Hebreus que segue 2 Tessalonicenses aqui, embora os números indicam a sua posição anterior depois de Gálatas. Outro sistema de divisões de capítulo, pelo menos tão antigo quanto o século 5, encontrada no Códice Alexandrino, corta o texto em seções muito maiores, conhecidos como Cephalia Majora. Em todos os casos, a enumeração começa com a segunda secção, a primeira sendo considerada introdutória. Bispo Eusébio desenvolveu um sistema de divisão de texto dos Evangelhos com base em um método anteriormente atribuída a Amônio, adicionando uma série de tabelas ou Cânones. A primeira tabela contida seções dando eventos comuns a todos os quatro evangelistas, e seu número foi escrito abaixo o número da seção na margem em cada Evangelho, de modo que seus paralelos poderiam ser facilmente encontrados. A 2ª, 4ª 3e Cânones contêm listas de seções em que três dos Evangelhos têm passagens em comum (a combinação Marcos, Lucas, João, não ocorre). O 5º, 6º, 7º, 8º e 9º contêm listas em que duas combinam (a combinação Mark, John, não ocorre). Canon 10 contém aqueles peculiares a algum dos Evangelhos.

 

  1. Necessidade de Triagem e criticar as provas.

 

Críticas de sua própria natureza, preocupa-se inteiramente com os problemas sugeridos pelos erros de vários tipos que ela traz à luz. Nos escritos do Novo Testamento os recursos da evidência textual são tão vastas, superior, como vimos, as de qualquer outra literatura antiga, sagrada ou secular, que a área de erro real é relativamente bastante apreciável, embora deva ser lembrado que essa mesma abundância de variedade textuais em última análise, contribui para a integridade e unidade doutrinal do ensinamento dos livros do Novo Testamento. emenda conjectural que tem desempenhado uma parte tão importante na restauração de outros escritos, mas tem ligeira lugar na crítica textual do Novo Testamento, cujos materiais são tão abundantes que a dificuldade é bastante para selecionar representações certa do que inventá-los. Temos catalogado as principais fontes de leituras corretas, mas sobre a investigação mais casual de-los a descobrir um grande número de leituras erradas misturavam-se com o verdadeiro, e deve continuar a considerar as fontes de erro ou várias leituras, como são chamados, dos quais cerca de cerca de 200.000 são conhecidos como existentes nos vários manuscritos, VSS, citações patrísticas e outros dados para o texto.

 

"Não", como Dr. Warfield diz, "que há 200.000 lugares no Novo Testamento, onde várias leituras ocorrer, mas que existem cerca de 200.000 leituras todos dito e, em muitos casos, os documentos assim que diferem entre si que muitos várias leituras são contou com uma única palavra, para cada documento é comparado por sua vez, com um padrão e o número de suas divergências determinado, então essas somas são-se somados e o resultado dado como o número de variações realmente observados ". Dr. Ezra Abbott estava acostumado a observar que "cerca de dezenove-vigésimos das variações têm tão pouco apoio que, embora existam várias leituras, ninguém iria pensar neles como leituras rivais, e dezenove-vigésimos de o restante são de tão pouco importância que a sua aprovação ou rejeição causaria nenhuma diferença apreciável no sentido das passagens em que eles ocorrem ". 
A visão do Dr. Hort foi que "após cerca de uma palavra em oito, várias leituras existem apoiada por elementos de prova suficientes para licitar fazer uma pausa e olhar para ele; cerca de uma palavra em sessenta tem várias leituras sobre ela apoiado em provas como para tornar a nossa decisão agradável e difícil, mas que tantas variações são triviais que apenas cerca de uma palavra em cada mil tem sobre ela variação substancial apoiada em provas como para chamar os esforços do crítico para decidir entre as leituras. " O dito muitas vezes repetida de Bentley ainda é válido que "o texto real dos escritos sagrados é competentemente exata, nem é um artigo de fé ou preceito moral, quer pervertida ou perdido, escolher como desajeitadamente como quiser, escolher o pior de design, fora de toda a massa de leituras ". Apesar de tudo isso, o verdadeiro erudito deve ser feita justamente para discriminar em matéria de diversas leituras.

 

A partir da própria natureza do caso, é provável que os erros devem ser freqüente no Novo Testamento; na verdade, obras, mesmo impressos não são livres a partir deles, como é visto nas edições mais cuidadosamente editado da Bíblia Inglês, mas nos manuscritos a dificuldade é aumentada em proporção direta ao número de várias cópias ainda existentes. Há duas classes de erros que dão origem a várias leituras, inconscientes ou não intencionais e conscientes ou intencionais.

 

  1. Primeira Classe:

 

Da primeira classe, a dos erros inconscientes, existem cinco tipos:

 

(1) Erros do olho.

 

Erros do olho, onde a visão do copista confunde letras ou terminações que são semelhantes, escrita por exemplo capital de ρ Ο2 Επ para capital de ρ Ο2 Σπ; capital de ρ Ο2 Οπ para capital de ρ Ο2 Θπ; capital de ρ Ο2 Απ para capital de ρ Ο2 Λπ ou de capital ρ Ο2 Δπ; capital de ρ Ο2 Ππ para capital de ρ Ο2 Τπ e capital de ρ Ο2 Ιπ (escrito em conjunto, ΤΙ); ΠΑΝ para ΤΙΑΝ; capital de ρ Ο2 Μπ para um casal de capital ρ Ο2 Λπ (ΛΛ). Aqui deve ser nomeado homoeoteleuton, que surge quando duas linhas sucessivas em uma extremidade cópia da mesma palavra ou sílaba e o olho percebe a segunda linha, em vez de o primeiro eo copista omite as palavras intervenientes como no Codex Ephraemi de João 6:39.

 

(2) Os erros da caneta.

 

Aqui é classificada tudo o que o corpo de variação devido ao miswriting pela mão do escritor do que é corretamente o suficiente em sua mente, mas por descuido ele falhar justamente a transferência para a nova cópia. Transposição de letras semelhantes evidentemente ocorreu em códices E, M e H de Marcos 14:65, também em H2 L2 de Atos 13:23.

 

(3) Os erros de expressão.

 

Aqui estão incluídas aquelas variações que surgiram a partir das formas habituais de discurso para que o escriba, no caso particular estava acostumado e que, portanto, estava inclinado a escrever. Sob esta cabeça vem "itacismo", decorrente da confusão de vogais e ditongos, especialmente no ditado. Assim, iota (ι) está constantemente a escrita como epsilon-iota (ει) e vice-versa; alfa-iota (αι) para epsilon (ε); eta (η) e iota (ρ Ο2 ιπ) para epsilon-iota (ει); eta (ρ Ο2 ηπ) e omicron-iota (οι) para upsilon (ρ Ο2 υπ); omicron (ρ Ο2 οπ) para omega (ρ Ο2 ωπ) e epsilon (ρ Ο2 επ) para eta (ρ Ο2 ηπ). Observa-se que no Codex Sinaiticus temos preferências de escriba para iota (ρ Ο2 ιπ) sozinho, enquanto no Codex Vaticanus epsilon-iota (ει) é o preferido.

 

(4) Os erros de memória.

 

Estes são explicados como tendo surgido a partir da "copista segurando uma cláusula ou sequência de letras em sua memória um pouco traiçoeira entre o olhar para o manuscrito a ser copiado e sua escrita para baixo o que viu lá." Aqui estão classificadas as inúmeras mudanças insignificantes na ordem das palavras e a substituição de sinônimos, como εἶπεν para ἔφη, ἐκ para ἀπό, e vice-versa.

 

(5) erros de julgamento.

 

Sob esta classe Dr. Warfield cita "muitos erros de leitura da abreviaturas, como também a aprovação da marginal glosses no texto pelo qual grande parte da corrupção mais impressionante que entrou o texto foi produzido." casos notáveis ​​deste tipo de erro são encontradas em João 5: 1-4, explicando como isso aconteceu que as águas de Bethesda foram cura; e em João 7:53 através 08:12, a passagem relativa a adúltera, e os últimos doze versos de Marcos.

 

  1. Segunda Classe:

 

Virando-se para a segunda classe, a dos erros conscientes ou intencionais, podemos tabular:

 

(1) linguística ou retórica correções.

 

correcções linguísticas ou retóricas, sem dúvida, muitas vezes feitos em toda boa fé, sob a impressão de que um erro tinha anteriormente havido no texto e precisava de correção. Assim, segundo terminações aoristas em α são alterados para ¼ e semelhantes.

 

(2) correções históricas.

 

Sob esta cabeça é colocado tudo o que grupo de alterações semelhantes ao caso em Marcos 1: ". Os profetas" 2, onde a frase "o profeta Isaías" é transformada em

 

(3) Harmonistic correções.

 

Estes são bastante frequentes nos Evangelhos, por exemplo, a tentativa de assimilação da Oração do Senhor em Lucas para a forma mais completa em Mateus, e muito possivelmente a adição das palavras "do pecado" para a frase em João 8:34, "Todo aquele que pratica o pecado é um escravo." Um determinado grupo de corrupções harmonistic onde escribas permitem a memória, talvez inconscientemente, para afetar a escrita pode ser corretamente classificada em (4) acima.

 

(4) correções doutrinárias.

 

Destes, é difícil afirmar qualquer casos inquestionáveis, a menos que seja a celebrada passagem trinitária (King James Version, 1 João 5: 7, 1 João 5: 8) ou as várias passagens em que o jejum é, juntamente com a oração, como em Mateus 17 : 21; Marcos 9:29; Atos 10:30; 1 Coríntios 7: 5.

 

(5) As correcções litúrgica.

 

Estes são muito comuns, especialmente nas lectionaries, como no início das aulas, e ainda são encontrados no início uncials, por exemplo, Lucas 8:31; Lucas 10:23, etc.

 

III. Métodos de Processo crítico.

 

Aqui, como em outras disciplinas humanas a necessidade é a mãe da invenção, e os princípios do procedimento crítico descansar quase inteiramente sobre os dados relacionados com os erros e discrepâncias que consciente ou inconscientemente infiltraram no texto. A máxima do Dr. George Salmon que "Deus tem em nenhum momento deu a Sua igreja um texto absolutamente livre de ambiguidade" é verdadeira mandado para uma investigação livre e continuou neste campo atraente de estudo. O processo de crítica textual evoluiu gradualmente certas regras baseadas em juízos formados após pacientemente classificar e tendo em conta todas as provas documentais disponíveis, tanto interno como externo.

 

(1) Uma leitura mais velha é preferível para uma posterior, uma vez que se presume estar mais próximo do original. No entanto, a mera idade não é prova segura de pureza, como é agora claro que muito muitas das corrupções do texto tornou-se atual em uma data próxima, de modo que em alguns casos se verificar que as cópias posteriores representam realmente uma leitura mais antiga.

(2) uma leitura mais difícil, se bem suportado, é preferível um que é mais fácil, uma vez que é a tendência dos copiadores de substituir uma leitura fácil, bem conhecido e lisa para uma que é dura, invulgar e não gramatical. Este era comumente feito com a melhor das intenções, o escriba, supondo que ele estava prestando um verdadeiro serviço à verdade.

 

(3) Um menor é preferível para uma leitura mais longa, uma vez que aqui novamente a tendência comum dos escribas é para adições e inserções em vez de omissões. Daí surgiu, em primeiro lugar, as glosas marginais e inserções entre as linhas que transcritores posteriores incorporadas ao texto. Embora esta regra tem sido amplamente aceito, ele deve ser aplicado com a discriminação, uma leitura mais sendo em alguns casos claramente mais em harmonia com o estilo do original, ou no mais curto tendo surgido a partir de um caso de homoeoteleuton.

 

(4) A leitura é preferível, outras coisas sendo iguais, a partir do qual a origem de todas as leituras alternativas podem claramente ser derivadas. Este princípio é ao mesmo tempo de extrema importância e, ao mesmo tempo, exige a aplicação mais cuidadosa. É um de dois gumes espada afiada, tanto perigosa para o usuário e para os seus adversários.

 

(5) A leitura é preferível, diz Scrivener, "que melhor combina com o peculiar estilo, forma e hábitos de pensamento de um autor, sendo a tendência dos copistas a ignorar as idiossincrasias do escritor. No entanto, hábito ou o amor de correção crítica às vezes pode levar o escriba, que muda o texto ao estilo mais usual de seu autor, bem como afastar-lo por ignorância, para que possamos de forma segura. aplicar a regra apenas quando a evidência externa não é de forma desigual equilibrado. ".

 

(6) Uma leitura é preferível que reflecte sem viés doutrina, se ortodoxo, de um lado ou herética por outro. Este princípio é tão óbvia que seja aceite por todos os lados, mas na prática ampla divergência surge, devido ao viés doutrinário do próprio crítico.

 

Estas são as principais cânones de evidência interna. No lado de evidência externa pode ser resumido que já tem sido implicado:

 

(1) A leitura mais antigo é geralmente aquele que é apoiado pelos manuscritos mais antigos.

 

(2) Uma leitura que tem o apoio incontestável dos primeiros manuscritos, versões e escritores patrísticos é original, sem dúvida.

 

(3) A discordância de autoridades início geralmente indica a existência de corrupção antes de todos eles.

 

(4) preponderância numérica Mere de testemunhas (para uma leitura) de qualquer uma classe, localidade ou tempo, é da insignificância comparativa.

 

(5) grande significado deve ser concedido para o depoimento de testemunhas de localidades ou tempos amplamente separados, e isso só pode ser atingido de forma satisfatória por um acordo de balanceamento de testemunhas também de diferentes épocas e localidades.

 

Estas regras, no entanto todos eles são excelentes e cada um foi empregue por diferentes críticos com bons resultados, são agora um tanto deslocadas, ou em vez completada, pela aplicação de um princípio muito amplamente utilizado, embora não seja descoberto, por Westcott e Hort, conhecido como o princípio da genealogia de manuscritos. A inspeção de um conjunto muito vasto de testemunhas de texto do Novo Testamento levou à sua classificação em grupos e famílias de acordo com os seus erros predominantes, sendo óbvio que quanto maior for a comunidade de erros quanto mais perto a relação de testemunhas. Embora alguns dos termos usados ​​por Westcott e Hort, bem como o seu conteúdo, têm dado origem a críticas bem colocado, mas o seu agrupamento de manuscritos é tão auto-convencer que ordena feira, com mais ligeira modificação, para observar, como tem até agora feito, o primeiro lugar no campo. Sir Frederick G. Kenyon foi tão admiravelmente afirmou o método que a essência de sua conta será dado, em grande parte usando suas palavras idênticas (Manual da crítica textual do Novo Testamento, 2ª edição, Londres, 1912). 
Como em toda a crítica científica, quatro passos são seguidos por Westcott e Hort: (a) As leituras individuais e as autoridades para eles são estudados; (B) uma estimativa é formado o caráter das várias autoridades; (100) é feito um esforço para agrupar estas autoridades como descendentes de um ancestral comum, e (d) as leituras individuais são novamente retomada e a primeira estimativa provisória de sua probabilidade comparativa revisto à luz dos conhecimentos adquiridos quanto ao valor ea inter-relação das várias autoridades.

 

 

Aplicando estes métodos, quatro grupos de textos emergem da massa de início testemunhas: (a) A Antiochian ou síria, o mais popular de todos e na base do grego Textus Receptus e o Inglês King James Version; nos Evangelhos os grandes uncials Alexandrinus e Ephraemi (c) Apoiar-lo, bem como Codex N, Codex Sigma e Codex Phi, a maioria dos uncials mais tarde e quase todos os minuscules, a versão Peshitta-sírio e a maior parte dos Padres da Igreja de Crisóstomo ; (B) o neutro, um termo que dá origem a críticas de todos os lados e por alguns deslocado pelo termo egípcio; este grupo é pequeno, mas de alta antiguidade, incluindo S B 50 T Z, A e C, salvo nos Evangelhos, as versões coptas (especialmente o Bohairic) e alguns dos minuscules, nomeadamente 33,81; (100) o Alexandrino, muito próxima ao grupo neutro, não foi encontrado integralmente em qualquer um manuscrito, mas rastreáveis ​​em tais manuscritos como S 100 50 X, 33, e a versão Bohairic, quando eles diferem dos outros membros liderados pelo B; (D) o ocidental, um outro termo considerada ambígua, já que inclui alguns manuscritos importantes e pais muito antigas e muito orientais; aqui pertencem DD2 E2 F2 G2 entre as uncials, 28.235, 383.565, 614.700, e 876 entre os minuscules, a antiga sírio e Old Latina e, por vezes, as versões Sahidic.

(notas bibliografia  International Standard Bible Encyclopedia).

 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Postado por mauricio berwald

 

 

 

Manuscritos do novo testamento (3)

 

             MANUSCRITOS DO NOVO TESTAMENTO (3)

 

 

 

       

Aqui, comoem outras disciplinas humanas a necessidade é a mãe da invenção, e os princípios do procedimento crítico descansar quase inteiramente sobre os dados relacionados com os erros e discrepâncias que consciente ou inconscientemente infiltraram no texto. A máxima do Dr. George Salmon que "Deus tem em nenhum momento deu a Sua igreja um texto absolutamente livre de ambiguidade" é verdadeira mandado para uma investigação livre e continuou neste campo atraente de estudo. O processo de crítica textual evoluiu gradualmente certas regras baseadas em juízos formados após pacientemente classificar e tendo em conta todas as provas documentais disponíveis, tanto interno como externo.

 

Destes grupos, de longe, o mais superior é o neutro, embora Westcott e Hort tornaram tão exclusivamente para coincidir com o Codex Vaticanus que eles aparecem, por vezes, ter quebrado um dos grandes mandamentos de um filólogo, como citado pelo Dr. Nestle de um professor alemão, "Adorarás há códices. Agora, os únicos centros de disputas sérias sobre a aparente ligeira que este sistema pode ter colocado em cima do chamado tipo ocidental do texto no grupo quatro. as variantes desta família são extensa e importante e aparecem devido a um manuseio extremamente livre do texto em alguma data inicial, quando escribas-se sentir a liberdade de variar a linguagem dos livros sagrados e até mesmo para inserir passagens adicionais de comprimento considerável.

 

Embora este tipo de texto é de origem muito cedo e, embora predominante no Oriente foi muito cedo levado para o Ocidente, e sendo amplamente conhecida, tem sido chamado de ocidental, ainda, por causa das liberdades acima referidas, seu valor crítico não é alta , salvo em um campo de omissões. No Egito, no entanto, e especialmente Alexandria, assim como no caso do Antigo Testamento, o texto do Novo Testamento foi criticamente considerado e conservado, e sem dúvida a família chamado Neutro, bem como o chamado de Alexandria, surge aqui e através da associação estreita com Cesaréia torna-se predominante na Palestina e está destinada a prevalecer em todos os lugares. A alegação de Westcott-Hort. que o texto Antiochian surgiu como uma tentativa formal de revisão repetida do texto original em Antioquia não é tão convincente, mas por falta de uma teoria melhor ainda mantém o seu lugar. Suas objeções, no entanto, as suas leituras característicos são bem tomadas e em todos os lugares aceites, mesmo von Soden praticamente concordar aqui, embora nomeando-o texto Koinè. Também é interessante para descobrir que o texto Hesychian de von Soden paralelo tão de perto o Neutro-Alexandrino acima, e sua família Jerusalém Ocidental. E assim chegamos à presente consenso de opinião quanto à origem genealógica do texto do Novo Testamento.

 

  1. Histórico do Processo.

 

abundante evidência existe e está em constante crescimento para mostrar que a opinião crítica e métodos eram conhecidos, pelo menos, dos próprios dias da formação do Cânon do Novo Testamento, mas de tal esboço como o presente a história só pode ser rastreada nos tempos modernos. A era da impressão marca necessariamente uma nova época aqui. Entre os manuscritos disponíveis escolha deve ser feita e um conjunto padrão, e tendo em vista o material em mãos, é notável a forma como habilmente o trabalho foi feito. Tudo começou em Espanha sob o Cardeal Ximenes de Toledo, que imprimiu em Alcala (Complutum), em 1514 o volume do Novo Testamento de seu grande Poliglota, embora não foi realmente emitido até 1522. Enquanto isso, o grande Erasmus, sob o patrocínio de Froben a impressora de Basileia , tinha sido a preparação de um Novo Testamento em grego, e foi publicado no início de 1516 em um único volume e com baixo custo, e tinha atingido o seu 3edition por 1522. sua 4ª edição em 1537 contém texto definitivo Erasmus ', e, além de utilizar o cardeal Ximenes 'texto, tinha a vantagem de manuscritos minúsculos já nomeados. O próximo passo importante foi dado por Robert Estienne (Stephanus), cuja 3edition ", Regia," um fólio publicado em Paris em 1550, foi um claro avanço, e, embora baseado diretamente sobre o trabalho de Ximenes e Erasmus, tiveram leituras marginais de 15 novos manuscritos, um dos quais foi Codex Bezae (D). O aprendeu Theodore Beza se trabalhou com o filho Stephanus "Henri, e trouxe nada menos que nove edições do Novo Testamento, mas nenhum grande avanço crítica foi feita neles. O mesmo pode ser dito das edições Sete Elzevir trouxe em Leyden e Amesterdão, entre 1624,1678, a segunda, a de 1633, no prefácio da qual ocorre a frase, "Textum ergo habes nunc ab omnibus receptum", tornando-se o continental standard, como a edição 1550 de Stephanus tem para a Inglaterra. Assim, chegamos ao Textus Receptus, e o período de preparação está fechado.

 

O segundo período, ou de descoberta e pesquisa, foi anunciada pelo grande Polyglot Londres de 1657, editada por Brian Walton (mais tarde Bispo de Chester) com agrupamentos pelo arcebispo Ussher de 15 manuscritos frescos, incluindo Codex Alexandrinus e Codex 59. Mas Dr. John Mill of Oxford foi o Erasmus deste período, e em 1707, após 30 anos de trabalho trouxe o grego Textus Receptus com agrupamentos frescas de 78 manuscritos, muitas versões e citações dos primeiros Padres. Seus manuscritos incluídos A B D E K, 28,33, 59,69, 71, o Peshito, Old Latina e Vulgata, e sua Prolegomena definir um novo padrão para a crítica textual. Este aparelho foi justamente apreciado por Richard Bentley de Cambridge e um texto revisto da grega e da Vulgata Novo Testamento foi projetada ao longo de linhas que têm prevalecido até hoje. O trabalho e ampla correspondência de Bentley havia agitado estudiosos continentais, e J. A. Bengel publicada em 1734 em Tübingen um grego do Novo Testamento com a primeira sugestão de classificação genealógica dos manuscritos. J. J. Wetstein de Basel e Amsterdão, apesar de um grande colecionador de dados e o autor do sistema de notação manuscrito que tem continuado desde então, fez pouca antecedência crítica. J. S. Semler, tendo o material de Wetstein, começou justamente para interpretá-lo, e seu aluno J. J. Griesbach realizado o trabalho ainda mais longe, claramente distinguindo pela primeira vez que um ocidental, de Alexandria e uma recensão Constantinopolitano.

 

Com Carl Lachmann começou a última época na crítica do Novo Testamento, que conseguiu ir atrás do Textus Receptus e o estabelecimento de um texto autêntico com base nas fontes mais antigas. Ele aplicou os métodos críticos com a qual ele estava familiarizado em editar os clássicos, e com a ajuda de P. Buttmann produziu uma edição em 1842-1850, que abriu o caminho diretamente para a meta; mas eles foram limitados em materiais e Tischendorf breve mobilado estes. Constantine Tischendorf, tanto como coletor e editor, é o homem mais importante até agora no campo. Sua 8ª edição, 1872, do Novo Testamento grego, juntamente com o seu Prolegomena, concluído e publicado, 1884-1894, por C. R. Gregory, estabeleceu um novo padrão. edição alemã do Dr. Gregory do Prolegomena, 1900-1909, complementado por sua griechischen Die Handschriften des Novo Testamento, 1908, marca o avanço do mestre através de sua pupila mestre. Enquanto isso, S. P. Tregelles estava fazendo quase tão prodigiosa e valiosa obra na Inglaterra, e foi, assim, preparar-se para os avanços finais em Cambridge. F. H. A. Scrivener também classifica alta e fez extremamente valioso, embora um pouco conservador, trabalham na mesma direção. Em 1881, "a maior edição já publicada", segundo o professor Souter, foi levado para fora na Inglaterra coincidente com a versão revista do Inglês Novo Testamento. Isto, juntamente com a introdução, que o mesmo escritor caracteriza como "uma conquista nunca superada na bolsa de qualquer país", foi o produto conjunto de BF Westcott e FJA Hort, amigos e colegas de trabalho por muitos anos na Universidade de Cambridge . Assim, com o fim do século 19 a história do processo pode ser dito para fechar, embora ambos processo e progresso ainda avançar com o triunfo sempre crescente.

 

edição do Novo Testamento de von Soden apareceu durante o verão de 1913 e é de suma importância. Ela difere de todos os outros na extrema peso colocado sobre Diatessaron de Taciano como a fonte da maior parte dos erros nos Evangelhos. Esta teoria não é susceptível de comandar o consentimento de estudiosos e o texto (que não diferem muito de Tischendorf de) é, portanto, de valor duvidoso. No entanto, para plenitude de material, clareza de arranjo, e beleza da impressão, edição de von Soden deve inevitavelmente substituem todos os outros, mesmo quando o texto é discordou. Dr. Gregory promete uma nova edição em algum dia não muito distante no futuro, que, por sua vez, provavelmente irá substituir von Soden do.(Notas bibliografia  International Standard Bible Encyclopedia).

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com 

 Postado por mauricio berwald