Translate this Page

Rating: 2.5/5 (63 votos)




ONLINE
3




Partilhe este Site...



 

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


História da reforma protestante (3)
História da reforma protestante (3)

                CRONOLOGIA DA VIDA DE MARTINHO LUTERO 

                          Artigo Mauricio Berwald

 

1483 – Nasce em Eisleben, na Alemanha oriental. 

1484 – Seus pais, Hans e Margaretha Luder, mudam-se para Mansfeld, onde Hans trabalha em minas de cobre.

1492 – Lutero estuda em Mansfeld.

1497 – Estuda em Magdeburgo e no ano seguinte em Eisenach.

1501 – Ingressa na Universidade de Erfurt e no ano seguinte recebe o grau de bacharel.

1505 – Conclui o mestrado em Erfurt e começa a estudar direito. Em 02-07, durante uma tempestade, jura tornar-se monge; ingressa na Ordem dos Eremitas Agostinianos, em Erfurt.

1507 – É ordenado e celebra a primeira missa. No ano seguinte, leciona filosofia moral em Wittenberg.

1510 – Visita Roma e no ano seguinte é transferido para a casa agostiniana de Wittenberg.

1512 – Torna-se doutor em teologia e no ano seguinte começa a lecionar sobre os Salmos na Universidade de Wittenberg.

1515 – Leciona sobre Romanos e é nomeado vigário distrital sobre dez mosteiros; no ano seguinte, começa a lecionar sobre Gálatas.

1517 – Começa a lecionar sobre Hebreus; em 31 de outubro, afixa as Noventa e Cinco Teses sobre as indulgências. Contexto: eleição do sacro imperador e venda de indulgências.

1518 – Defende a sua teologia em uma reunião dos agostinianos em Heidelberg. Em outubro, comparece diante do cardeal Cajetano em Augsburgo, mas recusa retratar-se; em dezembro, Frederico, o Sábio, impede que Lutero seja levado a Roma.

1519 – Entende a “justiça de Deus” como uma “justiça passiva com a qual Deus nos justifica pela fé.” Em julho, tem um debate com o professor dominicano João Eck em Leipzig; defende João Hus e nega a autoridade suprema de papas e concílios. Carlos V é eleito sacro imperador.

1520 – A bula papal Exsurge Domine dá-lhe 60 dias para retratar-se ou ser excomungado. Queima a bula papal e um exemplar da lei canônica. Escreve três documentos fundamentais: À Nobreza Cristã da Nação AlemãO Cativeiro Babilônico da Igreja A Liberdade do Cristão. A Reforma alastra-se na Alemanha e na Europa.

1521 – É excomungado pela bula Decet Romanum Pontificem, de Leão X. Em abril, naDieta de Worms, recusa renegar os seus escritos e no mês seguinte um edito o condena como herético e proscrito. É seqüestrado e ocultado no Castelo de Wartburg, onde começa a traduzir o Novo Testamento. Protegido pelo príncipe eleito.

1522 – Em março, deixa o seu esconderijo e retorna a Wittenberg. No ano seguinte, escreve Sobre a Autoridade Temporal. É publicado o Novo Testamento em alemão.

1524 – Tem um debate com Andreas Bodenstein Karlstadt sobre a Ceia do Senhor. Explode a Revolta dos Camponeses.

1525 – Escreve Contra os Profetas Celestiais; escreve Contra as Hordas, criticando a Revolta dos CamponesesCasa-se com Catarina von Bora. Escreve O Cativeiro da Vontade, contra Erasmo. Morte de Frederico, o Sábio.

1526 – Escreve a Missa Alemã; nasce o seu filho Hans. Na Dieta de Spira, os príncipes recusam-se a aplicar o Edito de Worms. No ano seguinte, luta contra enfermidades e intensa depressão; escreve “Castelo Forte”. Nasce a sua filha Elizabete. Escreve contra as idéias de Zuínglio acerca da Ceia do Senhor.

1528 – Escreve a Grande Confissão Acerca da Ceia de Cristo; chora a morte de Elizabete; visita igrejas.

1529 – Dieta de Spira: intolerância contra os luteranos. Surge o nome “protestantes.” Lutero comparece com Zuínglio ao Colóquio de Marburg, mas não alcançam acordo sobre a Ceia do Senhor. Publica o Grande Catecismo e o Pequeno Catecismo. Nasce sua filha Madalena.


1530 – Morre seu pai. Lutero, sendo um proscrito, não pode comparecer à Dieta de Augsburgo, realizada na tentativa de pôr fim à divisão religiosa do império. Filipe Melanchton apresenta a Confissão de Augsburgo, uma declaração das convicções luteranas.

1531 – Começa a lecionar sobre Gálatas. Nasce o seu filho Martin e morre a sua mãe, Margaretha.

1532 – Escreve Sobre os Pregadores Infiltradores e Clandestinos. Recebe o mosteiro agostiniano de Wittenberg como sua residência.

1533 – Nasce o seu filho Paulo. No ano seguinte, publica a Bíblia Alemã completa e nasce sua filha Margarete.

1536 – Aceita a Concórdia de Wittenberg sobre a Ceia do Senhor, na tentativa de sanar as diferenças com outros reformadores, mas os zuinglianos a rejeitam.

1537 – Redige os Artigos de Schmalkald como seu “testamento teológico.” No ano seguinte, escreve contra os judeus em Contra os Sabatarianos.

1539 – Escreve Sobre os Concílios e a Igreja. Em 1541, escreve Exortação à Oração contra os Turcos.

1542 – Redige o seu testamento; morre sua filha Madalena. No ano seguinte, escreveSobre os Judeus e suas Mentiras.

1544 – Escreve contra a interpretação de Caspar Schwenckfeld sobre a Santa Ceia.

1545 – Escreve Contra o Papado de Roma, uma Instituição do Diabo. Morre o arcebispo Alberto de Mogúncia e tem início o Concílio de Trento.

1546 – Lutero morre no dia 18 de fevereiro em Eisleben. Sua esposa morre em 1552.  ( Notas Portal Makenzie São Paulo)

 

 

 

  1. Uma nova crise para a Reforma alemã começou em 1529 com a Dieta de Spire.

 

 O imperador ter vitoriosamente terminou suas guerras, agora estava livre de embaraços estrangeiros, e mostrou-se determinado a manter a unidade religiosa do império. Um muito numerosos presença de bispos e prelados garantiu uma maioria católica, o que, de acordo com a demanda imperial, decretou que o Édito de Worms deveria ser realizada nos estados que até então haviam reconhecido a sua autoridade, mas que nenhuma inovação deve ser exigida restantes províncias; que ninguém deveria ser obstruída em celebrar a missa; e que os privilégios de cada propriedade espiritual deve ser respeitada. Contra este recesso, que se realizou teria feito um maior progresso da Reforma impossível, Saxônia Eleitoral, Hesse, Lüneburg, Anhalt, o Margrave de Brandenburg, e catorze cidades imperiais entraram em um protesto, a partir do qual passariam a chamada protestantes. 

 

Apelaram a partir dele para o imperador-a um conselho gratuito e uma assembléia nacional alemã. Filipe de Hesse exortou os príncipes evangélicos para assumir uma atitude desafiadora para a defesa da Reforma, e, a fim de reforçar a sua aliança, aconselhou uma união com as cidades imperiais que favoreceram a Reforma de Zwingli. De acordo com os seus desejos, um colóquio teológico foi organizado em Marburg (01-03 outubro de 1529), no qual Zwingli, Luther, Oecolampadius. e Melancthon participou. 

Eles não conseguiram efetuar um acordo na doutrina da Ceia do Senhor, mas nos despedimos com a promessa mútua de acabar com a controvérsia pública. Logo após os príncipes evangélicos reunidos na Convenção de Schwabach, Lutero tinha elaborado, com base em artigos de Marburg, os chamados dezessete artigos Schwabach, que foram solicitadas as cidades Zwinglian a assinar como condição de sua admissão na aliança . O pedido foi, no entanto, se recusou, ea convenção ficou sem resultado. Na próxima Dieta de Augsburg (1530), o imperador pretendia colocar um fim ao conflito religioso. O eleitor da Saxônia, portanto, solicitou a sua teólogos para elaborar um breve resumo da fé evangélica, e nesse sentido que lhe é apresentada uma revisão dos artigos Schwabach em Torgau (os artigos Torgau). 

 

O eleitor foi acompanhada de Augsburg por Spalatin, Melanchton, e Jonas. Lutero, que ainda estava sob a proibição do império, ficou para trás em Coburg. A chegada do Imperador foi adiado, e Melancthon usou o tempo até a abertura da dieta (20 de junho) para compor, com base em artigos Torgan, a famosa Confissão de Augsburg (qv), o primeiro dos livros simbólicos da Igreja Luterana, que, depois de ter sido aprovado por Lutero, foi assinado pelos estados. Ele tinha sido elaborado tanto em latim e em alemão; e, embora o imperador desejou o texto em latim para ser lido, foi a pedido do eleitor lido publicamente na dieta em alemão (25 de Junho). Alguns dos príncipes admitiram que tinham derivado deste documento uma concepção mais clara da Reforma do que possuía até então de seu caráter e design; mas o imperador encomendou os teólogos católicos Faber, Eck, Cochlaeus e Wimpina para preparar uma "refutação" da confissão, que foi lida em agosto 3 O imperador declarou que ele estava determinado a ficar pelas doutrinas estabelecidas no confutation ; que ele esperava o mesmo dos príncipes; que ele era o patrono da Igreja, e não estamos dispostos a tolerar um cisma na Alemanha. Ele se recusou a receber a "Apologia da Confissão de Augsburgo", que havia sido composta por Melanchton, em resposta à "refutação". 

 

O recesso do império de 22 de setembro anunciou que a confissão dos protestantes tinham sido refutada, mas que o tempo para a consideração seria dado a eles, até 15 de Abril do próximo ano; até então todos devem abster-se de difundir sua heresia por escrito ou pregação; e no prazo de seis meses, um conselho geral seria chamado para a solução final da questão. 

 

O Édito de Worms deveria ser realizada, ea corte imperial era a proceder contra os desobedientes. Como, logo após o encerramento da dieta, um processo legal foi realmente começou contra os estados protestantes por ter confiscado a propriedade da Igreja, os poderes protestantes se reuniram na Smalkald, e concluiu (1531) uma aliança defensiva por seis anos, no cabeça de que o eleitor da Saxônia eo de Hesse foram colocados. Felizmente para a nova aliança, o imperador logo foi novamente envolvido em uma guerra com os turcos, que ameaçavam uma invasão da Áustria e da Alemanha, e seu desejo de obter a ajuda das igrejas protestantes, uma vez mais dispostos a ele favorável para a tolerância. Novas negociações resultaram na conclusão da paz religiosa de Nuremberg (23 julho de 1532), que ordenou a ambas as partes amizade mútua e amor cristão até que o Conselho se aproximando. 

 

Papa Clemente VII até agora cedeu às exigências do imperador que prometeu em 1533 para convocar um conselho, no espaço de um ano, em Mantua, Bolonha, ou Piacenza; mas ele exigiu, ao mesmo tempo, desde os protestantes uma submissão incondicional anterior aos decretos do município. Esta promessa protestantes naturalmente se recusou a dar, embora eles estavam prontos para participar do município e pleitear a sua causa. O poder dos protestantes no entretanto foi muito fortalecida pela adesão dos Duques da Pomerânia e Wurtemberg, e por uma união com as cidades que favoreceram a Reforma Zwinglian; e que, depois de uma conversa religiosa, realizada na Cassel, em 1535, entre Melancthon e Bucer, acordado em Maio de 1536, sobre o Wittenberg Concord, pelo qual as cidades inequivocamente aceitou a Confissão de Augsburgo. 

 

Quando, em julho de 1536, o papa realmente convocou o Concílio de Mântua, os estados protestantes se reuniram novamente para consulta no Smalkald. Eles aceitaram e assinaram o "Estatuto Smalkald", que tinha sido composta por Lutero, e que apresentou as doutrinas da Reforma, em termos muito mais forte que a Confissão de Augsburg, e eles permaneceram unânime na decisão de não participar de um conselho italiano, em que o papa iria aparecer tanto como partido e como um juiz. 

 

O conselho não se reuniu, mas em 1538 uma "santa liga" para a supressão do protestantismo foi formado em Nuremberg pelos arcebispos de Mentz e Salzburg, os duques de Baviera, George da Saxônia, e Henrique de Brunswick. Mas no ano seguinte George morreu e foi sucedido por seu irmão protestante Henry, que achei fácil de realizar a Reforma; e alguns anos mais tarde (1542), Henry de Brunswick foi expulso de seus domínios, em que seus conquistadores igualmente introduzidas a Reforma. O eleitor de Brandemburgo, Joachim I, um inimigo decidido de Lutero, foi o mesmo (1535) sucedido por um filho protestante. Assim, gradualmente, a Reforma adquirida ao longo de seu lado quase todos os príncipes seculares da Alemanha, com exceção dos duques da Baviera e da casa de Habsburgo, que achou necessário aderir à antiga fé por causa de sua ligação com a Espanha, a Bélgica e Itália. Várias novas tentativas foram feitas para uma reconciliação das partes em conflito. 

 

O colóquio de Worms (1540) manteve-se sem qualquer resultado. Na Dieta de Ratisbona (1541), onde Roma foi representado pelo legado piedoso Contarini, que se favoreceu as doutrinas fundamentais do protestantismo como eram então mantidos, um acordo foi realizada entre os teólogos a respeito da doutrina da justificação e de outros pontos, mas verificou-se impossível harmonizar pontos de vista sobre a transubstanciação. 

 

Os protestantes, mas não os católicos, teve que se comprometem a respeitar os artigos acordados (ínterim Ratisbona) até a reunião do conselho. O papa foi finalmente prevaleceu sobre pelo imperador para abrir (13 de dezembro de 1545), o conselho há muito prometida pelo Trent, uma cidade do império alemão. O imperador ainda aderido ao plano para forçar o papa em uma reforma da Igreja Católica e os protestantes na submissão à Igreja. Outra conversa em Ratisbona foi organizado em 1546 para elaborar uma base de união a ser submetido ao Conselho, mas permaneceu sem resultado. Ao mesmo tempo, o imperador estava determinado a quebrar o poder político do protestantismo aniquilando a aliança Smalkald, e nisso ele foi muito bem sucedido. 

 

O eleitor eo landgrave foram declarados culpados de alta traição, e na guerra Smalkaldic que se seguiu, em que duque Maurice, embora ele próprio um protestante, lutou por motivos políticos no lado do imperador, ambos os príncipes foram derrotados e feitos prisioneiros. Os outros membros da liga, com excepção de algumas cidades, submetida. 

O imperador não estava ansioso para dar a sua expedição o nome de uma guerra religiosa. mas o papa concedida a indulgência plenária a todos os que ajudar no extermínio dos hereges. Pouco antes do início da guerra (18 de fevereiro de 1546), Lutero morreu em Eisleben, onde ele tinha sido convidado para atuar como árbitro entre os condes de Mansfeld. A fim de impedir a participação dos protestantes no conselho, o papa causou a condenação imediata de algumas doutrinas protestantes importantes na primeira sessão daquele órgão; e para escapar da pressão reformatório do imperador, ele transferiu o conselho (março de 1547), sob o pretexto de que, em Trento, foi ameaçado pela peste, para Bolonha, onde logo se dissolveu. O imperador ficou muito insatisfeito, e determinado a ir em frente com sua própria política de reformatório para preservar a unidade religiosa da cristandade.

 

 A seu pedido, o bispo conciliatória e nobble-minded de Naumburg, Julius von Pflugk, eo pregador da corte do eleitor de Brandemburgo, John Agricola, elaborou o interino Augsburg (1548), que foi aprovado pela dieta, e era servir como o padrão segundo o qual todos os assuntos relacionados com a religião deve ser providenciado até a decisão do conselho. No início, o interino tinha a intenção de ser válido para ambos os protestantes e católicos, mas realmente permaneceu em vigor apenas entre os primeiros, a quem reconheceu o casamento do clero, o uso do copo no sacramento, e algumas construções indefinidas de doutrinas particulares da Igreja Católica. Os protestantes submetido à provisório com grande relutância; e até mesmo aliado do imperador; Maurice da Saxônia, não arriscar a sua introdução uuconditional, e em seu conselho Interino Leipsic (1548) foi elaborado por Melanchton, em que a maior parte do ritual católico foi declarado ser indiferente (adiaphoron), e, portanto, apto para ser retidos. 

 

Ele também declarou que o poder do papa e dos bispos pode ser reconhecido desde que é utilizado para a edificação, e não para a destruição, da Igreja. Mas mesmo esta Interino mais protestante deu nenhuma satisfação, e a fermentação continuied até que o novo papa, Júlio III, reconvoked o Concílio de Trento para maio de 1,1551.

 

 O imperador exigiu que os protestantes devem participar do conselho, mas Maurice fez dependente da condição que os protestantes deveriam receber o direito de voto, que as resoluções anteriores contra os protestantes deve ser anulado o atendimento, e que o próprio papa deve estar sujeita a um general conselho. Melancthon elaborado como base das negociações doutrinárias a Confessio Saxonica, ou repetitio confessionis Augustance. Deputados protestantes da Wiirtemberg, Brandemburgo, Saxônia e Strasburg apareceu em Trent, e Melanchton, acompanhado por vários teólogos de Wittenberg, partiu para se juntar a eles. A situação da Reforma foi radicalmente alterado quando Maurice concluiu uma aliança secreta contra o imperador com um uIumber de príncipes protestantes eo rei católico da França, a quem, por sua assistência, os três bispados alemães de Metz, Toul e Verdun foram traiçoeiramente rendido pelos aliados. 

Maurice, em um curto e decisivo guerra (1552), derrotado completamente o imperador, que estava doente em Innsbruck, e obrigou-o a concordar com o Tratado de Passau (30 de julho de 1552), que definiu a de Hesse em liberdade (o eleitor da Saxônia tinha sido liberado anteriormente), abriu o conselho imperial para os adeptos da Reforma, prometeu uma dieta para a liquidação das diferenças religiosas, e desde que uma paz permanente, pelo menos, todos aqueles que simpatizavam com a Confissão de Augsburgo. 

 

A continuação da guerra entre a Alemanha ea França atrasou a convocação de the.Diet de Augsburg até fevereiro de 1555. Ambas as partes na Alemanha tinha chegado à convicção de que a esperança de terminar a controvérsia religiosa por meio de conversas religiosas ou por um general Conselho deve ser abandonada para o presente, árida que a paz ea ordem no império só poderia ser mantida pela tolerância mútua. Após longas negociações, foi concluída a "Paz Religiosa de Augsburg". - É garantido o livre exercício da religião para os católicos e os adeptos da Confissão de Augsburg. De acordo com o "sistema territorial", que agora entrou em uso, o príncipe de cada estado alemão tinha o direito de reformar a Igreja dentro de seu domínio. Os indivíduos de ambos os protestantes e os governos católicos que não estavam dispostos a respeitar a religião dominante manteve apenas o direito de deixar o país sem obstrução.

 

 Os protestantes permaneceram na posse dos benefícios eclesiásticos que detinham em 1555 Mas no que diz respeito ao futuro, foi previsto que todos os estados espirituais do império, que deve ir posteriormente para o Augsburg Confissão deve por esse ato perde seus escritórios e posses . Os católicos lembradas com medo das perdas que haviam sofrido pela secessão do grão-mestre da ordem alemão, Albert de Brandenburg, e com a qual eles foram ameaçados pela simpatia com a Reforma do arcebispo de Colônia, Hermann; e, portanto, eles acreditavam que a adoção dos artigos que fixam-lhes a posse de bispados e outros estados eclesiásticos, mesmo que os seus titulares atuais devem se tornar protestantes, a própria existência de sua Igreja dependeria. O artigo intitulado "Reserva Eclesiástica" (Reservatun ecclesiasticum) foi proclamado pelo rei romano Ferdinand como uma ordenança real da dieta, embora os protestantes alto protestaram contra ela, e seu protesto teve de ser gravado na paz. 

 

 

          Protestantismo na Itália, Espanha e França . 

- 

  1. Na Itália, o renascimento dos estudos clássicos e da observação da condição corrupta da Igreja decisão tinha difundido entre as classes educadas e literárias um desprezo generalizado não só da Igreja Católica, mas do cristianismo em geral. Os amigos de uma reforma da Igreja teve. no entanto, organizada sociedades em Roma, Veneza e outras cidades, e os escritos dos reformadores alemães e suíços encontraram, portanto, com uma grande dose de simpatia em todas as partes da Itália. Uma parte dos reformistas italianos, que contaram entre os seus membros vários cardeais, como Contarini e pólo, era avesso a uma separação da Igreja e esperava uma regeneração evangélica da antiga Igreja. Outro partido saiu em favor de uma reforma completa, pela primeira vez em Ferrara (sob a proteção da duquesa Renata, uma princesa francesa), em seguida, em Modena e muitas outras cidades. Um centro importante de movimentos reformatórios foi posteriormente na cidade de Nápoles, onde o nobre espanhol Juan Valdez exibida uma atividade notável, e onde dois dos maiores pregadores da Itália - Bernardino Occhino, o general dos Capuchinhos, eo instruído agostiniano Peter Martyr Vermigli - foram obtidas para a Reforma. 

 

Traduções dos principais escritos de reformadores alemães e suíços, a maioria com nomes falsos, encontraram uma grande circulação, e se os reformistas italianos publicaram um grande número de escritos, o mais célebre dos quais é a obra intitulada Sobre o Benefício de Cristo. De acordo com Paulo III os católicos evangélicos, como Contarini e seus amigos, tinha por um tempo um líder influência sobre o governo da Igreja; mas em 1542 uma reação decidida começou quando o papa, pelo conselho do Cardeal Caraffa, que anteriormente tinha sido um amigo de Contarini, nomeou uma inquisição para a supressão do protestantismo. Muitos dos principais amigos da Reforma fugiram para países estrangeiros; entre eles Occhino, Vermigli, Vergerio (bispo de Capo d 'Istria), e Caraccioli, sobrinho do cardeal Caraffa.

 

 Quando Caraffa se tornou papa, sob o nome de Paulo IV, a perseguição estendeu também para os católicos de sentimentos evangélicos, incluindo um número de cardeais e bispos. De acordo com Paul V um Índice Librorum Prohibitorum levou à supressão de toda a literatura amigável ao protestantismo. Protestantismo na Itália, como em outros países, tinha sido dividida em luteranismo eo calvinismo, com uma inclinação prevalecente a este último; e seguidores Anti-trinitária de Servet tinha também tornar-se numerosos, embora tivessem de manter suas opiniões em segredo. A divisão dos protestantes enfraqueceu seu poder de resistência, e antes do final do século, a Inquisição tinha destruído todos os vestígios de comunidades protestantes. Entre os mártires ilustres da Reforma eram Carnesecchi e Palearius; duas congregações valdenses na Calábria foram arrancados em um terrível massacre.

 

 

  1. A união de Espanha sob uma régua com a Alemanha ea Holanda facilitou a introdução dos escritos dos reformadores alemães.

 

. Além disso, a partir de Béarn, que era inteiramente protestante, as doutrinas da Reforma suíça espalhou em Aragon. Sevilha e Valladolid se tornaram os principais lugares da Reforma. Diego de Valera, John Egidius, Ponce de la Fuente (todos de Sevilha), Alfonso e Juan Valdez, e Agostinho Castalla estavam entre seus amigos de destaque. Francis Enzonas e Juan Perez, traduziu a Bíblia. Do medo da Inquisição, os protestantes espanhóis nunca se aventurou a constituir congregações; a Inquisição, no entanto, descobri-los, e exterminado com crueldade implacável. Em 1570 o protestantismo foi considerado como totalmente extinto. 

 

  1. França, durante a Idade Média, muitas vezes tinha tomado um papel de liderança na oposição às pretensões do papado, e em afirmar a superioridade dos conselhos gerais sobre o Papa; mas não havia demonstrado simpatia com uma reforma profunda da doutrina.

 

Quando vista de Lutero tornou-se conhecido na França, eles foram condenados (1521) pela Sorbonne. Um dos bispos franceses, Guillaume Brionnet, tomou, no entanto, um interesse ativo na reforma da Igreja. Ele ligou para seus homens de ajuda como Lefevre, Farel (que era na época regente do colégio de cardeal Le Moine em Paris), Roussel, e outros; mas, quando a acusação de heresia foi levantada contra ele, ele desprendeu de suas amigos reformados, e em 1523, pronunciada contra Lutero. Quando o Parlamento foi objecto de recurso para a supressão do protestantismo, ele emprestou ao mesmo tempo o seu braço para o clero de perseguição sangrenta. Em 1524 Jean le Clerc, de Meaux, o primeiro mártir da Reforma, foi executado em Metz. Em 1529 uma grande sensação AUA despertado pelo enforcamento e queima de Louis de Berquin, um conselheiro real e aderente zeloso da Reforma, cujos escritos e traduções tinha anteriormente (1523) foi condenado pela Sorbonne.

 

 Francis eu era um admirador de Erasmo, e, por natureza, avesso a qualquer atitude decisiva em assuntos religiosos: ele era, além disso, na detecção rápida das vantagens que uma aliança entre os príncipes protestantes da Alemanha e do governante da França contra o imperador católico da Alemanha pode ter para ele e para a França. Por outro lado, ele estava com medo de perturbar a unidade religiosa da França, e desejosos de obter ajuda do papa em sua guerra contra o imperador alemão. Assim, o seu curso no progresso das controvérsias religiosas estava oscilando e indecisos. Na sua corte, e até mesmo em sua família, ambas as partes foram representadas, o chefe patrono da Reforma ser sua irmã Margaret, rainha de Navarra. Enquanto a perseguição dos luteranos foi para a frente, e, em janeiro de 1535, vários dos Reformados foram executadas em Paris de uma maneira bárbara, Francis assegurou aos príncipes protestantes da Alemanha que ele estava realmente em favor de uma reforma religiosa, e que só alguns fanáticos foram punidos na França. De grande interesse são as negociações que ocorreram entre Francis e Melanchton. 

 

O rei tornou-se familiarizado com a Melanchton, em consequência de um memorial que esta última dirigida em 1531 a Guillaume Bellay, e na qual explicou os pontos essenciais da Reforma, e como eles podem ser conciliadas com a doutrina católica. De Melancthon Loci Comunas ao rei muito. Em 1535, John Sturm, então professor em Paris, convidou Melancthon para a França. Melancthon respondeu cordialmente, e foi formalmente convidado pelo próprio rei, pelo cardeal Bellay, Sturm, e Guillaume Bellay. Lutero era a favor de aceitar o convite, mas o eleitor acentuadamente recusou-se a dar-lhe permissão. Melanchton, portanto, não ir, mas em agosto do mesmo ano, seu Consiliumn, com muitas alterações, foi apresentado à Sorbonne para a sua decisão, na forma de uma confissão de fé, e foi declarado por eles para ser bem desagradável. O rei, no entanto, anunciou em dezembro para os protestantes príncipes montados em Smalkald que ele tinha formado uma opinião favorável dos artigos de Melanchton. 

 

Logo, porém, o rei, principalmente através da influência do cardeal Tournon, deixou de manifestar qualquer simpatia com a causa da Reforma. Com ele a ligação dos franceses com a Reforma Luterana parece ter chegado ao fim, até que, em um período posterior, a conquista de territórios alemães deu à França um número considerável de congregações luteranas.

 

Os amigos que bispo Brionnet chamara para Meaux para ajudá-lo em seu trabalho reformatório permaneceu na maior parte, como ele próprio, dentro da velha Clhurch, contentando-se com a difusão de sentimentos espirituais e evangélicos entre os católicos. Lefivre (Faber Stapulensis), depois de ter fugido para Strasburg por conta das acusações de heresia feitas contra ele, foi lembrada por Francisco I, em Blois, onde ele traduziu o Antigo Testamento nomeado bibliotecário, e passou o fim de sua vida na corte de Margarida de Navarra.

 

Gerald Roussel, que fugiu com Lefevre para Strasburg, tornou-se, posteriormente, bispo de Oleron, onde introduziu reformas importantes, mas nunca deixou de ser suspeito de heresia. Mesmo Margarida de Navarra, o patrono zeloso de todos os amigos da Reforma, que reformou todas as igrejas do seu estado pouco de acordo com os princípios evangélicos, nunca considerou que é necessário separar externamente a partir da Igreja Católica. Seu curso foi reprovado por Calvino, mas seu trabalho foi continuado por sua filha Jeanne d'Albret, a esposa de Antoine de Bourbon, e em 1569 a Reforma foi totalmente realizado em Bearn. 

 

O principal movimento de reforma da França, que tem desempenhado um papel notável no seu eclesiástica, bem como a história política, atribui-se o nome de João Calvino. Ele era um nativo da França, e ficou completamente imbuído de ideias reformadoras enquanto estudava ' em Bourges e Paris. Ele teve que fugir em 1533, passou um curto período de tempo na corte da rainha de Navarra, voltou a Paris, mas teve que fugir novamente para a Suíça em 1534, quando escreveu suas Institutas, no prefácio do qual ele expõe a injustiça de o rei. De Basileia foi para Genebra, onde, com exceção de alguns anos que ele passou em Estrasburgo, que era então uma cidade alemã, ele permaneceu até o fim de sua vida, como autor e reconhecido líder de um dos dois grandes divisões da Reforma do século 16.

 

 Embora ele não foi autorizado a voltar para a França, Genebra tornou-se o forno e casa a partir da qual a Reforma na própria França foi constantemente recebendo novos alimentos. Nos últimos anos do reinado de Francisco a perseguição dos reformados aumentou em gravidade; e, especialmente, os valdenses em Merindol e Cabrieres, em Provence, sofria de uma perseguição mais horrível, que em 1545 terminou em um massacre geral. Não obstante a perseguição, o número de Reformada cresceu de forma constante; era muito grande, mesmo com a morte de Francisco I, em 1547, e aumentou rapidamente durante o reinado de Henrique II. Congregações regulares começaram a ser formadas nas grandes cidades, em 1555, e em 1559 um sínodo geral realizada em Paris acordada uma confissão de fé e uma ordem da Igreja. (Para a história posterior da Igreja Reformada. 


A história subsequente do Reformada, a quem em breve o nome de huguenotes foi geralmente aplicada, está intimamente ligado com a história política da França. Eles foram forçados em legítima defesa a agir não menos como um político de um partido eclesiástico. Enquanto os católicos aderiram aos Guises fanáticos, os protestantes procuraram proteção aos Bourbons. Em 1570, eles receberam na Paz de St. Germain direitos iguais, e várias fortalezas ", como uma garantia da paz; mas dois anos depois (1572), véspera de São Bartolomeu foi o início da mais terrível provação pela qual passou em toda a sua história, mais de 30.000 deles sendo massacrados durante um mês. Rei Henry III foi impulsionado pela arrogância dos Guise para as fileiras dos huguenotes, e foi logo depois assassinado pela Clement Dominicana. 

 

Então, o primeiro protestante, Henrique de Navarra, subiu ao trono francês. Para salvar a causa protestante, ele apresentou externamente à Igreja Católica; mas aos seus antigos correligionários ele preservou a sua simpatia e garantiu direitos iguais no Édito de Nantes. Durante os reinados dos reis seguintes os huguenotes novamente passaram por uma série de severas perseguições: sob Louis XIV do Édito de Nantes foi revogado, e um grande número de famílias obrigadas a emigrar, e para se estabelecer em países estrangeiros. A Revolução Francesa, finalmente começou para eles, o soro de liberdade religiosa.NOTAS  fonte Cyclopedia of Biblical, Theological e Literatura Eclesiástica 1870.

 

fonte www.mauricioberwaldoficial.bogpsot.com