Translate this Page

Rating: 2.5/5 (77 votos)




ONLINE
1




Partilhe este Site...



 

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


O Exodo (2) historia סיפור יציאת מצרים
O Exodo (2) historia סיפור יציאת מצרים

                                      O Exodo historia סיפור יציאת מצרים

                                               O EXODO HISTORIA (2)

                                          Abertura do mar Vermelho Exôdo

                                                         Rota do Exôdo 

 

Aqui, no final da sua longa opressão, entregue finalmente, dos egípcios, os israelitas glorificavam a Deus. Em que palavras e cantaram-lhe louvor sabemos a partir da Canção de Moisés, que, por sua brevidade vigoroso, representa os acontecimentos daquela noite memorável, mal de menos momento que a noite da Páscoa ( Êxodo 15: 1-18 ; Êxodo 15 : 19 é provavelmente uma espécie de comentário, não faz parte da canção). Moisés parece ter cantado essa música com os homens, Miriam com as mulheres também cantar e dançar, ou talvez havia dois coros ( Êxodo 15: 20-21 ). Tal quadro não se repita na história da nação. Nem a música triunfal de Deborah, nem a alegria quando o templo foi recuperado dos sírios, comemorou tão grande libertação, ou foi juntado no por todo o povo. Ao deixar Goshen, Israel se tornou uma nação; depois de atravessar o mar, foi livre. Há, evidentemente, grande significado, como sugerimos, em uso de Paulo deste milagre como um tipo de batismo; , para fazer a analogia completa, deve ter sido o início de um novo período da vida dos israelitas.

 

  1. A importância deste evento na história bíblica é mostrado pela maneira em que é dito nos livros do OT escritos em tempos posteriores. Neles é o principal fato da história judaica. Não é a chamada de Abraão, não a regra de José, e não a primeira Páscoa, não a conquista de Canaã, são referidos, de tal forma que esta grande salvação. Nos salmos está relacionado como o principal entre os atos que Deus fizera por seu povo. O profeta Isaías recorda-o como o grande manifestação de interferência de Deus para Israel, e um incentivo para os descendentes daqueles que testemunharam a grande visão. Há eventos tão impressionante que eles são lembrados na vida de uma nação, e que, como grandes alturas, o aumento da distância só lhes dá mais majestade. Então, sem dúvida, foi este lembrado por muito tempo após essas foram mortos que viu o retorno do mar a sua força e os guerreiros do faraó mortos na praia.

 

Pode ser investigado como é que não parece ter sido nenhum registro ou da tradição deste milagre entre os egípcios. Esta questão envolve a da vez na história egípcia para que este evento deve ser atribuído. A data da Exode, de acordo com diferentes cronologistas, varia mais de trezentos anos; as datas das dinastias egípcias no poder durante este período de trezentos anos variar totalmente cem. O período para o qual o Exode pode ser atribuído corresponde, portanto, praticamente a quatrocentos anos de história egípcia. Se a data menor do início da 18ª dinastia ser tomadas, e os mais altos data da Exode, tanto que consideramos a mais provável daqueles que foram conjecturou nos dois casos, os israelitas devem ter deixado o Egito em um período de que monumentos ou outros registros são quase totalmente querendo. Das dinastias 18 e subsequentes temos ainda nenhuma história contínua, e raramente registros de eventos que ocorreram em uma sucessão de anos. Sabemos muito de muitos reinos, e de alguma podemos ter quase a certeza de que eles poderiam não corresponder à do Faraó do Exode. Nós podemos, em nenhum caso esperar um registro monumental egípcia distinta de um tão grande calamidade, para os monumentos única gravar o sucesso; mas pode ser relacionado em um papiro. Não teria, sem dúvida permaneceu por muito tempo uma tradição popular do Exode; mas se o rei que foi morto era um dos estranhos pastor, esta tradição teria sido provavelmente local, e, talvez, indistinta. Josephus, na verdade, nos dá alguns trechos do último trabalho de Manetho, que aparece, se podemos confiar as críticas do historiador judeu (contra Apionem, § 14, 26), para ter bastante truncado a conta em favor dos egípcios. .

 Esforços têm sido feitos para explicar o caráter miraculoso da passagem do Mar Vermelho. Tem sido argumentado que Moisés poderia ter levado os israelitas sobre por um ford, e que uma maré incomum poderia ter dominado os egípcios. Mas nenhuma diminuição real da maravilha é assim efetuado. Como foi que o mar admitiu a passagem dos israelitas, e se afogou Faraó e seu exército? Como foi que era rasa, no momento certo, e no fundo, no momento certo? Alguns escritores (Wolfenb. Fragm. Página 64 sq.) Têm de uma vez declarada a totalidade fabuloso, um curso que parece ter sido tomada tão cedo quanto o tempo de Josephus (Ant. 2:16, 5).

 Outros, que não negam milagres como tal, ainda sem pequena inconsistência procurar reduzir este milagre particular, para as menores dimensões. Escritores que vêem na libertação dos hebreus a mão de Deus e do cumprimento dos propósitos divinos, siga a conta na Escritura implicitamente, colocando a passagem de Ras Attaka, ao término do Vale do Wandering; outros, que vão em princípios racionalistas, encontrar o mar aqui muito largo e profundo para a sua finalidade, e esforçar-se para corrigir a passagem um pouco para o sul ou o norte de Suez. O defensor mais recente da passagem em ou perto de Suez é o Dr. Robinson aprendeu (bíblica Pesquisador na Palestina). A rota tomada por Moisés era, de acordo com Robinson, de Ramsés para a cabeça do Golfo Pérsico, por meio de Sucot para Etã. O último lugar que ele fixa na borda do deserto, no lado leste da linha do golfo. Em vez de passar para o lado oriental, no topo da qual eram, o dali israelitas marcharam para o lado ocidental do braço do golfo, parando nas proximidades de Suez, onde a passagem foi efetuada. Este ponto de vista do milagre, no entanto, totalmente não consegue satisfazer a história das escrituras, e tem sido amplamente refutada por Dr. Olin (As Viagens no Oriente, NY 1843) e outros. (Veja o relato da visita do Sr. Blumhardt, outubro de 1836, na Missionary Church Grave, janeiro 1836; do Kitto Escritura Lands, página 58;.. Daily Bible Illustrat 2:95)

 Alguns supõem o Mar Vermelho antigamente estendeu mais ao norte, e procuraram identificar as localidades de passagem em que a teoria (ver Sharpe em quarenta dias de Bartlett no deserto, página 23 sq.); mas isso é muito improvável e sem provas. Outra explicação (Dr. Durbin, Observações no Rápido, 1: 254) faz com que os israelitas se voltaram a partir da proximidade dos lagos amargos para o lado ocidental da cabeça de Suez, e assim ter seguido da costa para a planície de Baideah deixar a boca do Tuwarik wady, e não cruzou; mas se (como alguns viajantes afirmam), há espaço para tal passagem ao longo da costa de Ras Attaka, os israelitas inight escaparam pela mesma via, basta recuar, ou, se isso tivesse sido impedido pelos egípcios seguir pelo mesmo caminho atrás deles, eles ainda uuuight fugiram a Tih wady, e daí em torno de Jebel Attaka ea cabeça do mar. Uma visão ainda mais tarde (Capitão Moresby, em Terras do Messias de Aiton, página 107) coloca a cena da passagem ainda mais para o sul, na boca da próxima abertura vale no Mar Vermelho perto de Ras Abu Deraj; mas seria difícil mostrar como os israelitas poderiam ter chegado a este ponto de sua posição anterior na extremidade do deserto, e ele também iria trazê-los muito ao sul, do outro lado do Mar Vermelho. Na verdade, o montanhas abordagem tão íngreme da costa ao longo de toda a estes pontos, que eles só poderiam ter chegado ao vale ou planície de Baideash, onde temos suposto a passagem ter sido feito, rodando de forma acentuada no Ethamm em torno da base ocidental da Mount Attaka, e assim, em parte, de volta para o wady et-Tih, através do qual eles foram imediatamente perseguido pelos Egyptiames. O último bainha-os assim no completamente, e dirigi-los para a frente para a borda extrema da costa projetando em frente do monte Attaka, em torno do qual eles foram incapazes de escapar. Aqui era que a Providência se lhes abriu um caminho milagrosa através das águas profundas para o ponto oposto (na boca do Beyanah wady), perto da qual estão situados os poços de Moisés, que, sem dúvida, seu nome deriva do primeiro acampamento dos hebreus depois seu socorro.

 

  1. A Rota do Mar Vermelho ao Sinai. - Quando segura na costa oriental, os israelitas, se tivessem tomado o caminho mais curto para a Palestina, teria atingido de uma só vez através do deserto em uma direção sudeste, até el-Arish ou Gaza. Mas esta rota teria trazido-los em colisão directa com os filisteus, com quem eles eram ainda bastante incapaz de lidar. Oar eles poderiam ter atravessado o deserto de Paran, seguindo a estrada peregrino da atualidade a Elate, e, voltando-se para o norte, fizeram para a Palestina. A fim de conseguir isso, no entanto, multidões hostis e nações teriam de ser encontradas, cuja superiores habilidade e experiência na guerra poderia ter sido fatal para as tribos recém-libertados de Israel. Sabiamente, portanto, fez o seu líder fazer um curso que exigiu o lapso de tempo, e deu a promessa de proporcionar disciplina intelectual e moral do mais alto valor. Ele resolveu levar seu rebanho para Sinai, a fim de que eles possam ver as maravilhas lá para ser exibida, e ouvir as lições lá para ser dado. No Sinai, e na viagem para lá, talvez o grande líder espero que a marca moral que a escravidão tinha impresso sobre o seu povo seriam apagados, e que eles iriam adquirir essa auto-estima, que conta a vontade de Deus, que a capacidade de auto orientação que poderia dar liberdade uma bênção para a nação, e permitir a Moisés para realizar em seu nome os grandes e benignos intenções que lhe Godhadled a se formar. Houve, no entanto, duas maneiras pelas quais ele pode chegar Sinai. Ao seguir uma direção sul-leste, e prosseguindo através do deserto et-Tih, ele teria chegado ao mesmo tempo o coração do Sinai, região. Esta foi a mais curta ea estrada mais expedita. A outra rota leigos ao longo da costa do Mar Vermelho, o que deve ser prosseguida até uma abertura deu-te significa de transformar de repente para o leste, e ascendendo de uma só vez para o distrito elevado. O último era preferível que a razão, antes atribuído, ou seja, as oportunidades adicionais que se ofereceram para a educação das tribos indisciplinados de escravos recém-libertos.

 

Moisés não começou sua árdua jornada até que, com uma piedade e um calor de gratidão que assim convinha a libertação sinal de que seu povo tinha acabado de ser favorecido com, ele comemorou o poder, majestade e bondade de Deus em uma ode triunfal, cheia de as imagens mais adequadas, golpear, e esplêndidas; em que festividade comemorativa ele foi auxiliado por "Miriam, a profetisa, irmã de Arão," e sua banda feminina associada, com música poesia e dança. A natureza destas festividades nos dá razão completa para concluir que, se as pessoas em geral ainda eram escravos no intelecto e da moral, não foram querendo indivíduos no campo que eram eminentemente qualificados nas melhores refinamentos da idade. O local onde estes rejoicings foram realizadas não poderia ter sido longe de ser aquilo que ainda carrega o nanme de Ayuen Meisa, "as fontes de Moses," a situação de que é mesmo agora marcada bv algumas palmeiras. Este foi um local adequado para o acampamento, porque bem abastecidos com água. Aqui Robinson contou sete fontes, perto da qual ele viu um pedaço de cevada e algumas plantas cabbage-.

 

  1. Ao traçar a pista perseguido pelo anfitrião, devemos ter em mente a limitação de que uma variedade de convergência ou paralelas rotas naust muitas vezes foram necessárias para permitir a passagem de tão grande número (Robinson, Pesquisas, 1: 106) . Assumindo a passagem do Mar Vermelho como efectuada no local indicado acima, eles eould marcha froma seu ponto de pouso, um pouco para a E. de S. Aqui eles estavam no deserto de Sur, e nele "eles foram três dias e não acharam água. " Os israelitas parecem ter procedido ao longo da costa, provavelmente seguindo a rota habitualmente exercidas pelos viajantes modernos, sendo a uma curta distância da costa e em paralelo com ele. O distrito é montanhoso e arenoso, com alguns cursos de água que correm para o Mar Vermelho, o que, na falta de chuva, estão secos. "Estes wadys", diz Robinson, "são meras depressões no deserto, Weith apenas algumas ervas espalhadas e shruebs, agora murchas e ressecadas com a seca.".

 Ao fim de três dias os israelitas atingiram a fonte Mara, mas as águas eram amargas, e não poderia ser bebido. As ações que trouxeram com eles sendo agora esgotados, eles começaram a proferir murmurações em encontrar-se decepcionado com Mara. Moisés apelou a Deus, que o dirigiu a uma árvore, que, sendo jogado nas águas, adoça ed-los. As pessoas ficaram satisfeitos e admoestou. O presente 'Ain el-Hawara foi pensado geladas a maioria dos viajantes desde o tempo de Burckhardt ser Mara. A bacia é de seis ou oito pés de diâmetro, ea água Robinson encontrou cerca de dois pés de profundidade. Seu sabor é desagradável, saltish, e um pouco amargo. Os árabes pronunciá-lo amargo, e considerá-lo como o pior de água em todas essas regiões. Perto da primavera são inúmeros arbustos do ghurkud arbusto - uma baixa, espessa, arbusto espinhoso, produzindo uma pequena fruta, que amadurece em junho, não muito diferente da amora-preta, muito suculenta e ligeiramente acídulo. Ele se deleita em um solo salino, e é encontrado crescendo perto das fontes de água salobra e em torno de Palestina, dando um refresco grato aos viajantes. Por meio das bagas, ou, se foram satisfeitas maduro, as folhas desta planta, a amargura pode ter sido removido a partir das águas de Mara. Não é improvável o milagre no caso Lae no fato de que Jehoasah dirigiu Moisés para usar a árvore (arbusto) em si, ao invés do que era habitual, as bagas, a partir da época do ano, logo após a Páscoa, eles dificilmente poderia ter sido madura . Entre Ain Howarah e Ayuin Musa da planície é alternadamente - cascalho, pedregoso e arenoso, enquanto sob a gama de Jebel Wardan (um ramo da et- Tih) giz e pederneiras são encontrados.

 Não há água na linha direta de rota (Robinson, 1: 127-144). Hawara fica na região de cal e gesso que reveste a costa oriental do Golfo de Suez em sua extremidade norte. Seetzen (Reisen, 3: 117) descreve a água como sal, com qualidades purgativas; mas acrescenta que os beduínos e os seus camelos beberam dele. Ele argumenta, a partir de seu tamanho considerável, que ele não poderia ser o Marah de Moisés. Isso, no entanto, parece uma razão inconclusivos. Não seria demasiado perto do ponto de desembarque assumido, como acima, como o Dr. Stewart afirma (página 55), quando consideramos os gravames que atrasaria o anfitrião, e, especialmente, enquanto eles eram novos para o deserto, prevenir marchas rápidas . Mas toda a região parece abundam em água salobra ou amargas molas (Seetzen, ib 3:. 117, etc .; Anmerk página 430.). Por exemplo, cerca de um e TRÊS quartas horas mais próximas Suez do que o Ghurundel wady (que Lepsius levou para Mara, mas que Niebuhr e Robinson em conta como mais provavelmente Elim), Seetzen (ib. 3: 113, 114) encontraram uma Tal wady, com uma mola de sal e uma crosta de sal na superfície da sua cama, a mesma coisa, ele pensa, como o local onde Niebuhr fala de encontrar rock-sal. Isto corresponde na proximidade geral, com Mara. A região vizinha é descrito como um baixo cingida simples, com colinas de calcário, ou, mais raramente giz. Nesta primeira parte de sua marcha deserto, Dr. Stanley (Sinai e Palst. Página 37) Observações: "Não pode haver controvérsia quanto à faixa geral dos israelitas após a passagem (do Mar Vermelho). Se eles indique as montanhas em tudo, eles devem continuar na rota de todos os viajantes, entre o mar ea mesa-terra do Tih, até que eles entraram nas colinas baixas de Ghurufndel. " Ele acrescenta em uma nota, "Dr. Graul, no entanto, foi dito ... de uma mola perto Tih el-Amara, certo (ou seja, sul) de Hawara, tão amargo que nem os homens nem camelos poderia beber dele. A partir daí a estrada vai direto para Wady Ghurundel ". Seetzen também se inclina para ver favoravelmente a identificação de el Amara com Mara. Ele lhe dá o título de um "wady", e precisamente por este motivo rejeita as pretensões de Hawara EI- como não sendo "wady", mas apenas um ribeiro; Considerando que, a partir da declaração "acamparam" em Mara, Marah deve, argumenta ele, ter sido um wady.  

  1. A próxima estação mencionado nas Escrituras é Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras. Como é habitual com os viajantes nessas regiões ", eles acamparam junto das águas" ( Êxodo 16: 1 ). As indicações dadas na Bíblia não são numerosos nem muito distinto. Nem o tempo nem a distância é definida com precisão para baixo. Daí podemos esperar apenas a precisão geral em nossos mapas, e mas o sucesso parcial na fixação localidades. Elim, no entanto, é geralmente admitido para ser wady Ghurundel, encontrando-se cerca de metade um dia de viagem ao sul-leste de Mara. O caminho do Egito para Sinai encontra-se através deste vale, e, por conta de sua água e verdura, é uma estação de chefe da caravana no dia de hoje. Parece certo, em qualquer caso, que wady Ghuirundel - quer se trate de Mara, como Lepsius e (embora em dúvida) Seetzen pensamento, ou Elim, como Niebuhr, Robinson, e Kruse - deve ter sido na linha de marcha, e quase igualmente certeza de que ele forneceu uma estação de camping. Neste wady Seetzen encontrou mais árvores, arbustos, e arbustos do que em qualquer outro lugar viu em sua viagem do Sinai para Suez. Ele particulariza vários tamareiras e muitas tamargueiras, e observa que a maior quantidade de maná vegetal, agora a ser encontrado em qualquer lugar do Peninsula, é aqui reunidos (3: 116) a partir das folhas da última chamada de árvore, que aqui cresce "com galhos retorcidos e cãs, a acácia selvagem, emaranhada por seu crescimento deserto em um matagal, também dispara sua folhagem cinza e flores brancas sobre o deserto" (Stanley, Sinai e Palest página 68.).

 O "cenário" nesta região torna-se "uma sucessão de cursos de água" (ib.); eo wady Taiyibeh, conectados com Ghurundel por Useit, é assim chamado a partir da água agradável e vegetação que ele contém. Estes três wadys englobar em três lados do Jebel Hummam; o mar, que precipitadamente pende, sendo no quarto. Eles são os principais queridos daqueles que os israelitas, passando de noroeste para sudeste ao longo da costa, viria sobre na seguinte ordem-wady Ghfurundel, wady Useit, wady Thal e wady Shubeikeh, sendo o último em sua parte inferior também chamado wady Taiyibeh, ou ter uma junção com uma de mesmo nome. Entre Useit e Taiyibeh, a costa-gama destes montes sobe para o Jebel Hummam, "sublime e precip. Itous, que se estende em vários picos ao longo da costa, aparentemente de calcário calcário, principalmente coberto com pedras.. Suas precipícios ... corte off todos a passagem ao longo da costa das fontes termais (deitado um pouco a oeste do sul da boca de Useit wady, ao longo da costa) até a foz do Taiyibeh wady "(Robinson, 1:.. 150; comparar Stanley, Sin e Palest página 35 ). Assim, entre os cursos destes wadys a faixa dos israelitas deve ter sido para o interior. Stanley diz que "Elim deve ser Ghurindel, Useit ou Taiyibeh (página 37); em outros lugares (página 68) que" um dos dois vales, ou talvez ambos, devem ter Elim; "estas aparecem a partir da sequela de ser Ghurufndel e Useit" orlada de árvores e arbustos, o primeiro vegetação que ele havia se encontrado com no deserto, "entre estes estão" Wild palms ", as árvores não imponentes, mas anão ou selvagem", tanmarisks ", ea" 'acacia selvagem "a julgar. a configuração que figura nos mapas, não parece haver nenhuma razão para que todos os três não deve se combinaram para formar Elim ou, de qualquer forma, como Stanley sugere, dois deles somente, de.. Números 33: 9-10 , como Elim parece não ter sido no mar, devemos supor que o acampamento, se estendeu em três wadys, chegou a suas extremidades marítimas. o anfitrião israelita dificilmente encontrará em mais três do que o solo adequado para seu acampamento. Beyond ( ou seja, para o sul-leste de Ghurundel), as cristas e esporas de montanha da pedra calcária empurrar para baixo para o mar, em todo o caminho ao longo da planície (Robinson, 1: 101, e . Mapa) Esta parte da questão pode ser resumida apresentando, em forma de tabela, os pontos de vista de alguns dos principais viajantes ou anotadores no site de Elim:

 

 

Wady 

Algumas molas quentes 

Ghurundel. 

Use-o. 

norte de Tar, que  

alimentar a data rico 

Niebuhr, 

Um de 

Laborde 

plantações do

 Robinson, 

ambos, 

"possivelmente." 

convent lá, 

Kruse. 

Stanley. 

Seetzen. 

 

[Por Lepsius identificado com Mara.] 

(. Anmerk página 418) Dr. Kruse leva singularmente as palavras de Êxodo 15:27 , "acamparam-se ali (em Elim) pelas águas", no sentido de "pelo mar"; Considerando que, a partir de Números 33: 9-10 , parece que eles não chegar ao mar até uma fase mais longe, apesar de sua distância do que anteriormente tinha sido, mas pequena. .

 

  1. A partir de Elim os israelitas marcharam, acampados na costa do Mar Vermelho, para o que eles devem ter mantido o terreno elevado por algum tempo, uma vez que os precipícios de Jebel Hummam - uma montanha alta e íngreme de calcário calcário - correr para à beira do mar. Eles, portanto, foi sobre o lado da terra da montanha para a cabeça de wady Taiyibeh, que passa para o sul-oeste através das montanhas até a costa. Na planície de Ras Zetima, na boca do vale, foi, provavelmente, (Stanley, página 37) o acampamento "junto ao Mar Vermelho" ( Números 33:10 ). 
  1. De acordo com Números 32:11 , os israelitas removido do Mar Vermelho, e acamparam-se em seguida no deserto de Sim; uma denominação sem dúvida, representa alguma característica natural, e ninguém mais provavelmente do que a planície aluvial, que, encontrando-se na borda do mar, sobre o local que agora considerá-los como tendo alcançado, começa a assumir uma aparência significativa. O nome moderno para isso é el-Kaa, identificado por Seetzen com este deserto (3, parte 3: 412). Stanley chama el-Kaa, em seu ponto inicial, "a planície de Murkhah", e pensa que é, provavelmente, este deserto (página 37). Robinson igualmente identifica com (1: 106) "a grande planície, que, começando perto el- Murkhah, estende-se, com maior ou menor amplitude quase à extremidade da península Na sua parte mais larga é chamado el-Kaa.". Assim eles continuaram ao longo da costa, e ainda não subiu nenhum dos vales fecundos que correm em direção ao centro do distrito. A conta em Êxodo 16 não sabe nada do acampamento anterior à beira-mar, mas traz o anfitrião de uma só vez no "deserto de Sim"; mas devemos ter em mente o propósito geral, não da gravação não a história do povo tanto como relações de Deus com eles, eo ex-sim como ilustrativo do último, e subordinado a ele. O design evidente, porém, em Números 33 pertencem a constância de seu itinerário, este último deve ser estimado como o locus classicus sobre quaisquer questões topográficas, em comparação com os outros tendo uma relação menos especial para thettrack. Na verdade, podemos considerar o acampamento junto ao Mar Vermelho, como cama, essencialmente, no deserto de si Shur. 

 Os israelitas chegaram ao deserto de Sim no décimo quinto dia do segundo mês após a sua dep.Arture para fora da terra do Egito ( Êxodo 21: 1 ), e sendo agora cansado de sua jornada e cansado de sua tarifa escassa, eles começaram novamente a murmurar. Na verdade, não é fácil ver como o alimento mais comum e niggardly poderia ter sido fornecido a eles, constituindo como fizeram quase dois milhões de pessoas, em um país como aquele em que haviam chegado. É verdade que algumas disposições poderiam ter sido feitas por indivíduos antes que a marcha de Suez começou. Também é provável que as contas de acampamentos que temos devem ser considerados como principalmente os de Moisés e seus principais homens, com um corpo escolhido de tropas, enquanto a multidão foram autorizados a atravessar o campo aberto e forragem nos vales. Ainda assim, a região foi desfavorável para o efeito, e alguns têm, portanto, concluir-se que aqui temos uma daquelas dificuldades numéricas que não são incomuns na Escritura do Antigo Testamento, e que fazem muitos suspeitam algum erro radical em nossas concepções do sistema hebraico de números . O contraste entre a oferta escassa do deserto e à abundância do Egito forneceu a ocasião imediata do surto de insatisfação. Pão e carne eram os chefes da procura; pão e carne foram milagrosamente fornecido; o primeiro por maná, este último por codornas ( Êxodo 16:13 ). Manna cresce em alguns dos vales vizinhos; mas os israelitas estavam no deserto, de modo que a oferta não poderia ter procedido de recursos naturais, mesmo tinha tal existia a um nível suficiente para o efeito. A confecção moderna vendido sob esse nome é a exsudação recolhidos a partir das folhas da tamarisk-árvore ( tamarix Orientais, Linn .; árabe. Tarfa, Hebreus אֵשֶׁל ) só nos vales do Sinai, e em nenhum grande abundância. Se resultar das perfurações feitas na folha por um inseto (o manniparus cocos, Ehrenberg) no curso de junho, julho e agosto, isso não irá atender precisamente o tempo das pessoas de entrar na região, que foi cerca de Maio. Diz-se manter como um xarope endurecidos por anos (Laborde, Comment. Geogr. Em Êxodo 16: 13-14 ), e, portanto, não responde às características mais marcantes descritos em Êxodo 16: 14-26 . Seetzen pensou que a goma arábica, uma exsudação da acácia, era o verdadeiro maná dos israelitas; ou seja, ele se refere à declaração de "pão do céu" como uma ficção (Reisen, 3: 75-79). Uma caravana de mil pessoas é dito por Hasselquist (Voyages, etc., Materia Medica, página 298, transl. Ed. 1766) ter subsistido exclusivamente sobre esta substância durante dois meses. 

  •  
  • A próxima estação mencionado no Êxodo é Refidim; mas em números Dofca e Alus são adicionados. Os dois últimos foram alcançados depois que o povo tinha tomado "sua jornada para fora do deserto de Sim." Precisão exata e acordo minuto não devem ser esperados. As circunstâncias do caso nos proibir de olhar para eles. Em um deserto, montanhoso, e do país raramente frequentado, os nomes de lugares não são duradouros. Havia a menos razão para a permanência no caso diante de nós, porque os israelitas não haviam tomado o caminho mais curto e mais freqüentada sobre as montanhas do Sinai, mas keptsalong da costa do Mar Vermelho. É ainda digno de nota, que, em Êxodo 17: 1 . "Depois de suas viagens" não há algo como uma sugestão dada de outras estações além Rephidim ihu as palavras Dophlkah é provavelmente a ser encontrado perto do local onde wady Feiran corre para o Golfo de Suez. (Ver Dofca ). Alus pode ter ficado na costa perto de Ras Jehan. (Ver Alus ). A partir deste ponto uma série de rochas calcárias, denominado Jebal Homã, estende-se ao longo da costa, perto do fim sul de que os hebreus deu uma guinada súbita para o nordeste, e, subindo wady Hibran, atingiu o distrito do Sinai central. No lado oposto, a leste, as montanhas do Sinai chegar a uma paragem súbita, quebrando, e apresentando como uma parede de quase perpendicular falésias de granito. Estas falésias são cortadas por Hibran wady, e no ponto de intersecção com a planície que se estende entre os dois intervalos, provavelmente estava Refidim. Os vas tabernáculo ainda não definido MUP, nem a ordem da marcha organizada, tal como posteriormente ( Números 10:13 , etc.); portanto, as palavras "faixa" ou "rota", como indicando uma linha, só podem ser tomadas no sentido mais amplo e geral. 

 Esta foi a última estação antes de Sinai em si foi atingido. Naturalmente é registrado que "não havia água para o povo beber." A estrada era um e cascalho plain; em ambos os lados eram rochas estéreis. Uma fonte natural era impossível. Um milagre foi forjado, e foi dada água. A Escritura deixa claro que era do grupo do Sinai que a água foi produzida ( Êxodo 17: 6 ). A planície recebeu dois nomes descritivos: Massá, "Tentação", e Meribá, "Strife". Parece que a congregação não foi autorizada a prosseguir a sua maneira de Sinai sem serem molestados. Os árabes pensei que os israelitas adequado para saque e caiu sobre eles. Essas hordas são denominados amalequitas. Os amalequitas pode ter sido fora em uma expedição predatória, ou eles podem ter seguido os israelitas do norte, e apenas ultrapassado-los em Refidim; qualquer forma, nenhuma conclusão pode ser recolhida a partir deste fato como para a morada comum desses nômades. Parece, no entanto, que o conflito foi uma grave e duvidoso, que, por alguma ajuda extraordimeary terminou em favor dos filhos de Israel. Esta agressão por parte dos amalequitas deu ocasião a um ódio nacional permanente, que só terminou no extermínio da tribo ( Números 24:20 ; Êxodo 17: 4-16 ). Em comemoração desta vitória, Moisés foi ordenado a escrever um relato sobre ele em um livro: ele também levantou ali um altar ao Senhor, e chamou o nome dela "Senhor, minha bandeira." Não há ocasião para perguntar se houve ou não espaço para uma batalha no local onde Moisés estava. Foi uma horda nômade que fez o ataque e mot um exército moderno. A luta não foi uma batalha campal. 

 

A palavra Horeb, aplicado por Moisés para o lugar de onde a água foi adquirida, sugere a idéia de que Horebe era o general, e Sinai do nome específico; Horeb pé por todo o distrito, e Sinai para uma montanha particular. Muitas passagens sancionar esta distinção; mas no Testamento Sinai Nova é apenas de leitura, tendo, em seguida, aparentemente tornou-se um nome genérico, como é nos dias de hoje ( Atos 7: 30-38 ; Gálatas 4:24 ). É um uso monacal que dá o nome Sinai de Jebel Musa, e Horeb para a parte norte do mesmo cume. 

 

  1. A rota de Rephidim a Horebe é geralmente suposto ter sido por meio de Feiran wady, mas podemos ver nenhuma boa razão para um curso de modo tortuoso, supondo que temos corretamente localizado Refidim. Os israelitas podem mais provavelmente já subiu wady Hibiahn, tanto quanto sua junção com Bughabigh wady, e através desta primeira sudeste, e em seguida, norte-leste entre Jebel Madsus e Jebel es-Sik; daí, em direcção norte, ao longo da base ocidental da Jebel Katherin, através wady Um- Kuraf, através Tulah wady. Aqui eles podem ter seguido o caminho de ser. tween Jebel Humr e Jebel el-Ghubsheh, que sai nos jardins modernos no recesso das colinas. Nós, assim, colocá-los antes de Mount Horeb, no fite espaçosa planície Rahah, que, tendo a sua parte mais larga na frente imediato desta imensa massa de rocha, estende-se, como se com dois braços, um para o noroeste, o outro para o nordeste. A revisão da planície por uma pessoa tão competente como Robinson é de grande importância para os interesses dos científica geografia , e os interesses ainda mais importantes da verdade religiosa; o sim porque uma crença prevaleceu, mesmo entre os mais bem informados, que não havia lugar no distrito do Sinai, que respondeu "às exigências da narrativa bíblica. Mesmo a exata Winer (Real-Wort na arte "Sinai", não "Horeb", como referido por Robinson, 1:17, 2:.. 550) diz: "Qualquer que seja a montanha pode ser considerado como o local para a promulgação de a lei, a representação comum continua a ser falsa - que ao pé da colina há espalha uma grande planície, em que o povo de Israel pode montar "(comp Rosenmimiler, Alterth 3: 129..).(notas ency estandard 1915) 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com 

Postado por mauricio berwald