Translate this Page
  • Currently 2.56/5

Rating: 2.6/5 (263 votos)




ONLINE
2




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Visão geral do livro - 1 2 3 João
Visão geral do livro - 1 2 3 João

 

Visão geral do livro - 1 João

 Destinatários, Autor e Hora da Escrita

 ARTIGO MAURICIO BERWALD

Embora a Primeira Epístola de João não tenha nenhum nome de autor, nunca duvidou seriamente que o apóstolo João fosse o autor desta epístola, assim como do quarto evangelho. Conteúdo, estilo e linguagem desses dois livros são muito semelhantes. Os primeiros versos da epístola mostram um certo paralelismo com as declarações iniciais do evangelho de João. Termos como luz e trevas , vida e morte , verdade e mentira , assim como o filho unigênito, são típicos de ambos os livros.

 

O autor chama a si mesmo uma testemunha ocular da vida de Jesus (capítulo 1: 1-3) e se expressa com a autoridade de um respeitado líder espiritual mais velho. Em conexão com o evangelho de João, tudo isso aponta para o apóstolo João como autor da epístola (compare com as notas do Evangelho de João).

 

O amplo reconhecimento na igreja primitiva também confirma o que foi dito acima. O primeiro a citar da Primeira Epístola de João é Policarpo de Esmirna (por volta de 70 a 155 AC) que conheceu pessoalmente John pessoalmente. (A citação não é explicitamente atribuída a João.) Outras referências são feitas por Irenaeus (cerca de 140 a 202 AC), Clemens de Alexandria (cerca de 150 a 215 AC), Tertuliano (cerca de 160 a 220 AC), Papias 65 a 150 AC segundo Eusébio) e o Cânon Muratori (final do século II). A crítica moderna tende a sugerir que a epístola foi escrita por um "presbítero chamado João" ou por um estudante do apóstolo João.

 

A maioria dos pesquisadores datam a epístola no final do primeiro século que está entre 90 e 100 AC (o Evangelho de João é datado aproximadamente na mesma época). Provavelmente não é possível afirmar se a Epístola ou o Evangelho de João foi escrito primeiro.

 

A primeira epístola não menciona nenhum destinatário. Muitos pesquisadores, no entanto, levam os destinatários a estar entre os cristãos na Ásia Menor; mas a epístola tem um caráter universal. Como a epístola de Judas, a Primeira Epístola de João dirige-se a todos os crentes. O endereço freqüente "filhos" (cap. 2: 1.12.28; 3: 7.18; 4: 4; 5:21; grego teknion: propriamente "querido filho") e "criancinhas" (cap. 2: 13.18; grego pagão : "criança pequena") é impressionante. Além disso, a epístola contém uma terceira expressão indicando a relação entre Deus e seus filhos (cap. 3: 1,10; 5: 2; grego tekna theou: "filhos de Deus"). As expressões "irmãos" (cap. 2: 7; 3:13) e "amados" (cap. 3: 2,21; 4: 1,7,11) atestam a afeição que liga o autor aos destinatários da epístola.

 

  1. Objeto e propósito da redação

 

A Primeira Epístola não traz qualquer indicação de um autor nem de um destinatário. Saudações e outras mensagens pessoais também estão faltando. É por isso que alguns sugeriram que não é uma epístola, mas um sermão escrito (ou homilia) ou tratado. A expressão repetida de “eu vos escrevo” indica que o livro é uma epístola ou carta por mais única e especial que seja (compare com o capítulo 1: 4; 2: 1.7.8.12.13.14.21.26; 5:13).

 

Assim como a Epístola de Tiago, esta epístola não contém uma estrutura lógica perceptível de pensamentos. O apóstolo João lida com seus vários assuntos principais (vida eterna, amor fraternal, justiça prática) às vezes mais de uma vez, de maneira extremamente simples, mas com grande solenidade.

 

O apóstolo enfatiza invariabilidade e certeza da mensagem cristã pela expressão repetida " desde o início " (cap. 1: 1; 2: 7.13.14.24; 3:11; compare com 2 João 1: 5-62 João 1: 5-6 ). Ele expressa a segurança pessoal da fé repetindo freqüentemente as palavras " nós sabemos " (cap. 2: 3.5.18.20.21.29; 3: 2.5.14.15; 5: 2.13.15.18.19.20).

 

Pela epístola, aprendemos que no final do primeiro século os hereges surgiram entre os cristãos que negaram a filiação divina de Cristo (cap. 2: 18-23), a encarnação do Filho Eterno (cap. 4: 1-3). e a necessidade de uma vida de fé na justiça prática e no amor fraterno. Esses ataques à cristologia e à ética cristã foram etapas do gnosticismo em seus vários matizes que se espalharam cada vez mais durante o século II. João chama esses oponentes da fé cristã de "anticristos" (cap. 2: 18; 4: 3), isto é precursores do grande oponente de Cristo nos últimos dias após o arrebatamento da igreja (compare com 2 Tessalonicenses 2; Apocalipse 13:11. Apocalipse 2). 13:11 e segs. Apocalipse 19:20Apocalipse 19:20 ).

 

João contrasta esses ataques da fé cristã com os fatos da salvação. Ele diz a eles que Cristo, o Filho Eterno de Deus, a vida eterna, veio e que aqueles que crêem nEle recebem a vida eterna e a filiação de Deus. Ao mesmo tempo, ele se refere aos testes pelos quais se pode reconhecer se alguém tem a verdadeira vida de Deus. O objetivo da epístola é expresso no capítulo 5:13: "Estas coisas vos escrevo, que crêem no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna e que possais acreditar no nome. do Filho de Deus ".

 

O Evangelho de João descreve a revelação da vida eterna em Cristo, a Palavra encarnada. A Primeira Epístola de João mostra a revelação desta vida naqueles que crêem no Filho de Deus. Também mostra as características desta vida em sua realização prática nos crentes: justiça e amor fraterno. Assim, esta epístola foi justamente chamada de continuação do evangelho de João (dos capítulos 1 a 19) especialmente. Em contraste com o apóstolo Paulo, João não descreve a posição do crente em Cristo e os privilégios da igreja de Deus ( ecclesia ), mas a vida eterna nos filhos de Deus e as relações entre a família de Deus.

 

Não há meio termo para João entre luz e trevas, verdade e mentira, vida e morte. Muitos leitores têm dificuldades com esse modo abstrato de apresentar e considerar, pois não podem alinhar essas afirmações abstratas com suas experiências práticas. Por exemplo, João escreve: "Todo aquele que nele permanece não peca: o que peca não o viu, nem o conheceu" (cap. 3: 6). João não descreve a vida prática de cada cristão individualmente (o que a vida, infelizmente, difere muitas vezes disso), mas ele estabelece princípios divinos (ver parágrafo 3.a. "A Lógica Divina de João").

 

João também mostra testes para a vida prática dos cristãos que estão angustiados por falsos mestres. Ele freqüentemente se refere às palavras introdutórias "Se dissermos ..." (cap. 1: 6.8.10; 2: 4.9; 4:20). Pois não é suficiente dar apenas um serviço de lábios. A prática de nossas vidas de fé tem que concordar com nossa confissão. Assim somente a genuinidade de nossa confissão será vista. Com sua epístola, João quer fortalecer o mais simples crente em sua fé e dar-lhe um fundamento divinamente seguro e uma arma eficaz para a batalha contra as falsas doutrinas. Sujeito e conteúdo da epístola são resumidos nas seguintes palavras: "E este é o registro que Deus nos deu a vida eterna, e esta vida está em seu Filho. Aquele que tem o Filho tem a vida; e aquele que não tem o Filho de Deus não tem vida. (cap. 5: 11,12)

 

  1. Peculiaridades

 

Lógica Divina de João

 

As declarações absolutas desta epístola causam muitas dificuldades ao leitor. Essas dificuldades desaparecem, no entanto, se entendermos a "lógica divina" por trás dessas afirmações absolutas. Um exemplo é: "Todo aquele que é nascido de Deus não comete pecado". (cap. 3: 9) Provavelmente todo cristão tem um problema com essas palavras quando pensa em sua vida prática. A lógica de tal sentença é que não tem qualquer semelhança com o estado prático de um cristão. É antes uma declaração fundamental sobre a natureza de um homem nascido de Deus que é, portanto, capaz de viver uma vida de acordo com Deus. Ambas as declarações desta frase são inteiramente congruentes (idênticas) como do ponto de vista de Deus. Essa lógica é simplesmente explicada nos dois exemplos a seguir:

 

  1. "Aquele que está morto não pode falar."

 

A segunda parte da sentença contém uma das muitas evidências possíveis e para virar a sentença não seria sensitiva: "Quem não pode falar está morto".

 

  1. "Aquele que é pobre não tem quaisquer posses".

 

Aqui ambas as partes da sentença são idênticas no conteúdo. Se dermos a sentença, fica evidente: "Quem não tem bens é pobre".

 

As declarações difíceis de Primeiro João são sempre frases do segundo tipo. Ambas as partes da sentença são idênticas em conteúdo e, portanto, reversíveis, pois são princípios divinos.

 

A Essência de Deus

 

As seguintes declarações encontramos em primeiro João apenas: "Deus é luz" (cap. 1: 5) e "Deus é amor" (cap. 4: 8,16). O primeiro fala da santidade, verdade e justiça de Deus e o segundo de Sua graça e misericórdia. Ambas as características de Deus estão sempre em total acordo entre si. Eles foram completamente revelados em Cristo, o Filho de Deus: "Graça e verdade vieram por Jesus Cristo" ( João 1:17 João 1:17).). Luz e amor encontraram seu maior desenvolvimento na cruz do Calvário. Este é o lugar onde o amor de Deus aos pecadores perdidos foi revelado em dar o seu próprio Filho. Mas também a luz da santidade e justiça de Deus brilhou em seu mais pleno brilho quando Cristo, o Filho de Deus, se tornou a propiciação pelos nossos pecados. As palavras do salmista já apontam para ele: "A misericórdia e a verdade se encontram juntas; a justiça e a paz se beijaram". ( Salmos 85:10Salmos 85:10 )

 

  1. Visão Geral do Conteúdo

 

1 João 1: 1-41 João 1: 1-4 Introdução: A Palavra da Vida

 

1 João 1: 5-10 1 João 1: 5-10 ; 1 João 2: 1-12 Características da verdadeira comunhão com Deus1 João 2: 1-12

 

1

 

Capítulo 1: 5-10

 

Requisitos

 

2

 

Capítulo 2: 1-2

 

Ajuda de Deus

 

3

 

Capítulo 2: 3-12

 

Obediência e amor

 

1 João 2: 13-27 Três Passos da Fé

 

1

 

Capítulo 2: 13-14

 

Pais

 

2

 

Capítulo 2: 13.15-17

 

Homens jovens

 

3

 

Capítulo 2: 13.18-27

 

Crianças pequenas

 

1 João 2: 28-29 ; 1 João 3 ; 1 João 4: 1-6 Características dos Filhos de Deus

 

1

 

Capítulo 2: 28-3: 3

 

Esperando por Cristo

 

2

 

Capítulo 3: 4-10

 

Permaneça em Cristo

 

3

 

Capítulo 3: 11-18

 

Permanecer no amor

 

4

 

Capítulo 3: 19-24

 

Confiança (Ousadia: JND)

 

5

 

Capítulo 4: 1-6

 

Experimente os espíritos

 

1 João 4: 7-21 O amor de Deus

 

1

 

Capítulo 4: 7-10

 

O amor de Deus por nós

 

2

 

Capítulo 4: 11-16

 

O amor de Deus aperfeiçoado em nós

 

3

 

Capítulo 4: 17-21

 

O amor de Deus perfeito

 

1 João 5 Garantia da Fé

 

1

 

Capítulo 5: 1-5

 

Energia da fé

 

2

 

Capítulo 5: 6-12

 

O testemunho de Deus

 

3

 

Capítulo 5: 13-21

 

O fruto da fé

 

Visão geral do livro - 2 JOÃO

É uma carta amigável e pessoal, escrita algum tempo depois da primeira carta, para a "mulher eleita" que, como creio eu, era amiga de João, e não uma igreja ou alguma nação como às vezes se argumentou. O objetivo é evidentemente alertar seu amigo contra certos falsos mestres.

 

Análise.

 

  1. Saudação, 1-3.

 

  1. Ação de Graças, 4.

 

  1. Exortação à obediência. 5-6.

 

  1. Advertindo contra os anticristos, 7-9.

 

  1. Como lidar com falsos professores, 10-11.

 

  1. Conclusão, 12-13.

 

Para estudo e discussão. (1) O caráter dos filhos da senhora eleita. (2) Evidências do verdadeiro discipulado. (3) Como lidar com falsos professores.

 

 

Visão geral do livro - 3 JOÃO

Esta também é uma carta particular escrita, algum tempo após o primeiro John, ao seu amigo pessoal, Gaius. Houve alguma confusão sobre receber certos evangelistas. Gaius os recebera enquanto Diotrephes se opusera a sua recepção. Ele elogia Caio por sua hospitalidade e caráter cristãos.

 

Análise.

 

  1. Saudação, 1.

 

  1. Oração pela sua posteridade, 2.

 

  1. Elogia sua caminhada divina, 3-4.

 

  1. Elogia sua hospitalidade, 5-8.

 

  1. Reclamação contra Diotrephes, 9-10.

 

  1. Teste de relação com Deus e valor de Demétrio, 11-12.

 

  1. Conclusão 13-14.

 

Para estudo e discussão. (1) O caráter de Gaius e Diotrephes. (2) hospitalidade cristã. (3) palavras como verdade, sinceridade e realidade.

FONTE MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET